Jornal Página 3
Coluna
Lu Altmann
Por Lu Altmann

Transbordar

O show Cellophane é um convite à transbordar através das músicas do grupo Mimo, que reúne os cantores e compositores Bruno Kohl, Giana Cervi e Vê Domingos, no teatro municipal de Itajaí, nesta sexta (11), às 20h30. A música de divulgação do show Transbordar é aquela música boa de ouvir, cheia de poesia “pra desenhar silêncios em volta de ti” e “fonte para desaguar, tudo que pensa ao navegar em mares de nanquim".  O pop-cult do MIMO entra em 2018 com show novo, novas canções e a vontade de ampliar o seu alcance fazendo tudo do mesmo jeito. Um espetáculo minimalista com foco em canções autorais. Simples e verdadeiro.

Correeee mulherada


Exclusiva para o público feminino, a Corre Brasil, empresa com 10 anos de trajetória, que é referência em organização e realização de corridas de rua em Santa Catarina promove, no dia 24 de junho, o Circuito Brisas Moleca. Com percursos de 5 a 10 Km, a largada acontece às 8h, com saída do Habbitat Praia Brava, na Av. José Medeiros Viêira, nº 800-898. Informações e inscrições pelo site Corre Brasil - Itajaí

O crack e a rua Corupá


O terreno da rua Corupá antes da cerca


Diariamente passo pela rua Corupá. De segunda a sexta, é o caminho que faço para deixar a minha sobrinha na Univali. Toda manhã, por volta das 7h30, naquele trajeto era uma tristeza. Várias pessoas, usuárias de crack vagando pela rua, um cenário de cortar o coração. A cena acontecia todo dia e todo dia uma tristeza invadia o meu coração. Ver a miséria humana, uma pessoa igualzinha a mim, devastada pelo uso das drogas, é de arrasar ou, no mínimo, fazer a gente refletir. Todo dia a mesma pergunta martelava na cabeça: o que eu posso fazer? Pensei várias vezes em fazer uma matéria, mostrando a situação, mas sempre me pareceu pouco. Pensava: passa tanta gente aqui todo dia, na mesma hora que eu e durante todas as horas do dia. Será que as pessoas se comovem também de ver tanta gente sofrendo e (sobre) vivendo desse jeito? Enfim, há uns 15 dias colocaram uma cerca no terreno baldio que era o ponto de encontro e de concentração deles. A rua mudou, tá limpa, porque no entorno do terreno e no próprio terreno se acumulava muita sujeira, lixo de todo tipo; de roupas, sapatos, móveis e restos de comida e bebida. Obviamente, que não resolveu a situação dessas pessoas. Elas somente devem ter migrado para outro ponto onde podem se concentrar.

O X da questão


Ou seja, nunca se foca na questão, na raiz de tudo: as pessoas, os usuários, a doença, o vício. Fecha-se o local, o que é a consequência! E foi bom, pelo menos visualmente e do ponto de segurança. Dá também um alívio, porque o fato da gente não ver o problema, dá a impressão de que ele não existe, foi resolvido, quando na verdade foi só varrido para baixo do tapete. No meu caso, eu não sinto mais a tristeza em ver tantas pessoas vivendo em sofrimento mental, espiritual e físico, mas todo dia quando passo ali, lembro que o problema existe e não consigo varrer para baixo do tapete. Então, a pergunta continua martelando na minha cabeça: o que eu posso fazer para aliviar o mal estar dessas pessoas e o meu, causado pela dor de ver/saber que isso está acontecendo? Será possível saber e ver essa realidade diariamente e não sentir nada? Achar que tá tudo bem, faz parte da realidade do mundo? Não sei, sei que me incomoda :/

Escrito por Lu Altmann, 10/05/2018 às 11h06 | lualtmann@gmail.com

Vai uma panqueca para o feriado?

 

Siiiiimmm, pq feriado merece um café diferente e caprichado ;)
Essa receita é da minha sobrinha Duda Altmann e já virou daquelas receitas de família. Panquecas Americanas, na nossa família, é aquele prato servido no café de Dia das Mães (fica a dica, que a data tá logo ai), Dia dos Pais, aniversários ou quando a gente quer mimar alguém que amamos, incluindo aqui, nós mesmos <3
Pega a receita aê

Panquecas Americanas com Mirtilo e Banana Ouro

Ingredientes: 

- 3/4 de xícara de farinha de trigo
- 3/4 de xícara de leite
- 2 colheres de sopa de manteiga derretida 
- 1 colher de sopa de açúcar 
- 1 1/2 colher de chá de fermento
- 1/2 colher de chá de sal
- 1 ovo
(até aqui é a receita base, daqui pra frente foi o que eu acrecentei e, vcs podem acrescentar e inventar de misturar o que der na telha).
- 4 bananinhas ouro (aquele bem pequeninha, fofinha, cute cute) beeeemmm maduras
- 1 punhado de mirtilos congelados  

Rendimento: 5 panquecas de 10 cm de diâmetro + ou - 

Modo de preparo: 
1. Numa tigela, peneirar a farinha, o fermento, o sal e o açúcar e reservar;
2. Na batedeira, bater o ovo por dois minutos. Juntar o leite com a ajuda de uma colher ou pão duro, transferir para a tigela da farinha e mexer bem; (eu não fiz essa parte, mas deixa a panqueca + fofinha, mas na preguiça como foi meu caso, pode pular)
3. Juntar a manteiga e misturar até ficar homogêneo;
4 . Esmagar as bananinhas grosseiramente com um garfo e misturar na massa. Acrescente os mirtilos inteiros e congelados e misture na massa tb.
5. Aquecer uma frigideira e acrescentar 3 colheres de sopa da massa no centro (se necessário, colocar um fio de óleo na frigideira para não grudar);
6. Cozinhar até aparecer bolhas e virar com uma espátula para cozinhar o outro lado;7. Sirva quente com um acompanhamento (mel, fritas picadas, manteiga, geleia, granola, doce de leite ...). Eu derramei por cima o mel de Tangerina, feito pela Altmann's Cozinha Artesanal, empresa da família, e que vcs podem conhecer no insta @altmanncozinhaartesanal ou na fanpage da Altmann's.

Servidos?

Para acompanhar esse café a trilha que escolhi foi Riptide | Vance Joy 

Escrito por Lu Altmann, 29/04/2018 às 13h02 | lualtmann@gmail.com

O Mecanismo

Quem já assistiu? A série é descrita por seus criadores como uma "Obra de ficção inspirada livremente em eventos reais. Personagens, situações e outros elementos foram adaptados para efeito dramático”. O Mecanismo é uma ficção baseada em fatos reais da operação Lava Jato. Achei a série um tanto tosca e trash, não sei se é de propósito. Por exemplo, a atuação do ator que interpreta o juiz Rico, aka Sérgio Moro, é um tanto bizarra, mas isso é um detalhe. A grande sacada da série acontece quando Rufos, personagem de Selton Mello, ao lidar com um problema do cotidiano, tem um estalo e entende a origem do mecanismo, de como o sistema de corrupção funciona. Segundo esse “insight”, é como um câncer em metástase, espalhado por tudo e que se se retroalimenta, pq não consegue se encontrar a origem.

Vcs concordam com essa frase que surge na série?

“É um sistema que se autoperpetua … O mecanismo está em tudo ... no flanelinha que recicla o talão, na carteirinha falsificada para pagar uma entrada, no suborno pro guarda pra aliviar uma multa ... os ricos cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. Não tem partido, não tem ideologia, não existe esquerda ou direita, quem tá no governo tem q botar a roda pra girar …”

Ou vcs acham quem é um questão de polaridades … direita x esquerda, partido A x partido B? Afinal, quem no dia a dia já não deu o seu “jeitinho”? Será que o que está acontecendo com o nosso país não é um reflexo macro do mini que acontece no dia a dia dos brasileiros? Imagens capturadas da tela do computador. sorry pela qualidade ;)

Ocupar espaços

Isso me faz lembrar uma entrevista que fiz com o atual vereador de Curitiba, Goura Nataraj, e que foi publicada em 2015, aqui no Página 3. Eu questionei ele, como um iogue, que segue os valores que uma vida de ioga traz (verdade, ética, entre eles), conseguia se manter no meio político atual. Segue a resposta: “Eu acho que a gente precisa ocupar esses espaços de decisão, isso é uma coisa que eu tenho pensado bastante. Se a gente não ocupa com boas ideias, com coisas positivas ele vai continuar sendo ocupado por coisas negativas, então a gente precisa sair dessa ideia do político como esse ser medonho (risos). Eu acho que a política não é nada mais do que a nossa vida em comunidade, a ética da polis. Polis é a cidade, é a comunidade, e ética é como a gente convive …”.

Luz

Ou seja, é preciso que pessoas éticas cada vez + se proponham a assumir, disputar e participar da vida pública. É um pensamento ingênuo? É, pode ser, mas se os cidadãos de bem não fizerem a sua parte e assumirem a sua responsabilidade com ações éticas no dia a dia, a coisa não muda mesmo! É mais ou menos como ser síndico do prédio, socorrooooo, ninguém quer, mas cada um tem que assumir por um período, indo e fazendo a sua parte pela pequena comunidade relativa ao seu condomínio. E os d+ condôminos fiscalizam de perto, participam, questionam … né? Vc participa da sua comunidade? Como?

Rota Gastronômica

*Foto ilustrativa, o Pecorino está oferecendo uma Pannacotta com calda de frutas vermelhas por R$ 10,00)

A Rota Gastronômica, proposta do Balneário Shopping que apresenta menus exclusivos de mais de 20 restaurantes gourmets, operações da Praça de Alimentação e cafeterias do endereço segue até a próxima segunda (30). A Rota oferece pratos especialmente elaborados para o evento com valores pré-fixados. O cardápio inclui opções que variam de R$ 30,00 a R$ 10,00. #FicaDica para quem curte experimentar comidinhas diferentes, sem entrar no vermelho.

Escrito por Lu Altmann, 25/04/2018 às 14h11 | lualtmann@gmail.com

Sem desculpas!

Lu, essa foto não tá bonita não! Pois então. Eu sei, e ela não tá ai pela bela composição ou estética. Ela tá ai, pq há alguns minutos quando eu devorava esse mexidão, que estava DELICIOSO, eu pensei o seguinte: E há quem use a falta de tempo para continuar com maus hábitos alimentares e, não comer comida de verdade e saudável. Tá tudo ok, quer se alimentar mal, tá no seu direito, mas por favor, não use DESCULPAS.

Seja sincero com vc mesmo. Fale, de preferência bem alto: Eu não dou a mínima para a minha saúde, não quero comer comida saudável, quero me intoxicar de comidas industrializadas e, não é pq não tenho tempo, é só pq tenho preguiça de fazer ou não gosto mesmo. Seja feliz com a sua escolha e arque com as responsabilidades que ela acarreta. Mas, dizer que não tem tempo, realmente, não dá!

Pq eu tô falando isso? Pq essa semana em particular, é uma semana que mal tenho tempo para dormir as 8h, que gosto e preciso para ficar OK. Talvez, durma umas 4h, 6h, ok, escolhas! Mas, nem por isso tenho desculpa para me alimentar mal. Claro, pela falta de tempo, acabo comendo menos, mas não mal. Esse mexidão feioso da foto não demorou 10m pra fazer. Tava delicioso, supriu todas as minhas necessidades e me deixou muito feliz. Então, é isso! Menos desculpas, mais sinceridade com a gente e responsabilidade pelas escolhas. 

Vou deixar a receita, pq o bicho é feio, mas ficou d+. E dá pra inventar 1001 jeitos de fazer ele para comer deliciosa e saudavelmente. #ficadica

Mexidão Daora *

8 claras (pode usar 4 ovos inteiros se preferir, eu usei só as claras pq tinha várias sobrando de uma receita que só usa gemas, e aqui não tem desperdício)

100g de cogumelo paris fresco (pode ser qq um, fresco ou não)
1/2 tomate
1/4 de cebola em gomos
1/4 de pimentão verde
1/4 de pimentão vermelho
4 bolinhas de queijo mussarela de bufala
1 colher de sobremesa de cúrcuma em pó
sal e pimenta do reino a gosto
azeite de oliva

(*rendeu um prato fundo)

Modo de fazer

Misture bem as claras com a cúrcuma em pó, o sal e a pimenta do reino. Unte uma frigideira antiderente com o azeite e refogue antes todos os vegetais para não soltar a água. Depois que os vegetais tiverem crocantes, mas a água tiver evaporado, acrescente a mistura de claras temperada. Por último, corte as bolinhas de queijo, espalhe por cima e tampe a frigideira por um tempo para derreter o queijo. Se tiver, eu não coloquei pq esqueci, mas vai ficar muito bom, espalhe por cima umas folhas de manjericão fresco. 

Pra quem não come nada de origem animal, só tirar as claras e o queijo, e substituir por tofu. Vai ficar incrível!

Trilha para a semana

Goste ou não do Chet Faker, uma coisa não dá para negar. Vai dizer que esse clipe da música Gold, que tb é trilha do seriado brasuca recém-lançado pela Netflix O Mecanismo (isso vai ser tema de outra coluna), não dá uma vontade de sair dançando e patinando pelas ruas?

Dirigido por Hiro Murai, o vídeo é hipnotizante e tem uma mistura incrível: música com suingue, uma estrada escura e três mulheres lindas dançando no ritmo da música sobre patins. Dá play e saca só a sincronia e sensualidade do negócio. Em tempo, a patinadora que se destaca no clipe é Candice Heiden, roller skater, coreógrafa e tal, que mora na Califórnia. Perfil dela no Instagram é @candai, vale seguir. Depois me falem, se não da vontade de relembrar os tempos de patins (ok, ok, hj se fala roller) e sair dançando que nem ela. Hot!

 

Escrito por Lu Altmann, 27/03/2018 às 15h31 | lualtmann@gmail.com

A vida e as estações

 
Ontem, pouco depois do meio-dia. Eu estava em casa, sentada na sala, esperando dar 14h, para levar a minha filha para o inglês. Uma brisa entrou e arrepiou a pele. Nesse momento, senti o Outono chegando e entrando. Eu não estava atenta ao fato de que a nova estação começaria na terça, 20 de março, às 13h15. Estranho, pois sou muito ligada nas estações, nos seus ciclos, começos e fins. Mas, senti quando o Outono entrou pela janela, exatamente naquele momento!
 
Foi como se tivesse sentido a presença da nova estação, na hora que começou. Talvez seja porque é a minha estação preferida do ano, talvez seja porque foi muito marcante a mudança de clima que precedeu o começo do Outono. Talvez seja porque, como Drummond escreveu: “Repara que o outono é mais estação da alma que da natureza”. 
 
 
Vocês já repararam como o Outono, tem afinidade com a gente, com a nossa vida? É a estação que marca a colheita, mas também o declínio da natureza com as folhas caindo. Um rito que honra e nos lembra da velhice e da aproximação do inverno. No equinócio de outono dia e noite tornam-se iguais, tempo de celebrar a fartura das colheitas e preparar-se para o período do inverno.
 
Os ciclos da natureza, as estações são ótimas oportunidades de apreciar a beleza da vida, seus inícios, recomeços, fins e transformações! E, para mim, o momento ideal para começar essa coluna <3.
 
Receita para café da manhã de Outono
 
 
Ah, esse climinha de Outono pede uma comidinha aconchegante, do tipo que abraça a gente, não é mesmo? A receita é simples de fazer e permite variações mil. Rápida, prática e saborosa como a gente gosta ;) Na foto, fiz o mingau básico e por cima coloquei rodelas de banana e granola caseira.
 
Mingau Básico
Ingredientes:
2 xícaras de leite frio (uma boa ideia é substituir o leite de vaca, pelo leite vegetal. Pode ser de coco se for caseiro, o industrializado não fica legal, de amêndoas, de castanhas).
2 colheres (sopa) de aveia em flocos
3 colheres (sopa) de açúcar (uso demerara, mascavo, agave ou mel. O branco evito, mas cada um cada um)
Gotas de essência de baunilha ou açúcar de baunilha
3 pedacinhos de manteiga com sal (opcional)
Canela em pó a gosto (pode ser cardamomo em pó tb)
 
Modo de preparo:
Misture o leite com a aveia, o açúcar e a baunilha. Leve ao fogo, mexendo sempre, até engrossar. Coloque no prato e, se quiser, acrescente por cima os pedacinhos de manteiga, que vão derreter com o calor do mingau e dar um interessante contraste entre o sabor salgado da manteiga e doce do mingau. Alemão, né, gosta da mistura do doce com o salgado. Polvilhe a canela ou o cardamomo por cima e seja feliz!
 
Inventando
Substitua o leite, por café com leite. Experimenta, fica delicioso. Também dá para inventar colocando rodelas de banana branca por cima, no final. Dá pra esmagar uma banana e misturar com o leite, aveia, daí pode até deixar sem açúcar, porque a banana madura é bem docinha. Dá pra colocar frutas vermelhas por cima na hora de servir. Dá pra misturar nozes, castanha do Pará ou amêndoas em lascas depois de terminar o preparo do leite, aveia e açúcar. Dá pra triturar os grãos e colocar só por cima tb. Dá pra acrescentar cranberry ou damasco ou passas ou maça na receita base. Bem, vou parar por aqui senão vai virar o “tratado do mingau” (rs).
 
Trilha para acompanhar esse começo de Outono com uma tigela de mingau sentindo o sol tocando a pele <3

 
 
Early Autumn de Ella Fitzgerald & Nelson Riddle
 

Páscoa 

 
 
Tá chegando a Páscoa! Em tempo de ovos e + ovos industrializados nas prateleiras de supermercado ou dos tais ovos recheados com toneladas de açúcar que deixa qq um ligado no 220V, que tal voltar as tradições e rechear ovos (aquelas casquinhas que as nossas mães e avós guardavam meses antes da época) com amendoim de verdade. Boa né? Para quem tem filhos pequenos #ficadica. Além de deliciosos, uma boa oportunidade para sentar, conversar, relembrar, contar causos da infância, sabe como? Criar conexão e valor pelo simples, ensinar que menos é +. Menos consumismo, mais presença. Vamos renovar e transformar!
 
Empatia + Humanidade
O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes no dia 14 de março, trouxe todo tipo de bizarrismo a tona. Teve muita baboseira, invenções, politicagem, enfim, muito lixo. Mas teve muita coisa boa tb, gente se mobilizando, refletindo … o melhor de tudo que vi e li, veio de uma postagem que o ator e diretor Selton Mello, fez no seu perfil do Instagram (@seltonmello).
“Empatia
Experiência de se colocar no lugar do outro, procurar sentir o que o outro sente.
Que tenhamos mais isto.
Leio coisas que me deixam perplexo.
Déficit de afeto.
Eis um triste diagnóstico do Brasil.
Déficit de afeto.
A capacidade de se comover com a barbárie não pode ser medida por ideologia.
É tudo gente.
Todas as histórias terríveis e diárias são dolorosas, todo esse horror cotidiano é devastador.
Não existe competição de dor.
É tudo ser humano.
Sentir.
Unir.”
 
Meditação
Toda sexta-feira, às 8h15, a escola Yoga Spanda abre as portas para quem quiser meditar em grupo. É gratuito! O ideal é confirmar a presença com antecedência, já que o espaço é limitado. Informações pelo 47 3056.0007 ou pelo whats 47 9 9928.5682. Entrar em contato com essa prática numa escola tradicional de yoga com + de 20 anos no mercado, vale a experiência. _/|\_

 

Escrito por Lu Altmann, 21/03/2018 às 13h24 | lualtmann@gmail.com



Lu Altmann

Assina a coluna Lu Altmann

Curiosa por natureza, taurina com ascendente em touro, Lua em Aquário. Pés na Terra, cabeça no céu. Dessa mistura saiu uma jornalista/cozinheira, praticante de yoga e estudante de Vedanta. Parece brisa, mas é tornado. Observadora da vida e do que acontece nesse mundão. Aqui vai ter de tudo: reflexões, dicas de bem-estar, comidinhas, lugares, estilo de vida, moda, comportamento, tendências, inovação, estações, enfim, um olhar sobre a vida e o cotidiano.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br