Jornal Página 3
Coluna
Frente & Verso
Por Daniele Sisnandes

Indique com amor

Publicado na edição impressa do JP3 de setembro.

Vivemos tempos digitais, de opiniões instantâneas e tutoriais. Nós aqui no papel vamos resistindo pelo amor, mas a verdade é que as coisas mudaram e fiquei pensando muito nisso há algumas semanas quando fui em uma noite de palestras onde conheci uma influenciadora digital.

Os youtubers e instagrammers estão entre nós há um tempo, mas há pouco eles mesmos reconheceram essas ocupações como profissões. Entenderam como ganhar dinheiro disparando opiniões, vestindo e comendo. Tudo válido, desde que legítimo.

É que essa volatilidade dá margem para muita desinformação e temos, nós da geração passada, de alertar nossos amigos, filhos e netos a filtrarem conteúdo. Não a rejeitar, e sim filtrar. Não podemos mais ter o mesmo perfil de leitura de outrora.

Estávamos acostumados aos jornais, que por si só já fazem filtros com base em preceitos de ética e na autodefesa contra processos. Hoje em dia as coisas são um pouco diferentes, existem fakes, pessoas que surgem de um dia para o outro, tem de tudo.

Os famosos estão usando as redes como outdoor há tempos, e cara... eles indicam qualquer coisa! Da marca da roupa ao hotel na Grécia, dão até cupom para desconto na companhia aérea que levou eles para as férias. Fica difícil saber o que é real e o que é business.

Os novos comunicadores querem a mesma coisa. Pessoas que DECIDEM se tornar formadores de opinião e para isso estão dispostas a investir, fazer mil selfies, poses, caras e bocas. O objetivo não é só mais ganhar curtidas, é influenciar.

Muitos relatam a alegria que é quando começam a receber presentes para postar a abertura da caixa. Entendo que as coisas mudaram, mas eu me lembro bem quando, há uns 10 anos, recebi um vinho de uma fonte que tinha ficado feliz com uma matéria e me culpei por um tempão achando que aquilo era um jabá. Até hoje fico envergonhada quando recebo algo - eu sei, tenho 31 anos e me sinto jurássica!

As empresas estão ligadas nestes novos comunicadores. Eles falam a mesma língua, ensinam passo a passo, conversam, estão ali entre o comum e a celebridade, mas alcançáveis de alguma forma.

Só que ao mesmo tempo em que observo com atenção redobrada os profissionais da influência digital, nunca valorizei tanto a opinião dos amigos, as indicações de músicas no Spotify, os reviews nos sites de viagem. A opinião é uma ferramenta poderosa! Pode ser que a gente nem imagine, mas o tom que usamos para falar algo pelas redes ecoa, pode mudar o dia de alguém, a vida, o rumo de um negócio.

Não é negativo, é apenas o reconhecimento de uma responsabilidade. Por isso valorize o que você INDICA, mesmo se estiver ganhando algo para isso. Aponte com amor aquilo que for bom, seja claro, valorize a sua opinião, porque sempre tem alguém do outro lado.

Cabe a nós cuidar o que emitimos, para que chegue ao receptor sem ruídos - eis aí um importante preceito da comunicação (não tenho certeza se tem tutorial no Youtube para isso, mas aprendi do jeito antigo). Não sabemos onde tudo isso vai parar, mas seguimos atentos e dispostos a crescer junto.

Escrito por Daniele Sisnandes, 23/10/2017 às 18h11 | danikahc@gmail.com

publicidade





publicidade



Daniele Sisnandes

Assina a coluna Frente & Verso

Ama a música, as letras e gargalhadas. Sonhadora com os pés no chão. Jornalista. Editoria do Página 3 Online. Quer ir além da pirâmide invertida, mas que seja frente e verso.
















Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br