Jornal Página 3
Coluna
Viagens & Turismo
Por Marcos Vinicios Pagelkopf

Uma atração gratuita para você em Balneário Camboriú.

Desde minha infância observo as tartarugas no canto da praia, como era conhecido o Pontal Norte aqui em Balneário Camboriú. Tenho lembranças da década de 70 quando pescava e pegava siri na lagoa, que hoje infelizmente poluída, virou um canal. O incrível é que elas, as Cabeçudas, como são conhecidas entre os pescadores, continuam lá e nessa semana levei aos olhos do poder público a necessidade de preservar esse santuário ecológico que temos ali no Pontal Norte.

Para isso convidei o Vereador Patrick Machado, a bibliotecária Lias Manacho, o historiador Isaque Correa, uma geóloga e alguns assessores da Câmara dos Vereadores juntamente com um grupo de alunos da rede Municipal para visualizar tartarugas Marinhas a menos de 10 metros de distância.

Como sempre, com um pouco de paciência, foi possível vê-las, alguns turistas que passavam naquele momento ficaram maravilhados com o número de tartarugas, visualizamos mais de 15 animais, foi espetacular.

Estamos programando uma apresentação também aos profissionais do turismo, não conheço outro lugar que você possa ver tartarugas marinhas em habitat natural sem precisar estar embarcado, elas são avistadas da saída do canal do Marambaia até na ponta da Prainha.

Quando você estiver caminhando no Pontal Norte pare por uns minutos, observe na crista da água que vais ter uma bela surpresa, é um show gratuito que a natureza tem a nos oferecer, onde o ingresso é a nossa conscientização.

Venham conhecer.

Venha viver Santa Catarina e seus encantos.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 26/10/2018 às 13h03 | mvpagelkopf@gmail.com

Foi dado mais um passo no Caminho de Santa Paulina.

Na semana passada foi oficializado o circuito junto a Câmera do Deputados Estaduais e aceito por unanimidade.

Agora estamos ampliando o roteiro incluindo onde dormir, o que ver, onde comer e o que fazer antes e depois de completar o Caminho que inicia em Balneário Camboriú com seu termino no Santuário de Santa Paulina na cidade de Nova Trento, são 64 km de muitas emoções e encantos, passando por seis cidades.

Para quem quer fazer o caminho e não tem disposição física para ir andando tem a possibilidade de contratar um carro de apoio para acompanha-lo até o final do percurso.

São diversas propriedades atendendo os peregrinos, tem 32 placas orientando no percurso, entre os equipamentos que estão atendendo tem uma pousada fazenda, três pousadas rural, um restaurante e três propriedades que atende com acolhida.

O verão está se aproximando e com ele uma leva de turistas vem visitar Santa Catarina, e o Caminho de Santa Paulina é uma ótima atração para oferecer todos os dias.

Em dias nublados ou até mesmo com chuva torna-se um roteiro espetacular, pois tem turismo em ambiente rural onde os proprietários atendem abrindo suas portas oferecendo o que eles produzem ou simplesmente oferecendo um copo d'água ou um cafezinho a beira de um fogão a lenha ou em um galpão.

Há também a oportunidade de adquirir pães caseiros, salaminhos, queijos, linguiças, feijão, tudo quanto é tipo de frutas da época, vinhos, licores, chocolates e confecções, além dos produtos coloniais.

No lado cultural a região é tomada por descendentes de imigrantes italianos, para quem não sabe a região de São João Batista foi uma das primeiras a ser povoada por italianos em solo catarinense.

Tem dois percursos do trajeto que está inserido na mata atlântica, montanhas, trilhas, reservas ecológicas, cachoeiras e pomares repletos de frutas que proporcionam momentos únicos junto a natureza.

A gastronomia é outra atração desse passeio, os restaurantes, cantinas e casas de acolhida oferecem um cardápio onde os sabores já valem a visita.

Esse é um tesouro turístico que temos a oferecer como novidade nessa temporada. Logo será disponibilizado um quadriciclo com reboque para acompanhar os peregrinos.

Informações para você viver momentos de experiências e emoções nesse caminho que é um show, entre em contato inbox ou pelo whats 47 99274 7660.

E seja bem-vindo.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 19/09/2018 às 10h35 | mvpagelkopf@gmail.com

Sabor e Alegria no Caminho de Santa Paulina

Todos vocês que acompanham minhas postagens sabem que estamos há dois anos formando o circuito turístico Caminhos de Santa Paulina via Caetés e nessa semana levei um grupo de amigos para conhecer a nova atração. Mais uma propriedade abre as portas para atender os visitantes e peregrinos que passam pelo roteiro que liga Camboriú com Nova Trento.

Primeiro fomos respirar o ar puro na reserva ecológica do seu Garcia em meio a mata Atlântica no Bairro dos Macacos, onde está uma das nascentes do rio Camboriú, o almoço foi servido em um dos restaurantes que tem a originalidade do turismo rural como referência e indico sempre a quem vem conhecer Camboriú, é o Califas Comida Caseira, onde o atendimento, o ambiente juntamente com as delicias caseiras e os artesanatos da Buna fazem do lugar uma atração única. Esse é realmente turismo em ambiente rural.

A principio era para irmos conhecer somente a propriedade do senhor Celso e da dona Lene nos Caetês, estava programado o café de boas vindas, mas acabamos prestigiando os Califas e também visitamos a fazenda Caetês pois todos são vizinhos. É um passeio cheio de atrações, em um percurso de 27 km saindo de Balneário Camboriú você irá viver essa emoções, tudo muito próximo é muito show. E Dona Lene não deixou a desejar, o café foi servido e muito elogiado, são os sabores da roça o carro chefe dessa propriedade, no momento ela e o senhor Celso irão atender somente aos sábados e domingos com reservas até conseguirem manter um padrão de atendimento semanal ou diário.

Se você pretende conhecer, no dia 29 de setembro iremos fazer o trajeto da Casa Paroquial até os Caetés, iremos almoçar no Califas e tomar café da tarde com dona Lene, e desta vez andaremos de carro de Boi, assim prometeu o senhor Celso.

Informações para viver essas experiências pelo e-mail euqueroirnessa@gmail.com ou pelo whatsaap 047 992747660.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 04/09/2018 às 17h42 | mvpagelkopf@gmail.com

Conhecendo Balneário Camboriú

Essa semana subi o morro do Gavião que dá acesso ao Pico da Teta, na divisa do bairro das Nações com a BR 101 e com o bairro dos Estados. Um dos lugares onde pode-se observar o tamanho e a imponência que está a cidade de Balneário Camboriú.

Desse ponto se avista a cidade vizinha Camboriú e todas as cordilheiras de montanhas que separam o litoral do Vale do Itajaí e do oceano atlântico e também as pontas dos edifícios que estão surgindo na praia Brava em Itajaí.

Na década de 80 subi esse morro em busca de aventura e diversão, hoje depois de mais de 30 anos, ver a transformação que a cidade passou, me impressionou pois antes só se avistava casas e terrenos cobertos por capoeiras.

Estando lá me veio uma lembrança, uma vista da terra amarela que iniciava no bairro das nações e ia até a estrada da rainha, ver essa real transformação urbana mexe com as emoções de quem nasceu aqui como me relatou o Isaque, conforme suas palavras "estamos passando pela fralda do morro que avistei por toda minha vida e agora depois de 58 anos estou finalmente colocando meus pé arriba dele".

São várias as trilhas que levam ao topo do morro, tem uma perto do fórum e outras na BR 101, no Cristo Luz e no bairro das Nações que é por onde fomos e onde se tem um panorama praticamente total da cidade, essa é por propriedade particular, somente com autorização para subir, as demais aconselho o acompanhamento de um guia ou condutor ambiental, pois sempre que escolher essa modalidade de esporte a segurança vem em primeiro lugar.

Nesse caminhada convidei o historiador Isaque de Borba Correa, o jornalista e professor Magru Floriano, dois guias de turismo e um morador nativo do local.

O professor e o Isaque estão buscando as antigas estradas que ligam o litoral com o interior do estado. Esse é um outro fator impressionante dessa trilha, 70% dela passa em uma estrada desativada provavelmente usada para tirar madeiras, pois encontramos árvores de grande porte, algumas das maiores árvores que já avistamos em toda a região estão no bairro das Nações.

Encontramos também tucanos, pica-pau, gralha azul, aracuã, esquilos e muitas aves que ouvimos seus cantos como a quase extinta araponga que nos chamou muito a atenção, entre as plantas encontramos orquídeas e bromélias, um paraíso tropical escondido entre o morro e o mar.

 Dia 04 iremos voltar para fazer mais registros das trilhas e do visual impressionante que tem nesse belvedere natural aqui ao lado de casa, iremos em 15 participantes e um guia.

Se você quiser conhecer e obter mais informações meu e-mail mvpagelkopf@gmail.com ou no blog euqueroirnessa.com.
Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 25/07/2018 às 17h49 | mvpagelkopf@gmail.com

As surpresas do Vale Europeu

Olá meus amigos.

Cada vez que visito o Vale Europeu tenho uma surpresa diferente.


Esse roteiro que irei apresentar tem algo especial que é proporcionado pelo contato que busco apresentar a meus seguidores, o contato com famílias que abrem suas casas para atender turistas como se fossem amigos ou até mesmo um familiar.

Nessa visita fui conhecer uma família que atende como acolhida na cidade de Benedito Novo, o lugar pertencia ao Opa, assim me relatou Harley Steuck, filho da proprietária dona Darci, uma pessoa espetacular, de um carisma que somente convivendo com ela para entender, além de ter uma ótima mão para cozinha e muito bom gosto no apresentar, é indescritível.

A casa que hoje acolhe os visitantes tem 4 quartos que são de casal, um único e grande banheiro, você se sentirá na casa dos seus avós. São experiências como essa que gosto de apresentar, lugar agradável mantido com capricho e com carinho.

Vejam bem, essa proposta de hospedagem é acolhida, diferente de pousadas ou hotéis, mas garanto que irão marcar sua visita.

A propriedade é rodeada por um riacho que ao fundo tem várias piscinas naturais com pequenas cachoeiras, o Harley tem o maior prazer em mostrar o que tem de especial no Recanto.

Para quem se hospedar no Recanto Grunenberg, a acolhida oferece pernoite com jantar e café da manhã, tudo servido pela família, os produtos são derivados da horta ou dos produtores rurais vizinhos e amigos da família.

Nessa visita em Benedito Novo a nossa guia foi dona Darci, que se propôs a mostrar na integra o que tem de especial em Benedito Novo, ou parte dos atrativos da cidade sem sinaleiras.

Um dos pontos que marcou essa visita foi conhecer o proprietário do carro movido à lenha, o senhor Schmidt, que junto com seu pai hoje com mais de 90 anos construiu esse carro com peças da 2° Guerra Mundial de uma época que não havia combustível e usavam o sistema de gasogênio. Funciona à lenha. Os gases oriundos da queima da lenha impulsionam o motor, um show, ele é tão amigável que nos convidou para darmos uma voltinha, mas o tempo era corrido e somente vimos ele funcionar, mas eu prometi voltar e sentir esse seis cilindros movido à fumaça.

São contatos assim que fazem do Vale Europeu um lugar único em Santa Catarina.

Foto: Margareth Migliorini

A próxima parada foi na cachoeira Salto Donner e no Complexo da Cachoeira Paulista. Alí você terá outra surpresa se seguir esse roteiro, o proprietário senhor Ademir Tonolli construiu um lugar que tem estrutura para Day Use com vista para duas lindas cachoeiras, duas casas de campo para alugar, lagos e área para camping e pic nic.

O complexo da cachoeira Paulista cobra uma taxa de entrada de R$ 10,00 onde tem trilhas ecológicas, lagos para pesca, pedalinhos, banheiros, lanchonete e restaurante que serve nos fins de semana refeições e lanches, um lugar espetacular. Logo será reaberta a Tirolesa que é outra atração na cachoeira Paulista, minha sugestão é colocar em seu roteiro na visita ao Vale.


Sugiro que todos que virem conhecer o Vale Europeu almocem no Recanto da Oma, o lugar é mágico, parece que saiu realmente de um conto de fadas, o relato da Oma é uma experiência de vida marcante. Nessa viajem fomos de 4x4 com chopp car nos acompanhando, mas você não necessita desse apoio, pois o Vale Europeu é o Vale das Cervejarias e boas estradas.

A dica é hospedar-se com a família do Recanto Grunenberg e viver momentos agradáveis na cachoeira Paulista com os sabores da Casa da Oma. Venha sentir emoções, sabores e alegria num lugar que deixa qualquer um com saudades de voltar. Esse roteiro é somente uma pequena parte do que tem em Santa Catarina.

Venha conhecer.

Informações de contatos para reservas deste roteiro:  euqueroirnessa.com

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 27/06/2018 às 14h56 | mvpagelkopf@gmail.com

Atrações na Serra Catarinense

Outro dia retornei a Urubici para dar continuidade ao reconhecimento dos roteiros de inverno que Santa Catarina tem a oferecer. Fomos recepcionados pelo proprietário do Park Hotel Urubici, sr. Wirto Schaeffer e pelos guias Sérgio e Rafael. Essa visita foi para fazer a matéria sobre os novos atrativos que tem na região da serra catarinense.

A intenção era conhecer as tocas das preguiças gigantes, inscrições rupestres, trilhas e mirantes onde os acessos são feitos somente com os carros 4x4, mas para nossa surpresa encontramos um roteiro montado por esses guias entusiasmados pela história e pelo lugar, eles nos apresentaram um conjunto de atrações em ambiente cultural, rural, ecológico e gastronômico, um roteiro muito bem apresentado inclusive com temática da principal atração que nos remete aos tempos dos Templários.

Outro ponto que me chamou a atenção, além da história, foram as mais de 230 pequenas pousadas que oferecem conforto e bem estar a quem visita a cidade, nossa intenção é ver como funcionam as hospedagens, gastronomia e o turismo como um todo na Serra e em Urubici.

Quem nos mostrou esse roteiro foram Rafael e Sérgio, eles conhecem como a palma da mão as trilhas e simbologias registradas nos paredões e grutas que comprovam a estada de vários exploradores.

Os registros tem uma linha de símbolos com evidências que os Templários passaram por essa região e as pesquisas começaram na década de 70 com José Gomes da Silva geólogo contratado pela Votorantin e Angelina Santini escritora.

Conforme o guia Rafael "a partir de 1998 foram retornadas às pesquisas em busca de vestígios que os templários passaram nessa região, em 2010 descobrimos provas cabais em documentários do history , em 2017 tivemos acesso ao manuscrito do José Gomes e da escritora Angelina Santini . Desde então fizemos uma conferência entre os membros do grupo, expedições templárias com a participação de grande importância da escritora Angelina Santini."

Conta ele que essas marcações em forma de simbologias tem significados com dupla interpretação, que estão preservadas e muito bem visíveis como a Máscara do Guardião, o Cálice de Vinho, as Pirâmides e as Figuras de Três Pontas, entre outras formas geométricas. Essas imagens nos fazem imaginar qual objetivo dessas escritas estarem ali. (A trilha que leva as inscrições rupestres está em manutenção, para quem quiser conhecer deverá entrar em contato com um guia especializado e cadastrado pelo Cadastur e pelo ICMBIO).

No segundo dia após um delicioso café da manhã servido no Park Hotel sentimos realmente o clima delicioso da serra, -1 grau, esse frio gostoso é o atrativo principal dos visitantes.
Após o café fomos conhecer o mirante onde as nuvens ficam a nossos pés, ali você consegue ver Urubici e seus conjuntos de montanhas por cima.

Esse roteiro tem como principal atrativo esses pontos das inscrições com parada no complexo Avencal onde tem mirantes, tirolesa e cavalgada. Almoçamos no restaurante Morro da Igreja administrado pela dona Marilene e seu marido Ezio da Silva, que servem uma deliciosa comida caseira ao estilo da serra. 
Após o almoço, retornamos pela Serra do Corvo Branco, onde está a maior abertura em rocha Brasil. As formações rochosas transmitem uma energia que somente estando lá para saber.

Pela segunda vez desço essa serra caminhando, mas agora com orientações e conteúdo histórico passado pelos guias, que nos mostraram a chaminé do vulcão inativo que causou essas formações, um fóssil petrificado e as divisões das águas e das rochas. E para fechar com chave de ouro visitamos um alambique ao pé da serra, a proprietária é neta do primeiro imigrante que foi um dos desbravadores dessa região.

Você pode subir a serra pela SC 282 e visitar Taquaras em Rancho Queimado, Alfredo Wagner e Urubici ou pela Serra do Rio do Rastro que é outra atração espetacular.

O que vimos e sentimos em Urubici irá marcar a sua visita. História, ecologia, gastronomia e muitas emoções te aguardam nesse roteiro.

Programe-se e venha conhecer Santa Catarina.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 15/06/2018 às 17h29 | mvpagelkopf@gmail.com



1 2 3 4 5 6

Marcos Vinicios Pagelkopf

Assina a coluna Viagens & Turismo

Trabalho com turismo desde 1985, já fui agente de viagens, promotor de vendas de atrativos turísticos, professor de curso de recepção municipal e de guia de turismo da Univali, consultor, palestrante e idealizador de ações como a primeira comemoração do Dia Mundial do Turismo no Brasil.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Viagens & Turismo
Por Marcos Vinicios Pagelkopf

Uma atração gratuita para você em Balneário Camboriú.

Desde minha infância observo as tartarugas no canto da praia, como era conhecido o Pontal Norte aqui em Balneário Camboriú. Tenho lembranças da década de 70 quando pescava e pegava siri na lagoa, que hoje infelizmente poluída, virou um canal. O incrível é que elas, as Cabeçudas, como são conhecidas entre os pescadores, continuam lá e nessa semana levei aos olhos do poder público a necessidade de preservar esse santuário ecológico que temos ali no Pontal Norte.

Para isso convidei o Vereador Patrick Machado, a bibliotecária Lias Manacho, o historiador Isaque Correa, uma geóloga e alguns assessores da Câmara dos Vereadores juntamente com um grupo de alunos da rede Municipal para visualizar tartarugas Marinhas a menos de 10 metros de distância.

Como sempre, com um pouco de paciência, foi possível vê-las, alguns turistas que passavam naquele momento ficaram maravilhados com o número de tartarugas, visualizamos mais de 15 animais, foi espetacular.

Estamos programando uma apresentação também aos profissionais do turismo, não conheço outro lugar que você possa ver tartarugas marinhas em habitat natural sem precisar estar embarcado, elas são avistadas da saída do canal do Marambaia até na ponta da Prainha.

Quando você estiver caminhando no Pontal Norte pare por uns minutos, observe na crista da água que vais ter uma bela surpresa, é um show gratuito que a natureza tem a nos oferecer, onde o ingresso é a nossa conscientização.

Venham conhecer.

Venha viver Santa Catarina e seus encantos.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 26/10/2018 às 13h03 | mvpagelkopf@gmail.com

Foi dado mais um passo no Caminho de Santa Paulina.

Na semana passada foi oficializado o circuito junto a Câmera do Deputados Estaduais e aceito por unanimidade.

Agora estamos ampliando o roteiro incluindo onde dormir, o que ver, onde comer e o que fazer antes e depois de completar o Caminho que inicia em Balneário Camboriú com seu termino no Santuário de Santa Paulina na cidade de Nova Trento, são 64 km de muitas emoções e encantos, passando por seis cidades.

Para quem quer fazer o caminho e não tem disposição física para ir andando tem a possibilidade de contratar um carro de apoio para acompanha-lo até o final do percurso.

São diversas propriedades atendendo os peregrinos, tem 32 placas orientando no percurso, entre os equipamentos que estão atendendo tem uma pousada fazenda, três pousadas rural, um restaurante e três propriedades que atende com acolhida.

O verão está se aproximando e com ele uma leva de turistas vem visitar Santa Catarina, e o Caminho de Santa Paulina é uma ótima atração para oferecer todos os dias.

Em dias nublados ou até mesmo com chuva torna-se um roteiro espetacular, pois tem turismo em ambiente rural onde os proprietários atendem abrindo suas portas oferecendo o que eles produzem ou simplesmente oferecendo um copo d'água ou um cafezinho a beira de um fogão a lenha ou em um galpão.

Há também a oportunidade de adquirir pães caseiros, salaminhos, queijos, linguiças, feijão, tudo quanto é tipo de frutas da época, vinhos, licores, chocolates e confecções, além dos produtos coloniais.

No lado cultural a região é tomada por descendentes de imigrantes italianos, para quem não sabe a região de São João Batista foi uma das primeiras a ser povoada por italianos em solo catarinense.

Tem dois percursos do trajeto que está inserido na mata atlântica, montanhas, trilhas, reservas ecológicas, cachoeiras e pomares repletos de frutas que proporcionam momentos únicos junto a natureza.

A gastronomia é outra atração desse passeio, os restaurantes, cantinas e casas de acolhida oferecem um cardápio onde os sabores já valem a visita.

Esse é um tesouro turístico que temos a oferecer como novidade nessa temporada. Logo será disponibilizado um quadriciclo com reboque para acompanhar os peregrinos.

Informações para você viver momentos de experiências e emoções nesse caminho que é um show, entre em contato inbox ou pelo whats 47 99274 7660.

E seja bem-vindo.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 19/09/2018 às 10h35 | mvpagelkopf@gmail.com

Sabor e Alegria no Caminho de Santa Paulina

Todos vocês que acompanham minhas postagens sabem que estamos há dois anos formando o circuito turístico Caminhos de Santa Paulina via Caetés e nessa semana levei um grupo de amigos para conhecer a nova atração. Mais uma propriedade abre as portas para atender os visitantes e peregrinos que passam pelo roteiro que liga Camboriú com Nova Trento.

Primeiro fomos respirar o ar puro na reserva ecológica do seu Garcia em meio a mata Atlântica no Bairro dos Macacos, onde está uma das nascentes do rio Camboriú, o almoço foi servido em um dos restaurantes que tem a originalidade do turismo rural como referência e indico sempre a quem vem conhecer Camboriú, é o Califas Comida Caseira, onde o atendimento, o ambiente juntamente com as delicias caseiras e os artesanatos da Buna fazem do lugar uma atração única. Esse é realmente turismo em ambiente rural.

A principio era para irmos conhecer somente a propriedade do senhor Celso e da dona Lene nos Caetês, estava programado o café de boas vindas, mas acabamos prestigiando os Califas e também visitamos a fazenda Caetês pois todos são vizinhos. É um passeio cheio de atrações, em um percurso de 27 km saindo de Balneário Camboriú você irá viver essa emoções, tudo muito próximo é muito show. E Dona Lene não deixou a desejar, o café foi servido e muito elogiado, são os sabores da roça o carro chefe dessa propriedade, no momento ela e o senhor Celso irão atender somente aos sábados e domingos com reservas até conseguirem manter um padrão de atendimento semanal ou diário.

Se você pretende conhecer, no dia 29 de setembro iremos fazer o trajeto da Casa Paroquial até os Caetés, iremos almoçar no Califas e tomar café da tarde com dona Lene, e desta vez andaremos de carro de Boi, assim prometeu o senhor Celso.

Informações para viver essas experiências pelo e-mail euqueroirnessa@gmail.com ou pelo whatsaap 047 992747660.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 04/09/2018 às 17h42 | mvpagelkopf@gmail.com

Conhecendo Balneário Camboriú

Essa semana subi o morro do Gavião que dá acesso ao Pico da Teta, na divisa do bairro das Nações com a BR 101 e com o bairro dos Estados. Um dos lugares onde pode-se observar o tamanho e a imponência que está a cidade de Balneário Camboriú.

Desse ponto se avista a cidade vizinha Camboriú e todas as cordilheiras de montanhas que separam o litoral do Vale do Itajaí e do oceano atlântico e também as pontas dos edifícios que estão surgindo na praia Brava em Itajaí.

Na década de 80 subi esse morro em busca de aventura e diversão, hoje depois de mais de 30 anos, ver a transformação que a cidade passou, me impressionou pois antes só se avistava casas e terrenos cobertos por capoeiras.

Estando lá me veio uma lembrança, uma vista da terra amarela que iniciava no bairro das nações e ia até a estrada da rainha, ver essa real transformação urbana mexe com as emoções de quem nasceu aqui como me relatou o Isaque, conforme suas palavras "estamos passando pela fralda do morro que avistei por toda minha vida e agora depois de 58 anos estou finalmente colocando meus pé arriba dele".

São várias as trilhas que levam ao topo do morro, tem uma perto do fórum e outras na BR 101, no Cristo Luz e no bairro das Nações que é por onde fomos e onde se tem um panorama praticamente total da cidade, essa é por propriedade particular, somente com autorização para subir, as demais aconselho o acompanhamento de um guia ou condutor ambiental, pois sempre que escolher essa modalidade de esporte a segurança vem em primeiro lugar.

Nesse caminhada convidei o historiador Isaque de Borba Correa, o jornalista e professor Magru Floriano, dois guias de turismo e um morador nativo do local.

O professor e o Isaque estão buscando as antigas estradas que ligam o litoral com o interior do estado. Esse é um outro fator impressionante dessa trilha, 70% dela passa em uma estrada desativada provavelmente usada para tirar madeiras, pois encontramos árvores de grande porte, algumas das maiores árvores que já avistamos em toda a região estão no bairro das Nações.

Encontramos também tucanos, pica-pau, gralha azul, aracuã, esquilos e muitas aves que ouvimos seus cantos como a quase extinta araponga que nos chamou muito a atenção, entre as plantas encontramos orquídeas e bromélias, um paraíso tropical escondido entre o morro e o mar.

 Dia 04 iremos voltar para fazer mais registros das trilhas e do visual impressionante que tem nesse belvedere natural aqui ao lado de casa, iremos em 15 participantes e um guia.

Se você quiser conhecer e obter mais informações meu e-mail mvpagelkopf@gmail.com ou no blog euqueroirnessa.com.
Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 25/07/2018 às 17h49 | mvpagelkopf@gmail.com

As surpresas do Vale Europeu

Olá meus amigos.

Cada vez que visito o Vale Europeu tenho uma surpresa diferente.


Esse roteiro que irei apresentar tem algo especial que é proporcionado pelo contato que busco apresentar a meus seguidores, o contato com famílias que abrem suas casas para atender turistas como se fossem amigos ou até mesmo um familiar.

Nessa visita fui conhecer uma família que atende como acolhida na cidade de Benedito Novo, o lugar pertencia ao Opa, assim me relatou Harley Steuck, filho da proprietária dona Darci, uma pessoa espetacular, de um carisma que somente convivendo com ela para entender, além de ter uma ótima mão para cozinha e muito bom gosto no apresentar, é indescritível.

A casa que hoje acolhe os visitantes tem 4 quartos que são de casal, um único e grande banheiro, você se sentirá na casa dos seus avós. São experiências como essa que gosto de apresentar, lugar agradável mantido com capricho e com carinho.

Vejam bem, essa proposta de hospedagem é acolhida, diferente de pousadas ou hotéis, mas garanto que irão marcar sua visita.

A propriedade é rodeada por um riacho que ao fundo tem várias piscinas naturais com pequenas cachoeiras, o Harley tem o maior prazer em mostrar o que tem de especial no Recanto.

Para quem se hospedar no Recanto Grunenberg, a acolhida oferece pernoite com jantar e café da manhã, tudo servido pela família, os produtos são derivados da horta ou dos produtores rurais vizinhos e amigos da família.

Nessa visita em Benedito Novo a nossa guia foi dona Darci, que se propôs a mostrar na integra o que tem de especial em Benedito Novo, ou parte dos atrativos da cidade sem sinaleiras.

Um dos pontos que marcou essa visita foi conhecer o proprietário do carro movido à lenha, o senhor Schmidt, que junto com seu pai hoje com mais de 90 anos construiu esse carro com peças da 2° Guerra Mundial de uma época que não havia combustível e usavam o sistema de gasogênio. Funciona à lenha. Os gases oriundos da queima da lenha impulsionam o motor, um show, ele é tão amigável que nos convidou para darmos uma voltinha, mas o tempo era corrido e somente vimos ele funcionar, mas eu prometi voltar e sentir esse seis cilindros movido à fumaça.

São contatos assim que fazem do Vale Europeu um lugar único em Santa Catarina.

Foto: Margareth Migliorini

A próxima parada foi na cachoeira Salto Donner e no Complexo da Cachoeira Paulista. Alí você terá outra surpresa se seguir esse roteiro, o proprietário senhor Ademir Tonolli construiu um lugar que tem estrutura para Day Use com vista para duas lindas cachoeiras, duas casas de campo para alugar, lagos e área para camping e pic nic.

O complexo da cachoeira Paulista cobra uma taxa de entrada de R$ 10,00 onde tem trilhas ecológicas, lagos para pesca, pedalinhos, banheiros, lanchonete e restaurante que serve nos fins de semana refeições e lanches, um lugar espetacular. Logo será reaberta a Tirolesa que é outra atração na cachoeira Paulista, minha sugestão é colocar em seu roteiro na visita ao Vale.


Sugiro que todos que virem conhecer o Vale Europeu almocem no Recanto da Oma, o lugar é mágico, parece que saiu realmente de um conto de fadas, o relato da Oma é uma experiência de vida marcante. Nessa viajem fomos de 4x4 com chopp car nos acompanhando, mas você não necessita desse apoio, pois o Vale Europeu é o Vale das Cervejarias e boas estradas.

A dica é hospedar-se com a família do Recanto Grunenberg e viver momentos agradáveis na cachoeira Paulista com os sabores da Casa da Oma. Venha sentir emoções, sabores e alegria num lugar que deixa qualquer um com saudades de voltar. Esse roteiro é somente uma pequena parte do que tem em Santa Catarina.

Venha conhecer.

Informações de contatos para reservas deste roteiro:  euqueroirnessa.com

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 27/06/2018 às 14h56 | mvpagelkopf@gmail.com

Atrações na Serra Catarinense

Outro dia retornei a Urubici para dar continuidade ao reconhecimento dos roteiros de inverno que Santa Catarina tem a oferecer. Fomos recepcionados pelo proprietário do Park Hotel Urubici, sr. Wirto Schaeffer e pelos guias Sérgio e Rafael. Essa visita foi para fazer a matéria sobre os novos atrativos que tem na região da serra catarinense.

A intenção era conhecer as tocas das preguiças gigantes, inscrições rupestres, trilhas e mirantes onde os acessos são feitos somente com os carros 4x4, mas para nossa surpresa encontramos um roteiro montado por esses guias entusiasmados pela história e pelo lugar, eles nos apresentaram um conjunto de atrações em ambiente cultural, rural, ecológico e gastronômico, um roteiro muito bem apresentado inclusive com temática da principal atração que nos remete aos tempos dos Templários.

Outro ponto que me chamou a atenção, além da história, foram as mais de 230 pequenas pousadas que oferecem conforto e bem estar a quem visita a cidade, nossa intenção é ver como funcionam as hospedagens, gastronomia e o turismo como um todo na Serra e em Urubici.

Quem nos mostrou esse roteiro foram Rafael e Sérgio, eles conhecem como a palma da mão as trilhas e simbologias registradas nos paredões e grutas que comprovam a estada de vários exploradores.

Os registros tem uma linha de símbolos com evidências que os Templários passaram por essa região e as pesquisas começaram na década de 70 com José Gomes da Silva geólogo contratado pela Votorantin e Angelina Santini escritora.

Conforme o guia Rafael "a partir de 1998 foram retornadas às pesquisas em busca de vestígios que os templários passaram nessa região, em 2010 descobrimos provas cabais em documentários do history , em 2017 tivemos acesso ao manuscrito do José Gomes e da escritora Angelina Santini . Desde então fizemos uma conferência entre os membros do grupo, expedições templárias com a participação de grande importância da escritora Angelina Santini."

Conta ele que essas marcações em forma de simbologias tem significados com dupla interpretação, que estão preservadas e muito bem visíveis como a Máscara do Guardião, o Cálice de Vinho, as Pirâmides e as Figuras de Três Pontas, entre outras formas geométricas. Essas imagens nos fazem imaginar qual objetivo dessas escritas estarem ali. (A trilha que leva as inscrições rupestres está em manutenção, para quem quiser conhecer deverá entrar em contato com um guia especializado e cadastrado pelo Cadastur e pelo ICMBIO).

No segundo dia após um delicioso café da manhã servido no Park Hotel sentimos realmente o clima delicioso da serra, -1 grau, esse frio gostoso é o atrativo principal dos visitantes.
Após o café fomos conhecer o mirante onde as nuvens ficam a nossos pés, ali você consegue ver Urubici e seus conjuntos de montanhas por cima.

Esse roteiro tem como principal atrativo esses pontos das inscrições com parada no complexo Avencal onde tem mirantes, tirolesa e cavalgada. Almoçamos no restaurante Morro da Igreja administrado pela dona Marilene e seu marido Ezio da Silva, que servem uma deliciosa comida caseira ao estilo da serra. 
Após o almoço, retornamos pela Serra do Corvo Branco, onde está a maior abertura em rocha Brasil. As formações rochosas transmitem uma energia que somente estando lá para saber.

Pela segunda vez desço essa serra caminhando, mas agora com orientações e conteúdo histórico passado pelos guias, que nos mostraram a chaminé do vulcão inativo que causou essas formações, um fóssil petrificado e as divisões das águas e das rochas. E para fechar com chave de ouro visitamos um alambique ao pé da serra, a proprietária é neta do primeiro imigrante que foi um dos desbravadores dessa região.

Você pode subir a serra pela SC 282 e visitar Taquaras em Rancho Queimado, Alfredo Wagner e Urubici ou pela Serra do Rio do Rastro que é outra atração espetacular.

O que vimos e sentimos em Urubici irá marcar a sua visita. História, ecologia, gastronomia e muitas emoções te aguardam nesse roteiro.

Programe-se e venha conhecer Santa Catarina.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 15/06/2018 às 17h29 | mvpagelkopf@gmail.com



1 2 3 4 5 6

Marcos Vinicios Pagelkopf

Assina a coluna Viagens & Turismo

Trabalho com turismo desde 1985, já fui agente de viagens, promotor de vendas de atrativos turísticos, professor de curso de recepção municipal e de guia de turismo da Univali, consultor, palestrante e idealizador de ações como a primeira comemoração do Dia Mundial do Turismo no Brasil.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade