Jornal Página 3
Coluna
Economia & Negócios
Por Augusto Cesar Diegoli

Economia na Semana

Parque industrial

Muito em breve a centenária Fábrica Renaux na 1º de Maio, em Brusque, voltará a ouvir o barulho das máquinas. A Havan, que oficializou no fim de setembro a compra do imóvel por R$ 37 milhões, vai restaurar os 40 mil m2 de construções existentes no terreno e transformá-los em um complexo que já está sendo chamado de Centro Industrial Renaux. A ideia é dividir o espaço em galpões e alugá-los, de preferência, para atividades ligadas ao setor têxtil, como fiação, tecelagem, tinturaria, malharia, confecção e faccões. Mas, empresas de outros ramos também poderão se instalar no local. As características originais, incluindo as cores da marca, serão mantidas. Os interessados poderão escolher o tamanho do espaço que vão querer utilizar.

Melhores para trabalhar

A brusquense Zen, fornecedora de peças para o setor automotivo, está entre as 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil, de acordo com o ranking elaborado pela revista Você S/A em parceria com a Fundação Instituto de Administração. Apesar de existirem outros levantamentos semelhantes, inclusive com o mesmo nome, este é considerado o principal termômetro de análise das políticas de gestão de pessoas e RH implantadas por companhias do país. A unidade de Balneário Piçarras da fornecedora Takata também aparece no ranking. Além delas, há grandes companhias nacionais que não têm sede em Santa Catarina, mas contam com unidades no Vale como Coteminas (Blumenau) e Votorantim (Vidal Ramos).

Mercado de trabalho

Com 8.011 novos empregos gerados em setembro, a maioria nos setores da indústria (+2.696), nos serviços (+2.501) e no comércio (+2.072), segundo dados do Caged (Ministério do Trabalho), elevando para 37.211 o saldo positivo para este ano em Santa Catarina, com destaques para Joinville (+5.948), São José (+3.097), Blumenau (+2.845), Chapecó (+2.472) e Brusque (+2.008). No país, foram abertas 35.392 novas vagas em setembro, o sexto mês consecutivo de alta. No acumulado deste ano, o saldo positivo soma 208.874 novas vagas abertas.

Tesouro Direto

No mês de setembro, foram 181 mil operações de investimento no Tesouro Direto, somando R$ 1,35 bilhão, afirma o Ministério da Fazenda.

Bolsa de Valores

Apesar de todo o esforço, a presença de pessoas físicas na Bolsa brasileira ainda é ínfima e cresce de maneira tímida. Em 30 de setembro, eram 463 mil homens e 137 mil mulheres os investidores pessoas físicas. A comparação com outros países ainda é dramática. Não se compara aos EUA, Japão ou Reino Unido. Investidores individuais na Coreia do Sul, Índia e até mesmo na Colômbia são contados em milhões. O brasileiro está apenas engatinhando na sua jornada pelos mercados de capitais. Mas esse processo parece ser irreversível. Algumas ideias vêm motivando os brasileiros a começarem a cuidar melhor de sua vida financeira.

Credores da Oi

A Oi informa que fechou 25 mil acordos com credores. Segundo a empresa, o valor corresponde a mais de R$ 410 milhões. A empresa encerrou o programa de negociação à recuperação judicial para credores com crédito de até R$ 50 mil. Segundo a operadora, 33 mil se cadastraram na plataforma para receber o valor. Dos cerca de 55 mil credores da Oi que fazem parte do plano de recuperação judicial, aproximadamente 53 mil tinham créditos a receber de até R$ 50 mil. Os pagamentos serão realizados em duas parcelas, sendo que a primeira corresponde a 90% do valor e acontece em até 10 dias úteis após a assinatura do termo de acordo. Os 10% restantes serão recebidos pelo credor em até 10 dias úteis após a homologação do Plano de Recuperação Judicial.

Duplicação

Deinfra promete para o fim do ano a liberação do tráfego de veículos de um trecho de 17 quilômetros da duplicação da Rodovia Antônio Heil, que liga Itajaí a Brusque. A obra foi inspecionada pelo governador quando de viagem a Brusque no último dia 16.

Estações inteligentes

Fruto de parceria com a Alemanha, foram instalados em Brusque, três estações inteligentes, ou seja, postes que possuem iluminação, internet, sensores para monitoramento ambiental, temperatura e carregamento de veículos elétricos. A cidade é a primeira da América a implantar a tecnologia, que é referência em países na Europa.

Formabella

Instalado em uma área de 5 mil m2 em Brusque, sendo 1.800 m2 de área construída, com uma equipe altamente qualificada de 45 colaboradores diretos, o parque fabril da empresa conta com equipamentos e estrutura de ponta para sua produção. Além da fábrica e do showroom em Brusque, a Formabella conta com franqueados em Florianópolis e Blumenau,

Cassinos

O secretário estadual de Turismo, Leonel Pavan, levantou a bandeira em favor da regulamentação de jogos e cassinos no Brasil. Participou em Brasília, de uma mobilização de dirigentes do segmento turístico de vários estados, que pedem apoio do Governo para acelerar projetos que tratam do assunto. Uma conta do próprio governo aponta que a União deixa de arrecadar R$ 37 bilhões por ano ao não legalizar os jogos e que cerca de R$ 20 bilhões circulam no mercado ilegal. Pelo tamanho do apetite do Palácio do Planalto em melhorar as contas, é até surpreendente que essa questão ainda não tenha evoluído.

Tarifas dos Correios

O Ministério da Fazenda autorizou, pela segunda vez este ano, o aumento das tarifas cobradas pelos Correios. Assim, o governo autoriza o reajuste “sob forma de recomposição” das tarifas dos serviços postais e telegráficos nacionais e internacionais. O reajuste ocorre em duas parcelas: a primeira de 6,12% será por prazo indeterminado e a segunda, de 4,09% vai vigorar por 64 meses. Com o aumento, a carta comercial de até 20 gramas, passará a custar R$ 1,83. Anteriormente, o valor era de R$ 1,23. Em abril, o Ministério da Fazenda já havia autorizado aumento de 7,48% nas tarifas postais dos Correios.

Encontro com árabes

Aconteceu o Encontro Empresarial Brasil-Emirados Árabes Unidos, do qual participou o presidente da Fiesc, Glauco José Corte. A indústria apresentou projetos em setores como alimentos e bebidas, construção civil, aeronáutica, metalurgia, petróleo e gás, agroindústria, têxtil e tecnologia da informação e comunicação. As concessões no próximo ano, em portos, aeroportos, rodovias e obras em saneamento também constaram da pauta.

Retomada dos investimentos

As montadoras vão investir R$ 15 bilhões no Brasil até 2022. A notícia consta do jornal FSP. A reportagem detalha investimentos e inclui Joinville, em SC, com previsão de expansão das atividades da GM, que também pretende investir nas unidades de Gravataí e São Caetano. A retomada dos investimentos por parte das montadoras simboliza, em parte, a retomada da economia brasileira. O setor automotivo produziu 2,2 milhões de unidades no ano passado, contra 3,7 milhões em 2013. O baque foi muito grande, mas a expectativa para 2017 é de 2,7 milhões de veículos, um crescimento superior a 20%.

Interesse no Grande Hotel

A Justiça tem sobre a mesa duas propostas de compra do prédio que abrigou o Grande Hotel Blumenau, empreendimento que teve a falência decretada em 2014. Uma, no valor de R$ 10 milhões, é de uma empresa de Criciúma, no Sul do Estado. A outra, de R$ 13 milhões, vem de um grupo estrangeiro, segundo o administrador judicial Gilson Sgrott. O imóvel na Alameda Rio Branco está avaliado em R$ 19 milhões e já foi a leilão, sem sucesso, duas vezes.

Comércio exterior

Estudo apresentado na última semana pela Federação das Indústrias de SC (Fiesc) indica que 92% das empresas consultadas planejam aumentar presença no exterior ou abrir novos mercados lá fora ao longo deste ano e também em 2018. De acordo com o estudo, 55% das indústrias têm negócios em até cinco países, enquanto que 45% exportam para mais de seis mercados.

Investimento na Gomes da Costa

O presidente do Grupo Calvo, assinou em Corunha (Espanha), um protocolo de intenções com o prefeito Volnei Morastoni para manter a Gomes da Costa em Itajaí. É a primeira sinalização efetiva da indústria desde que começaram as tratativas para a construção de um novo parque fabril, com investimento total de R$ 1 bilhão. Se os planos se confirmarem, depois de pronta, a nova sede da indústria será o maior complexo pesqueiro do mundo. A Gomes da Costa é a maior empregadora privada de Itajaí, com dois mil colaboradores diretos e outros 10 mil empregos indiretos. Itajaí apresentou um protocolo de intenções que inclui incentivos fiscais previstos em lei e estímulos econômicos para a construção do parque fabril. O Grupo Calvo tem grande representatividade no mercado mundial. É a quinta empresa de pescado no mundo, a maior enlatadora da Espanha, do Brasil e a segunda da Itália.

Exclusão para quem não pagar

A Receita Federal fez um levantamento dos contribuintes que gozam de benefícios fiscais junto ao órgão e pretende cassar os benefícios daqueles que têm dívidas com a União. A exclusão se dará com base no parágrafo 3º, do artigo 195 da Constituição Federal, e no artigo 60 da lei 9.065 de 1995, segundo os quais a pessoa jurídica em débito para com a União não poderá receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios. Neste contexto, a medida provisória nº 783 de 2017, instituiu o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), por meio do qual as dívidas para com a Fazenda Nacional, vencidas até 30 de abril deste ano, poderão ser liquidadas sob condições especiais, com descontos generosos de multas e juros e prazos alongados. O prazo de adesão se encerra em 31 de outubro.

Serviços bancários

Na busca de mais eficiência, bancos decidiram reduzir o número de terminais de autoatendimento próprios e passaram a adotar cada vez mais caixas eletrônicos compartilhados com concorrentes sob o guarda-chuva do Banco24Horas da Tecban. Para o cliente, isso pode se traduzir em oferta de serviços limitada e custo maior.

Carga tributária

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo bateu a marca de R$ 1,7 trilhão na última semana. O registro ocorre 24 dias antes do que no ano passado, o que significa que os brasileiros estão pagando mais impostos em 2017. A estimativa da associação é que a carga tributária paga feche 2017 em R$ 2,17 trilhões.

Comodismo tributário

Prefeituras de SC e governo do Estado fazem de tudo para que os contribuintes em atraso paguem o que devem. Oferecem múltiplas facilidades em Refis de cá e de lá e quem paga em dia sempre fica com cara de tacho. Prefeituras e governo, é preciso dizer, que não se esforçam para diminuir a sonegação usando os mecanismos e instrumentos que tem à mão, muito facilmente: a nota fiscal, eletrônica ou não. Em São Paulo milhões de pessoas participam do programa Nota Fiscal Paulista, que aumentou a arrecadação em bilhões. Na última semana, pagou R$ 642 milhões a consumidores e condomínios que pediram a inclusão do CPF ou CNPJ no momento da compra. Outros R$ 45 milhões serão destinados à entidades beneficentes, referentes a compras próprias ou doações recebidas durante o primeiro semestre deste ano. Mais: o dinheiro acumulado no programa pode ser transferido para a conta corrente ou ser usado para quitar, em parte ou totalmente, o IPVA. Todos ganham, menos o sonegador.

Dívidas prejudicam a saúde

O endividamento não prejudica somente a saúde financeira dos consumidores, mas também a saúde mental. Segundo levantamento do SPC Brasil e da CNDL (confederação de dirigentes lojistas), sete em cada dez inadimplentes passaram a se sentir ansiosos após contraírem dívidas. No ano passado, eram seis em cada dez. O vício também é uma das consequências desencadeadas pelas dívidas em atraso. O estudo mostra que dois em cada dez entrevistados passaram a descontar a ansiedade em vícios, como cigarro, comida ou álcool. O consumidor que não consegue se livrar das dívidas também sente os efeitos na sua vida profissional.

Sociedade deve escolher

A existência de mais de 100 milhões de processos no Judiciário brasileiro, de acordo com dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), indica que a sociedade está doente, na opinião do ex-desembargador do TJ-SP, José Renato Nalini. No mínimo, ela sofre de infantilidade, de uma síndrome da tutela permanente, afirmou o magistrado, que sugere que a sociedade faça a sua escolha: resolva sozinha os simples problemas cotidianos e dedique à Justiça apenas os grandes casos ou, então, pague pelo crescimento de sua estrutura. Chama atenção da sociedade de que se é esse o modelo que ela quer, então, que ponha a mão no bolso e prepare-se para ser sacrificada ainda mais, porque a máquina não vai parar de crescer.

Confisco dos atrasados

A AGU (Advocacia-Geral da União) conseguiu extinguir ação do Ministério Público Federal que pretendia impedir o confisco dos atrasados depositados há mais de dois anos que não haviam sido sacados pelos credores. A defesa do governo afirmou que os credores que tiverem a grana confiscada não perdem o direito de receber.

Para mais idosos

O fator previdenciário também pode ser utilizado para aumentar a renda do segurado que consegue uma transformação de aposentadoria. Mas, para isso, o segurado precisa ter idade avançada, além dos 70 anos de idade, na maioria dos casos, segundo advogados especialistas.

No Supremo

A crise econômica pode prejudicar a análise da transformação de aposentadoria pelo STF (Supremo Tribunal Federal), segundo advogados. O receio deles é de os ministros votarem contra uma medida que, eventualmente, poderia aumentar ainda mais o déficit das contas públicas.

Confusão à vista

No dia 11 de novembro, entrará em vigor a reforma trabalhista, mas nem tudo será automaticamente aplicado. Fiscais do trabalho e procuradores do Ministério Público do Trabalho já avisaram que vão desconsiderar pelo menos cinco aspectos da nova legislação: a dominância do negociado sobre a legislação; a terceirização irrestrita, até para atividades-fim; o não reconhecimento de vínculo empregatício de trabalhadores autônomos; a contratação de trabalho intermitente para qualquer setor; a limitação de valores de indenização por danos morais.

Cuidados com documentação

Manter a documentação em dia é fundamental na administração de um condomínio, de plantas de imóveis a comprovantes de pagamentos. Tudo precisa ser arquivado e de fácil acesso. Um dos principais é o AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros). Sem ele, o condomínio fica sem o seguro. O condomínio pode até ser multado. E, se tem algum sinistro e não tem o certificado em dia, o seguro não cobre. O síndico, normalmente, não sabe muito bem sobre essas documentações. Às vezes é uma pessoa que não tem experiência nenhuma. Por isso é importante ter uma boa administradora.

Segurados vão à Justiça

Mais de 800 mil segurados recorreram ao Judiciário em todo o país, no ano passado, para garantir auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez. A ação só pode ser aberta após o INSS negar o benefício no posto ou demorar mais de 60 dias para dar uma resposta. Segundo especialistas, ir direto à Justiça pode valer mais a pena do que entrar com recurso no posto, já que a análise da doença é feita com mais tempo e cuidado. O processo deve ter todos os exames, laudos e comprovantes. Dessa forma, inclusive, o juiz terá condições de dizer se a incapacidade é temporária ou permanente.

Aposentadoria com menos tempo

Para pedir a aposentadoria por tempo de contribuição, o trabalhador precisa ter 35 anos (homem) ou 30 anos (mulher) de pagamentos ao INSS. Algumas leis e decisões judiciais, porém, abrem o caminho para que determinadas categorias profissionais antecipem o direito ao benefício. É o caso, por exemplo, de quem atua em função de risco à saúde, como enfermeiros, eletricitários, metalúrgicos e técnicos em radiologia. Os professores também podem se aposentar mais cedo: com cinco anos a menos de contribuição. Já homens com mais de 65 anos e mulheres com mais de 60 anos podem ter o benefício por idade com 15 anos de pagamentos ao INSS.

Autônomo garante aposentadoria

A Previdência tem planos que dão garantias a quem trabalha por conta própria. O simplificado sai por R$ 103,07 ou seja, 11% sobre o salário mínimo ao mês, e dá direito a todos os benefícios do INSS, exceto a aposentadoria por tempo de contribuição. Conheça os documentos necessários e escolha a opção que se adapte à sua renda mensal e ao tipo de aposentadoria que deseja.

Escrito por Augusto Cesar Diegoli, 23/10/2017 às 13h17 | acdiegoli@gmail.com

publicidade





publicidade



Augusto Cesar Diegoli

Assina a coluna Economia & Negócios

Contabilista aposentado, graduado em Direito pela Univali (ex-Fepevi), pós graduado em Direito tributário e Finanças Empresariais pela Furb, árbitro/mediador e diretor da Câmara de Mediação e Arbitragrem de Brusque e diretor da Facema - Federação Catarinense das Entidades de Mediação e Arbitragem.
















Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br