Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cultura
Academia Brasileira de Letras elege João Almino novo imortal

Quinta, 9/3/2017 7:06.
Arquivo pessoal.

Publicidade

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)
O escritor e diplomata João Almino foi eleito, na tarde desta quarta-feira (8), como o novo imortal da ABL (Academia Brasileira de Letras). A votação ocorreu em cerimônia realizada no palácio Petit Trianon, sede da ABL, no Rio.

João Almino foi escolhido por 30 dos 37 votos possíveis, e os demais foram brancos ou abstenções. O autor passa a ocupar a cadeira 22, na sucessão do médico Ivo Pitanguy, morto em 6 de agosto do ano passado.

O novo membro da Casa de Machado concorria com Osmann de Oliveira, José Itamar de Abreu Costa, Antonio Spyer de Mourão Matos e Juarez M. Avelar.

Nascido em Mossoró (RN), Almino fez carreira na diplomacia –ele chegou a dirigir o Instituto Rio Branco– e na literatura. É autor de romances como "Ideias Para Onde Passar o Fim do Mundo", "O Livro das Emoções", "Cidade Livre" e "Enigmas da Primavera", todos publicados pela editora Record.

Ele também publicou ensaios sobre filosofia e história, como "Era Uma Vez Uma Constituinte" e "O Segredo e a Informação". Seu nome é recorrente em prêmios literários –Almino já recebeu o Casa de Las Américas (2003) e o Zaffari & Bourbon (2011).

O novo imortal, que se doutorou na França sob orientador do filósofo Claude Lefort (1924-2010), chegou a lecionar nas universidades de Brasília, Berkeley, Stanford e Chicago.

FATO RARO

O escritor assume a vaga após um fato raro na ABL. Essa foi a segunda votação para escolher o sucessor de Ivo Pitanguy.

Em novembro passado, houve uma votação em que os favoritos eram o cientista político Francisco Weffort e o poeta Antonio Cicero, mas nenhum conseguiu a maioria simples necessária para ser o escolhido, e o processo eleitoral foi aberto novamente.

Nesta quinta (9), a ABL elegerá o sucessor de Ferreira Gullar. Como favoritos, estão o presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Arno Wehling, e, de novo, o poeta Antonio Cicero.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Arquivo pessoal.

Academia Brasileira de Letras elege João Almino novo imortal

Publicidade

Quinta, 9/3/2017 7:06.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)
O escritor e diplomata João Almino foi eleito, na tarde desta quarta-feira (8), como o novo imortal da ABL (Academia Brasileira de Letras). A votação ocorreu em cerimônia realizada no palácio Petit Trianon, sede da ABL, no Rio.

João Almino foi escolhido por 30 dos 37 votos possíveis, e os demais foram brancos ou abstenções. O autor passa a ocupar a cadeira 22, na sucessão do médico Ivo Pitanguy, morto em 6 de agosto do ano passado.

O novo membro da Casa de Machado concorria com Osmann de Oliveira, José Itamar de Abreu Costa, Antonio Spyer de Mourão Matos e Juarez M. Avelar.

Nascido em Mossoró (RN), Almino fez carreira na diplomacia –ele chegou a dirigir o Instituto Rio Branco– e na literatura. É autor de romances como "Ideias Para Onde Passar o Fim do Mundo", "O Livro das Emoções", "Cidade Livre" e "Enigmas da Primavera", todos publicados pela editora Record.

Ele também publicou ensaios sobre filosofia e história, como "Era Uma Vez Uma Constituinte" e "O Segredo e a Informação". Seu nome é recorrente em prêmios literários –Almino já recebeu o Casa de Las Américas (2003) e o Zaffari & Bourbon (2011).

O novo imortal, que se doutorou na França sob orientador do filósofo Claude Lefort (1924-2010), chegou a lecionar nas universidades de Brasília, Berkeley, Stanford e Chicago.

FATO RARO

O escritor assume a vaga após um fato raro na ABL. Essa foi a segunda votação para escolher o sucessor de Ivo Pitanguy.

Em novembro passado, houve uma votação em que os favoritos eram o cientista político Francisco Weffort e o poeta Antonio Cicero, mas nenhum conseguiu a maioria simples necessária para ser o escolhido, e o processo eleitoral foi aberto novamente.

Nesta quinta (9), a ABL elegerá o sucessor de Ferreira Gullar. Como favoritos, estão o presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Arno Wehling, e, de novo, o poeta Antonio Cicero.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade