Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cultura
Maior prêmio da arte do país busca o equilíbrio

Cena do filme 'Morte Súbita', do premiado Jaime Lauriano

Segunda, 14/8/2017 10:22.
Divulgação
Cena do filme 'Morte Súbita', do premiado Jaime Lauriano

Publicidade

SILAS MARTÍ
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - É nítida a tentativa de equilibrar gerações e trajetórias num prêmio como o Marcantonio Vilaça, o mais tradicional e relevante das artes visuais do país. Em sua sexta edição, os troféus se dividem entre consagrados e jovens artistas ainda emergentes.

Do lado dos consagrados, ou com mais maturidade e grande aceitação do circuito e do mercado, estão Rochelle Costi, Pedro Motta e Fernando Lindote. Do outro, Jaime Lauriano e Daniel Lannes.

Mais justo e inquestionável é o prêmio a Lauriano, um artista com estratégias estéticas ainda em formação e ao mesmo tempo em sintonia visceral com o atual estado de nervos à flor da pele da nação. Pele, aliás, é um dado importante na equação -ele é o único artista negro premiado, embora houvesse outros entre os finalistas.

Sua obra na irregular e esquizofrênica mostra dos finalistas é uma vitrine cheia de armas e instrumentos usados em linchamentos públicos, episódios que inundam as redes sociais desde que o país afundou no caos econômico e político nos últimos anos.

Lauriano está longe da consagração, mas é um nome promissor, em plena ascensão -perfil do artista que em geral merece esse prêmio.

Daniel Lannes, com pinturas coloridíssimas e de traços movediços, em que a história do país é alvo constante de questionamentos e releituras, é outro nome que deveria estar no radar de uma premiação como essas e ganha, nesse momento, uma primeira -e também muito justa- chancela institucional de peso.

No meio do caminho, estão Fernando Lindote e Pedro Motta. Enquanto o primeiro tem longa experiência no circuito e menor penetração no mercado, o segundo tem uma obra mais tímida no circuito institucional e relativo sucesso na arena comercial, com representação de uma das galerias mais poderosas no país e aceitação dos colecionadores.

Mais consagrada de todos eles, Rochelle Costi é um nome incontornável na arte do país nas últimas décadas. Sua obra fotográfica de pegada conceitual espelha ao mesmo tempo a melancolia e a mercantilização do mundo atual. Nesse caso, seu prêmio talvez venha já com certo atraso.

É uma pena, no entanto, que nomes por trás de obras tão relevantes e fortes quanto Alice Miceli, Éder Oliveira e Pablo Lobato tenham ficado de fora dessa leva de troféus.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Cena do filme 'Morte Súbita', do premiado Jaime Lauriano
Cena do filme 'Morte Súbita', do premiado Jaime Lauriano

Maior prêmio da arte do país busca o equilíbrio

Cena do filme 'Morte Súbita', do premiado Jaime Lauriano

Publicidade

Segunda, 14/8/2017 10:22.

SILAS MARTÍ
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - É nítida a tentativa de equilibrar gerações e trajetórias num prêmio como o Marcantonio Vilaça, o mais tradicional e relevante das artes visuais do país. Em sua sexta edição, os troféus se dividem entre consagrados e jovens artistas ainda emergentes.

Do lado dos consagrados, ou com mais maturidade e grande aceitação do circuito e do mercado, estão Rochelle Costi, Pedro Motta e Fernando Lindote. Do outro, Jaime Lauriano e Daniel Lannes.

Mais justo e inquestionável é o prêmio a Lauriano, um artista com estratégias estéticas ainda em formação e ao mesmo tempo em sintonia visceral com o atual estado de nervos à flor da pele da nação. Pele, aliás, é um dado importante na equação -ele é o único artista negro premiado, embora houvesse outros entre os finalistas.

Sua obra na irregular e esquizofrênica mostra dos finalistas é uma vitrine cheia de armas e instrumentos usados em linchamentos públicos, episódios que inundam as redes sociais desde que o país afundou no caos econômico e político nos últimos anos.

Lauriano está longe da consagração, mas é um nome promissor, em plena ascensão -perfil do artista que em geral merece esse prêmio.

Daniel Lannes, com pinturas coloridíssimas e de traços movediços, em que a história do país é alvo constante de questionamentos e releituras, é outro nome que deveria estar no radar de uma premiação como essas e ganha, nesse momento, uma primeira -e também muito justa- chancela institucional de peso.

No meio do caminho, estão Fernando Lindote e Pedro Motta. Enquanto o primeiro tem longa experiência no circuito e menor penetração no mercado, o segundo tem uma obra mais tímida no circuito institucional e relativo sucesso na arena comercial, com representação de uma das galerias mais poderosas no país e aceitação dos colecionadores.

Mais consagrada de todos eles, Rochelle Costi é um nome incontornável na arte do país nas últimas décadas. Sua obra fotográfica de pegada conceitual espelha ao mesmo tempo a melancolia e a mercantilização do mundo atual. Nesse caso, seu prêmio talvez venha já com certo atraso.

É uma pena, no entanto, que nomes por trás de obras tão relevantes e fortes quanto Alice Miceli, Éder Oliveira e Pablo Lobato tenham ficado de fora dessa leva de troféus.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade