Jornal Página 3
Coluna
Turiscope - Retratos de Viagens
Por Ike Gevaerd

UMA PEQUENA ROTA ENOGASTRONÔMICA

Foto: Ike Gevaerd 

INICIA EM JOSÉ IGNÁCIO

Foto: Ike Gevaerd

Em abril de 2018 eu e Clarice resolvemos viajar pelo Uruguai de carro, viemos pela costa parando nas belas praias e pequenas baías desde o Chuí. Nosso primeiro destino foi José Ignácio, um pequeno balneário com pouco mais de 300 habitantes, que fica a 40km de Punta del Este.

 

JOSÉ IGNACIO

Foto: Ike Gevaerd

No verão muitos viajantes brasileiros e argentinos procuram José Ignácio, buscando um lugar mais tranquilo, longe da muvuca em que se transforma Punta. Praias (foto) compõe o cenário da pequena península que avança por 800m sobre o mar e tem o farol, inaugurado em 1877 como complemento da paisagem. Foi uma bela surpresa, mas se forem para lá fora do verão, encontrarão muitos dos seus bons restaurante e pousadas fechados. Confira antes.

 

AS CASAS DA PENÍNSULA

Foto: Ike Gevaerd

Numa caminhada pelo pequeno vilarejo, um destaque é a arquitetura das construções, uma atração pela sua contemporaneidade e bom gosto. No centrinho existe uma praça cercada por pousadas, bons bares e restaurantes para todos os gostos. No centro da praça tem um posto de informações turísticas cercado por um belo jardim. Dali iniciamos o passeio pelos pontos interessantes da península.

 

BELOS CAMINHOS LEVAM A GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Antes de seguir viagem vale a pena ir até a Laguna Garzon e passear por sua polêmica ponte (foto) que liga os Departamentos de Rocha e Maldonado. Dali seguimos para Garzon, que pode ser pelo Caminho Sainz Martinez ou pela Rota 9, ambas com pouco mais de 30 km. Escolhemos ir pelo Caminho Sainz Martinez, uma estrada rural e onde estavam localizadas duas das atrações que nos interessavam.

 

A ESTRADA RURAL

Foto: Ike Gevaerd

Ao longo do Caminho Sainz Martinez (foto) encontramos diversas propriedades rurais, sítios de veraneio e chácaras para alugar. É um percurso mais demorado, mas vale a pena para conhecer um pouco mais do interior daquela região.

 

AZEITE E OLIVEIRAS

Foto: Ike Gevaerd

Um motivo que nos fez optar por este trajeto foi a possibilidade de visitar um empreendimento onde se produz azeite de oliva (foto). A Agroland proporciona uma experiência especial para quem gosta do “ouro verde”. Além da arquitetura das construções, onde estão instalados equipamentos modernos para a sua produção e depois de conhecer e ter explanações sobre sua produção, uma degustação é proporcionada com o néctar das azeitonas ali colhidas. Necessário fazer reservas antes

 

BODEGA GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Uma das mais belas vinícolas que já conheci mundo afora (foto). Um tour por seus três setores de fermentação, nos faz entender porque os vinhos ali produzidos são em sua maioria excelentes. O milionário argentino Alejandro Bulgheroni, quando conheceu as Serras de Garzon, escolheu o local para ali desenvolver um sonho. O de criar uma das mais emblemáticas bodegas do Uruguai. 

 

INTERIOR VOLTADO A ENOGASTROMIA

Foto: Ike Gevaerd

No Balastro Wine Bar (foto) fizemos uma degustação de vinhos e azeites, no restaurante da bodega você pode optar por almoçar na grande varanda com vista para os vinhedos ou em seu belo interior degustando pratos da moderna culinária uruguaia, acompanhados de um bom vinho da casa, tudo sob acompanhamento de um chef orientado por Francis Mallmann. Reserve antes.

 

O EXTERIOR E SEUS VINHEDOS

Foto: Ike Gevaerd

Aulas de culinária, fazer o próprio blend com vinhos ali produzidos ou um chá da tarde são outras atividades que podem ser feitas na bodega. Avistar os vinhedos da grande varanda (foto), já é uma beleza, mas fazer um piquenique entre os parreirais e caminhar entre eles completam o dia. Imperdível esta visita, na que é considerada por muitos, a melhor vinícola do Novo Mundo.

 

CHEGANDO EM GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Saindo da bodega, passando por parreirais e plantações de oliveiras, seguimos pela estrada de barro (foto) que corta a serra em direção ao Pueblo Garzon que fica próximo. Na chegada ao vilarejo uma monumental escultura de Pablo Atchugarry, é um exemplo da reviravolta que está sofrendo aquela pequena localidade.

 

PUEBLO GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Fundada em 1892, com pouco mais de 200 habitantes hoje, Pueblo Garzon, que já teve mais de 2000 moradores quando existia um moinho que funcionou até o final dos anos 40 do século passado. Com o fim do moinho começou a decadência. Agora, com a chegada de pessoas empreendedoras que respeitam as tradições locais (foto), as coisas estão mudando para melhor.

 

MALLMANN

Foto: Ike Gevaerd

Francis Mallmann, o icônico cozinheiro argentino que tem empreendimentos em diversos locais bacanas da Argentina é uma dessas pessoas. Comprou propriedades que estavam abandonadas e quase em ruínas, transformando-as em estabelecimentos que primam pela qualidade e o bom gosto (foto), sempre respeitando as tradições e a população local, ensinando e gerando emprego e renda.

 

RESTAURANTE GARZON – POR FRANCIS MALLMANN

Foto: Ike Gevaerd

Uma parceria entre chef Francis Malmann e Bodegas Garzon, este restaurante é um dos locais mais visitados pelos que passeiam pelo litoral no entorno de Punta del Este. Produtos regionais e pescados da costa uruguaia são os principais ingredientes do menu. Os alimentos são preparados em forno a lenha e parrilla, e na cozinha trabalham jovens locais, que, além do ambiente (foto acima) e da excelente comida transformam o estabelecimento em uma escola de boas práticas culinárias  

 

HOTEL 

Foto: Ike Gevaerd

Localizado onde existiu o armazém geral de Pueblo Garzon nos tempos áureos do moinho, Mallmann o transformou num charmoso hotel de cinco habitações com vista para o belo jardim (foto) e praticamente ao lado do restaurante. O restaurante e o hotel tem preços salgados mas merecem ser frequentados por quem quer uma experiência diferente e única no interior do país vizinho.  

 

PARQUE DE ESCULTURAS NO PUEBLO

Foto: Ike Gevaerd

Um Parque de Esculturas é outro empreendimento que está contribuindo para fazer de Pueblo Garzon um destino turístico inteligente. Concebido pelo mundialmente reconhecido escultor Pablo Atchugarry, abriga no seu perímetro, esculturas de diversos artistas. Atrações como esta estão contribuindo para transformar antigas casas em pousadas de charme, galerias e outros empreendimentos que, além de dar vida ao pequeno povoado, mostram ser possível crescer sem destruir. A foto acima é do Parque de Esculturas de Atchugarry, que fica próximo a Punta del Este, pois o parque de Garzon seria inaugurado no final do ano. Outra visita imperdível.

 

POIS É

Foto: Ike Gevaerd

O relato acima mostra que destruir tradições, o meio ambiente e a história não é sinônimo de progresso. Mas por aqui poucos conseguem entender isto, vence a ganância. Pena. E sobre esculturas, pior ainda, em Balneário Camboriú retiraram esculturas de um parque alegando que ali não é local para obras de arte. Mentes curtas. Quase conseguimos, não é meu amigo escultor Jorge Schroeder? Mas vamos em frente.


 

Escrito por Ike Gevaerd, 02/07/2020 às 16h07 | ikegevaerd@terra.com.br



Ike Gevaerd

Assina a coluna Turiscope - Retratos de Viagens

Empresário, Diretor da Biosphera Empreendimentos Ambientais desde 1994, viajante, pesquisador autodidata de assuntos ligados a turismo e meio ambiente, conservacionista e ambientalista.














Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: [email protected]

Página 3

UMA PEQUENA ROTA ENOGASTRONÔMICA

Foto: Ike Gevaerd 

INICIA EM JOSÉ IGNÁCIO

Foto: Ike Gevaerd

Em abril de 2018 eu e Clarice resolvemos viajar pelo Uruguai de carro, viemos pela costa parando nas belas praias e pequenas baías desde o Chuí. Nosso primeiro destino foi José Ignácio, um pequeno balneário com pouco mais de 300 habitantes, que fica a 40km de Punta del Este.

 

JOSÉ IGNACIO

Foto: Ike Gevaerd

No verão muitos viajantes brasileiros e argentinos procuram José Ignácio, buscando um lugar mais tranquilo, longe da muvuca em que se transforma Punta. Praias (foto) compõe o cenário da pequena península que avança por 800m sobre o mar e tem o farol, inaugurado em 1877 como complemento da paisagem. Foi uma bela surpresa, mas se forem para lá fora do verão, encontrarão muitos dos seus bons restaurante e pousadas fechados. Confira antes.

 

AS CASAS DA PENÍNSULA

Foto: Ike Gevaerd

Numa caminhada pelo pequeno vilarejo, um destaque é a arquitetura das construções, uma atração pela sua contemporaneidade e bom gosto. No centrinho existe uma praça cercada por pousadas, bons bares e restaurantes para todos os gostos. No centro da praça tem um posto de informações turísticas cercado por um belo jardim. Dali iniciamos o passeio pelos pontos interessantes da península.

 

BELOS CAMINHOS LEVAM A GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Antes de seguir viagem vale a pena ir até a Laguna Garzon e passear por sua polêmica ponte (foto) que liga os Departamentos de Rocha e Maldonado. Dali seguimos para Garzon, que pode ser pelo Caminho Sainz Martinez ou pela Rota 9, ambas com pouco mais de 30 km. Escolhemos ir pelo Caminho Sainz Martinez, uma estrada rural e onde estavam localizadas duas das atrações que nos interessavam.

 

A ESTRADA RURAL

Foto: Ike Gevaerd

Ao longo do Caminho Sainz Martinez (foto) encontramos diversas propriedades rurais, sítios de veraneio e chácaras para alugar. É um percurso mais demorado, mas vale a pena para conhecer um pouco mais do interior daquela região.

 

AZEITE E OLIVEIRAS

Foto: Ike Gevaerd

Um motivo que nos fez optar por este trajeto foi a possibilidade de visitar um empreendimento onde se produz azeite de oliva (foto). A Agroland proporciona uma experiência especial para quem gosta do “ouro verde”. Além da arquitetura das construções, onde estão instalados equipamentos modernos para a sua produção e depois de conhecer e ter explanações sobre sua produção, uma degustação é proporcionada com o néctar das azeitonas ali colhidas. Necessário fazer reservas antes

 

BODEGA GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Uma das mais belas vinícolas que já conheci mundo afora (foto). Um tour por seus três setores de fermentação, nos faz entender porque os vinhos ali produzidos são em sua maioria excelentes. O milionário argentino Alejandro Bulgheroni, quando conheceu as Serras de Garzon, escolheu o local para ali desenvolver um sonho. O de criar uma das mais emblemáticas bodegas do Uruguai. 

 

INTERIOR VOLTADO A ENOGASTROMIA

Foto: Ike Gevaerd

No Balastro Wine Bar (foto) fizemos uma degustação de vinhos e azeites, no restaurante da bodega você pode optar por almoçar na grande varanda com vista para os vinhedos ou em seu belo interior degustando pratos da moderna culinária uruguaia, acompanhados de um bom vinho da casa, tudo sob acompanhamento de um chef orientado por Francis Mallmann. Reserve antes.

 

O EXTERIOR E SEUS VINHEDOS

Foto: Ike Gevaerd

Aulas de culinária, fazer o próprio blend com vinhos ali produzidos ou um chá da tarde são outras atividades que podem ser feitas na bodega. Avistar os vinhedos da grande varanda (foto), já é uma beleza, mas fazer um piquenique entre os parreirais e caminhar entre eles completam o dia. Imperdível esta visita, na que é considerada por muitos, a melhor vinícola do Novo Mundo.

 

CHEGANDO EM GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Saindo da bodega, passando por parreirais e plantações de oliveiras, seguimos pela estrada de barro (foto) que corta a serra em direção ao Pueblo Garzon que fica próximo. Na chegada ao vilarejo uma monumental escultura de Pablo Atchugarry, é um exemplo da reviravolta que está sofrendo aquela pequena localidade.

 

PUEBLO GARZON

Foto: Ike Gevaerd

Fundada em 1892, com pouco mais de 200 habitantes hoje, Pueblo Garzon, que já teve mais de 2000 moradores quando existia um moinho que funcionou até o final dos anos 40 do século passado. Com o fim do moinho começou a decadência. Agora, com a chegada de pessoas empreendedoras que respeitam as tradições locais (foto), as coisas estão mudando para melhor.

 

MALLMANN

Foto: Ike Gevaerd

Francis Mallmann, o icônico cozinheiro argentino que tem empreendimentos em diversos locais bacanas da Argentina é uma dessas pessoas. Comprou propriedades que estavam abandonadas e quase em ruínas, transformando-as em estabelecimentos que primam pela qualidade e o bom gosto (foto), sempre respeitando as tradições e a população local, ensinando e gerando emprego e renda.

 

RESTAURANTE GARZON – POR FRANCIS MALLMANN

Foto: Ike Gevaerd

Uma parceria entre chef Francis Malmann e Bodegas Garzon, este restaurante é um dos locais mais visitados pelos que passeiam pelo litoral no entorno de Punta del Este. Produtos regionais e pescados da costa uruguaia são os principais ingredientes do menu. Os alimentos são preparados em forno a lenha e parrilla, e na cozinha trabalham jovens locais, que, além do ambiente (foto acima) e da excelente comida transformam o estabelecimento em uma escola de boas práticas culinárias  

 

HOTEL 

Foto: Ike Gevaerd

Localizado onde existiu o armazém geral de Pueblo Garzon nos tempos áureos do moinho, Mallmann o transformou num charmoso hotel de cinco habitações com vista para o belo jardim (foto) e praticamente ao lado do restaurante. O restaurante e o hotel tem preços salgados mas merecem ser frequentados por quem quer uma experiência diferente e única no interior do país vizinho.  

 

PARQUE DE ESCULTURAS NO PUEBLO

Foto: Ike Gevaerd

Um Parque de Esculturas é outro empreendimento que está contribuindo para fazer de Pueblo Garzon um destino turístico inteligente. Concebido pelo mundialmente reconhecido escultor Pablo Atchugarry, abriga no seu perímetro, esculturas de diversos artistas. Atrações como esta estão contribuindo para transformar antigas casas em pousadas de charme, galerias e outros empreendimentos que, além de dar vida ao pequeno povoado, mostram ser possível crescer sem destruir. A foto acima é do Parque de Esculturas de Atchugarry, que fica próximo a Punta del Este, pois o parque de Garzon seria inaugurado no final do ano. Outra visita imperdível.

 

POIS É

Foto: Ike Gevaerd

O relato acima mostra que destruir tradições, o meio ambiente e a história não é sinônimo de progresso. Mas por aqui poucos conseguem entender isto, vence a ganância. Pena. E sobre esculturas, pior ainda, em Balneário Camboriú retiraram esculturas de um parque alegando que ali não é local para obras de arte. Mentes curtas. Quase conseguimos, não é meu amigo escultor Jorge Schroeder? Mas vamos em frente.


 

Escrito por Ike Gevaerd, 02/07/2020 às 16h07 | ikegevaerd@terra.com.br



Ike Gevaerd

Assina a coluna Turiscope - Retratos de Viagens

Empresário, Diretor da Biosphera Empreendimentos Ambientais desde 1994, viajante, pesquisador autodidata de assuntos ligados a turismo e meio ambiente, conservacionista e ambientalista.