Jornal Página 3
Coluna
Viagens & Turismo
Por Marcos Vinicios Pagelkopf

Dois anos do Circuito Caminho de Santa Paulina

Olá amigos.

Vou tentar esclarecer alguns pontos sobre o Caminhos de Santa Paulina que completou mais um ano com resultados surpreendentes, são dois anos desde a criação do circuito e a pouco tempo atrás o governo oficializou como rota turística religiosa. 


Nos dias 4 e 5 levei um grupo de 15 participantes para caminharmos em comemoração ao aniversário do roteiro, o reflexo nos depoimentos e a alegria no semblante dos participantes deixou aquele gostinho de "queria ter participado", e muitas pessoas me perguntaram porque não publiquei ou convidei antes, "agora só nos dá água na boca", esses comentários estão nas minhas redes sociais e na do Isaque também. A resposta é simples, tem caminhada todos os dias, é turismo e por isso tem limitações referente ao atendimento nas pousadas e nas casas que atendem os visitantes e não é exclusivo a uma peregrinação anual. Quem quer fazer a peregrinação anual tem a caminhada que sai de Itajaí, passa por Camboriú, Brusque e chega a Nova Trento com aproximadamente 300 ou mais participantes, é legal, mas não é a mesma via Caetés que é onde formamos o Circuito.

 

O Caminhos de Santa Paulina é um circuito auto guiado e tem dezenas de famílias preparadas para atender os visitantes, turistas e também peregrinos, inicia em Camboriú pelo motivo da santa, quando freira, ter vindo participar da festa do divino em Camboriú e passa por Tijucas, Canelinha, São João Batista, chegando a Nova Trento. A diferença é que nesse caminho o maior sacrifício não é a caminhada dos 64 km, mas sim resistir a boa comida como também se conter no exageros dos bons vinhos e ao sossego, pois o lugar tem um pequeno paraíso escondido em cada propriedade.

Esse roteiro foi criado para que os visitantes sintam a cultura portuguesa em Camboriú e a Italiana nas cidades de Canelinha, São João Batista e Nova Trento. No quesito histórico passou nesse roteiro figuras ilustres do Império e do Governo bem antes da madre caminhar, assim relata o historiador do caminho.


São 64 km saindo de Camboriú, nele há contemplação da geografia em torno da mata atlântica com riachos, montanhas verdes, belas estufas, pomares, a segurança de caminhar em vias rurais e o carisma das famílias que atendem os visitantes, os Bianchezzi, os Califas, os Wox e os Wisentainer são alguns dos nomes que irão marcar sua visita.

Nesses dois anos foram mais de 500 pessoas entre caminhantes e ciclistas que completaram o circuito, tem 32 placas indicando o roteiro os requisitos para uma visita agradável e segura é fazer as reservas dos pernoites e das refeições.
A deliciosa gastronomia é variada, tem estilo caiçara aqui em Camboriú e em tijucas inicia sabores italianos indo até Nova Trento, os produtos servidos são de cada região, preste atenção nas 32 placas de orientações.

                                       


O sucesso desse circuito é com o apoio do santuário, do governo e dos prefeitos de Camboriú e Nova Trento, recebi a noticia que Camboriú além da publicidade cedida pela prefeitura estará instalando placas de trânsito, Nova Trento já sinalizou com 32. 


No circuito tem três restaurantes coloniais, quatro pousadas, sendo uma fazenda e as demais em sítios familiares, três vinícolas caseiras e duas industriais.


Programem-se e venham conhecer, fica bem próximo de Balneário, cidade irmã de Camboriú.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 08/05/2019 às 16h18 | mvpagelkopf@gmail.com



Marcos Vinicios Pagelkopf

Assina a coluna Viagens & Turismo

Trabalho com turismo desde 1985, já fui agente de viagens, promotor de vendas de atrativos turísticos, professor de curso de recepção municipal e de guia de turismo da Univali, consultor, palestrante e idealizador de ações como a primeira comemoração do Dia Mundial do Turismo no Brasil.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Fale Conosco - Anuncie no Página 3 - Normas de Uso
© Desenvolvido por Página 3

Endereço: Rua 2448, 360 - Balneário Camboriú - SC | Telefone: (47) 3367-3333 | Email: jornal@pagina3.com.br

Página 3
Viagens & Turismo
Por Marcos Vinicios Pagelkopf

Dois anos do Circuito Caminho de Santa Paulina

Olá amigos.

Vou tentar esclarecer alguns pontos sobre o Caminhos de Santa Paulina que completou mais um ano com resultados surpreendentes, são dois anos desde a criação do circuito e a pouco tempo atrás o governo oficializou como rota turística religiosa. 


Nos dias 4 e 5 levei um grupo de 15 participantes para caminharmos em comemoração ao aniversário do roteiro, o reflexo nos depoimentos e a alegria no semblante dos participantes deixou aquele gostinho de "queria ter participado", e muitas pessoas me perguntaram porque não publiquei ou convidei antes, "agora só nos dá água na boca", esses comentários estão nas minhas redes sociais e na do Isaque também. A resposta é simples, tem caminhada todos os dias, é turismo e por isso tem limitações referente ao atendimento nas pousadas e nas casas que atendem os visitantes e não é exclusivo a uma peregrinação anual. Quem quer fazer a peregrinação anual tem a caminhada que sai de Itajaí, passa por Camboriú, Brusque e chega a Nova Trento com aproximadamente 300 ou mais participantes, é legal, mas não é a mesma via Caetés que é onde formamos o Circuito.

 

O Caminhos de Santa Paulina é um circuito auto guiado e tem dezenas de famílias preparadas para atender os visitantes, turistas e também peregrinos, inicia em Camboriú pelo motivo da santa, quando freira, ter vindo participar da festa do divino em Camboriú e passa por Tijucas, Canelinha, São João Batista, chegando a Nova Trento. A diferença é que nesse caminho o maior sacrifício não é a caminhada dos 64 km, mas sim resistir a boa comida como também se conter no exageros dos bons vinhos e ao sossego, pois o lugar tem um pequeno paraíso escondido em cada propriedade.

Esse roteiro foi criado para que os visitantes sintam a cultura portuguesa em Camboriú e a Italiana nas cidades de Canelinha, São João Batista e Nova Trento. No quesito histórico passou nesse roteiro figuras ilustres do Império e do Governo bem antes da madre caminhar, assim relata o historiador do caminho.


São 64 km saindo de Camboriú, nele há contemplação da geografia em torno da mata atlântica com riachos, montanhas verdes, belas estufas, pomares, a segurança de caminhar em vias rurais e o carisma das famílias que atendem os visitantes, os Bianchezzi, os Califas, os Wox e os Wisentainer são alguns dos nomes que irão marcar sua visita.

Nesses dois anos foram mais de 500 pessoas entre caminhantes e ciclistas que completaram o circuito, tem 32 placas indicando o roteiro os requisitos para uma visita agradável e segura é fazer as reservas dos pernoites e das refeições.
A deliciosa gastronomia é variada, tem estilo caiçara aqui em Camboriú e em tijucas inicia sabores italianos indo até Nova Trento, os produtos servidos são de cada região, preste atenção nas 32 placas de orientações.

                                       


O sucesso desse circuito é com o apoio do santuário, do governo e dos prefeitos de Camboriú e Nova Trento, recebi a noticia que Camboriú além da publicidade cedida pela prefeitura estará instalando placas de trânsito, Nova Trento já sinalizou com 32. 


No circuito tem três restaurantes coloniais, quatro pousadas, sendo uma fazenda e as demais em sítios familiares, três vinícolas caseiras e duas industriais.


Programem-se e venham conhecer, fica bem próximo de Balneário, cidade irmã de Camboriú.

Escrito por Marcos Vinicios Pagelkopf, 08/05/2019 às 16h18 | mvpagelkopf@gmail.com



Marcos Vinicios Pagelkopf

Assina a coluna Viagens & Turismo

Trabalho com turismo desde 1985, já fui agente de viagens, promotor de vendas de atrativos turísticos, professor de curso de recepção municipal e de guia de turismo da Univali, consultor, palestrante e idealizador de ações como a primeira comemoração do Dia Mundial do Turismo no Brasil.


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade