Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

O Sonho de Kamuri’, espetáculo do Estaleiro em Dança

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Quinta, 9/8/2018 14:48.

Um menino sonhador que viaja pelo mundo, conhece a diversidade cultural dos povos e quando retorna traz uma nova percepção de vida, tornando-se mais respeitoso e inclusivo na comunidade em que vive.

Esta é a historia da peça ‘O Sonho de Kamuri’ que o projeto Estaleiro em Dança apresentará nesta sexta-feira (10) de manhã e à tarde para alunos das escolas das praias agrestes e no sábado, às 19h, para a comunidade do Estaleiro e público em geral. Todas as apresentações serão realizadas no Centro Comunitário Tonho Cilo na praia do Estaleiro.

As apresentações são gratuitas, com o patrocínio da Lei de Incentivo à Cultura (LIC), da Fundação Cultural e apoio da Associação dos Moradores do Estaleiro (AME)

A responsável pelo projeto que nasceu há três anos, Kátia Franklin, disse que além da dança, a intenção é trazer cada ano nova temática, novos apelos de boas condutas com o ser humano, de atenção às questões ambientais, temas que podem melhorar a relação com a comunidade sempre. Kamuri significa peixe robalo e na peça fará referência ao rio Camboriú.

“Coordeno esse projeto, porque minha vida toda foi dedicada à dança, é importante expandir esse meio de expressão para o maior número de pessoas”, disse Kátia.

A peça foi escrita pela filósofa Carin Franklin, professora da Universidade do Paraná, e faz essa relação de uma criança sonhadora que tem informações do mundo e viaja através de um sonho, da imaginação, para vários lugares do mundo, onde conhece a diversidade cultural e com isso aprende a se tornar mais respeitosa, mais inclusiva e faz com que seus colegas também tenham essa percepção.

“A narração é do locutor Roberto da Univali FM que gentilmente gravou a historia para nós e as músicas foram uma escolha que fizesse referência a cada espaço que esse menino sonhador vai”, detalhou.

Segundo Kátia, o projeto e os eventos que dele decorrem só tem sentido se for 'da e para' a comunidade.

“Esse projeto é da nossa comunidade, eu só dei o pontapé inicial. Espero novos voluntários e mesmo sem grandes rendas, um projeto como este, traz uma transformação na comunidade, auto estima, as pessoas gostam, as crianças envolvidas melhoraram no rendimento escolar, a dança como toda arte tem uma penetração muito grande na questão educacional, traz resultado amplo e é isso que estamos assistindo”, disse Kátia.

O Estaleiro em Dança iniciou com 20 crianças. Hoje são 76 componentes de 4 anos em diante, divididos em três grupos: infantil, adolescentes e adultos. Todos participam desta peça.

As aulas de dança são às terças e quintas em diversos horários e gratuitas. Logo será necessário abrir mais turmas, porque a procura é grande.

 

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Educação

A comunidade de toda região está convidada para opinar


Eleições

Ele é surdo e por isso conhece as dificuldades enfrentadas por pessoas em situação semelhante 


Eleições

Em entrevista ao Página 3 ele conta que quer ser deputado do empreendedorismo


Saúde

Destaque para o Dia D contra sarampo e polio  


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade