Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cultura
TONY-AWARDS - Musical sobre ansiedade ganha sete Tony

Terça, 13/6/2017 7:28.
Divulgação.

Publicidade

JÚLIA ZAREMBA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "Um ótimo ano na Broadway. Relembrando os principais temas da temporada, temos divórcio, depressão econômica, infidelidade, o conflito israelense/palestino, a guerra do Vietnã, o 11 de Setembro, suicídio e ganância. Teremos uma noite muito divertida!"

Foi assim que o ator e apresentador Kevin Spacey resumiu novidades teatrais de Nova York na abertura da 71º Tony Awards, na noite do domingo (11). Quem disse que teatro musical só fala de alegria?

Um ano após o hegemônico "Hamilton", com 11 troféus, os prêmios agora foram pulverizados. O maior vencedor de 2017 foi o espetáculo "Dear Evan Hansen", com seis estatuetas, incluindo as de melhor musical e melhor trilha. Ele fora indicado a nove.

A peça conta os percalços de um adolescente com transtorno de ansiedade no ensino médio, que se vê no centro de uma polêmica após o suposto suicídio de um colega.

Ben Platt, 23, levou um prêmio por sua elogiada atuação no musical "desafiante e catártico", nas palavras do "New York Times". "Não perca tempo tentando ser ninguém exceto você mesmo, porque as coisas que te fazem um estranho são aquelas que te deixam poderoso", discursou Platt.

O revival de "Hello, Dolly!" também foi um dos destaques. Venceu em quatro categorias, entre elas a de melhor atriz em musical: a veterana Bette Midler no papel de casamenteira.

Espetáculo com maior número de indicações (12), "Natasha, Pierre & The Great Comet of 1812", estrelado por Josh Groban, decepcionou: ganhou só prêmios de melhor design cênico e de melhor design de luz. O show é inspirado no romance "Guerra e Paz", do escritor russo Leon Tolstói.

A adaptação de "Feitiço do Tempo", que venceu o Olivier Awards –um Tony britânico–, também não teve sorte. Perdeu em sete categorias.
"Come From Away", cujo pano de fundo é o 11 de Setembro, e "Bandstand", sobre um grupo de veteranos de guerra, levaram um prêmio cada –melhores direção de musical e coreografia, respectivamente.

Nas categorias de peças não musicadas, não houve grandes destaques. "Oslo", "Indecent" e "Lilian Hellman's The Little Foxes" ganharam duas estatuetas cada.

SHOW

O ponto alto da noite, contudo, foram as apresentações dos números musicais.

Na abertura da cerimônia, Kevin Spacey deu um show e levou a plateia ao delírio com paródias bem humoradas de cenas de quatro indicados na categoria de melhor musical

Mais conhecido pelo papel de Frank Underwood na série "House of Cards", o ator já havia mostrado talento musical em "Uma Vida Sem Limites", filme de 2004 sobre o cantor Bobby Darin (1936-73).

Foi, inclusive, uma canção de Darin, "The Curtain Falls", que encerrou a cerimônia de duas horas e meia, interpretada por Spacey e Patti LuPone.

O público também pode assistir a performances de musicais como "Come From Away", "Miss Saigon" e "Dear Evan Hansen".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação.

TONY-AWARDS - Musical sobre ansiedade ganha sete Tony

Publicidade

Terça, 13/6/2017 7:28.

JÚLIA ZAREMBA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "Um ótimo ano na Broadway. Relembrando os principais temas da temporada, temos divórcio, depressão econômica, infidelidade, o conflito israelense/palestino, a guerra do Vietnã, o 11 de Setembro, suicídio e ganância. Teremos uma noite muito divertida!"

Foi assim que o ator e apresentador Kevin Spacey resumiu novidades teatrais de Nova York na abertura da 71º Tony Awards, na noite do domingo (11). Quem disse que teatro musical só fala de alegria?

Um ano após o hegemônico "Hamilton", com 11 troféus, os prêmios agora foram pulverizados. O maior vencedor de 2017 foi o espetáculo "Dear Evan Hansen", com seis estatuetas, incluindo as de melhor musical e melhor trilha. Ele fora indicado a nove.

A peça conta os percalços de um adolescente com transtorno de ansiedade no ensino médio, que se vê no centro de uma polêmica após o suposto suicídio de um colega.

Ben Platt, 23, levou um prêmio por sua elogiada atuação no musical "desafiante e catártico", nas palavras do "New York Times". "Não perca tempo tentando ser ninguém exceto você mesmo, porque as coisas que te fazem um estranho são aquelas que te deixam poderoso", discursou Platt.

O revival de "Hello, Dolly!" também foi um dos destaques. Venceu em quatro categorias, entre elas a de melhor atriz em musical: a veterana Bette Midler no papel de casamenteira.

Espetáculo com maior número de indicações (12), "Natasha, Pierre & The Great Comet of 1812", estrelado por Josh Groban, decepcionou: ganhou só prêmios de melhor design cênico e de melhor design de luz. O show é inspirado no romance "Guerra e Paz", do escritor russo Leon Tolstói.

A adaptação de "Feitiço do Tempo", que venceu o Olivier Awards –um Tony britânico–, também não teve sorte. Perdeu em sete categorias.
"Come From Away", cujo pano de fundo é o 11 de Setembro, e "Bandstand", sobre um grupo de veteranos de guerra, levaram um prêmio cada –melhores direção de musical e coreografia, respectivamente.

Nas categorias de peças não musicadas, não houve grandes destaques. "Oslo", "Indecent" e "Lilian Hellman's The Little Foxes" ganharam duas estatuetas cada.

SHOW

O ponto alto da noite, contudo, foram as apresentações dos números musicais.

Na abertura da cerimônia, Kevin Spacey deu um show e levou a plateia ao delírio com paródias bem humoradas de cenas de quatro indicados na categoria de melhor musical

Mais conhecido pelo papel de Frank Underwood na série "House of Cards", o ator já havia mostrado talento musical em "Uma Vida Sem Limites", filme de 2004 sobre o cantor Bobby Darin (1936-73).

Foi, inclusive, uma canção de Darin, "The Curtain Falls", que encerrou a cerimônia de duas horas e meia, interpretada por Spacey e Patti LuPone.

O público também pode assistir a performances de musicais como "Come From Away", "Miss Saigon" e "Dear Evan Hansen".


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade