Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Galeria de Artes “Mauro Caelum” será inaugurada dia 6, na Casa da Cultura Dide Brandão
Divulgação
Mauro Caelum faleceu em 2016. Entre seus legados está a intervenção urbana "Sonhar Pode", espalhada por Itajaí

Terça, 4/12/2018 9:15.

Camila Gonçalves - A Galeria de Artes nº 1 da Casa da Cultura Dide Brandão, de Itajaí, receberá no dia 6 de dezembro o nome oficial de Galeria de Artes Mauro Caelum, em homenagem ao artista itajaiense que faleceu em setembro de 2016. A inauguração acontece a partir das 20h, com exposição “Perdas e Pedras”, do acervo de Caelum.

Além da exposição, que teve a curadoria do artista visual Kim Coimbra, a noite contará com os artistas Bárbara Damásio, Chico Preto e Rafaello de Goes, que realizam show e sarau, com muita música e poesia, incluindo canções e textos feitos em parceria com Caelum. O evento tem o apoio da Prefeitura Municipal, Fundação Cultural de Itajaí e Casa da Cultura Dide Brandão.

Mauro Sérgio Santos, o Mauro Caelum foi um importante artista visual e poeta itajaiense. Por quase 30 anos se dedicou exclusivamente à pesquisa e à produção da arte na cidade. Trabalhou com pintura, escultura e instalação. Além de artista visual, dedicou-se à poesia, criando um trabalho híbrido na junção da visualidade com suas palavras. Sua obra mais conhecida é a intervenção urbana “Sonhar Pode”, espalhada por diferentes lugares de Itajaí.

O projeto de denominação da Galeria Mauro Caelum foi proposto pela vereadora Celia Regina da Costa e aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores de Itajaí no mês de novembro.

PERDAS E PEDRAS

“A exposição Perdas e Pedras de Mauro Caelum é uma tentativa de apresentar e lançar luz a uma série de pesquisas e trabalhos em processos deixados pelo artista. Um pequeno recorte da sua produção entre 2015 e 2016, que evidencia as tensões e relações entre o uso da palavra e do corpo, a partir da poesia, da escultura e da performance”, comenta Kim Coimbra, quem assina curadoria.

O nome da exposição é um anagrama que dá titulo a um trabalho de 2016 onde o artista apresenta sua agenda, mostrando um de seus registros diários enquanto obra. A primeira parte da exposição se apropria deste mesmo dispositivo, apresentando fragmentos poéticos das agendas de 2015 e 2016, do seu caderno de poesias e do livro “Aos vivos” do poeta Bento Nascimento, no qual Mauro escreveu sobre.

A segunda parte apresenta as esculturas “Os poetas”, “Meus mortos” e “Estou construindo pedras, não tenho casa própria, mas tenho pedras próprias” e as pesquisas em performance a partir do trabalho “Desejo de virar paisagem”, traçando diálogos com os fragmentos poéticos, apontando conceitos importantes para as pesquisas, processos e trabalhos de Mauro, como o sagrado, a casa, o corpo, a carne, a pele, o osso, a vida e a morte.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

O presidente da Caixa parece ter concordado com a necessidade de preservação


Variedades

No Sardinhas Bar e Bistrô, em Itajaí, o melhor do jazz e da música instrumental brasileira.


Cidade

Um cano rompido levava o esgoto para o pluvial


Esportes

A recordista dos 100m e 200m rasos é de Balneário Camboriú


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Galeria de Artes “Mauro Caelum” será inaugurada dia 6, na Casa da Cultura Dide Brandão

Divulgação
Mauro Caelum faleceu em 2016. Entre seus legados está a intervenção urbana
Mauro Caelum faleceu em 2016. Entre seus legados está a intervenção urbana "Sonhar Pode", espalhada por Itajaí
Terça, 4/12/2018 9:15.

Camila Gonçalves - A Galeria de Artes nº 1 da Casa da Cultura Dide Brandão, de Itajaí, receberá no dia 6 de dezembro o nome oficial de Galeria de Artes Mauro Caelum, em homenagem ao artista itajaiense que faleceu em setembro de 2016. A inauguração acontece a partir das 20h, com exposição “Perdas e Pedras”, do acervo de Caelum.

Além da exposição, que teve a curadoria do artista visual Kim Coimbra, a noite contará com os artistas Bárbara Damásio, Chico Preto e Rafaello de Goes, que realizam show e sarau, com muita música e poesia, incluindo canções e textos feitos em parceria com Caelum. O evento tem o apoio da Prefeitura Municipal, Fundação Cultural de Itajaí e Casa da Cultura Dide Brandão.

Mauro Sérgio Santos, o Mauro Caelum foi um importante artista visual e poeta itajaiense. Por quase 30 anos se dedicou exclusivamente à pesquisa e à produção da arte na cidade. Trabalhou com pintura, escultura e instalação. Além de artista visual, dedicou-se à poesia, criando um trabalho híbrido na junção da visualidade com suas palavras. Sua obra mais conhecida é a intervenção urbana “Sonhar Pode”, espalhada por diferentes lugares de Itajaí.

O projeto de denominação da Galeria Mauro Caelum foi proposto pela vereadora Celia Regina da Costa e aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores de Itajaí no mês de novembro.

PERDAS E PEDRAS

“A exposição Perdas e Pedras de Mauro Caelum é uma tentativa de apresentar e lançar luz a uma série de pesquisas e trabalhos em processos deixados pelo artista. Um pequeno recorte da sua produção entre 2015 e 2016, que evidencia as tensões e relações entre o uso da palavra e do corpo, a partir da poesia, da escultura e da performance”, comenta Kim Coimbra, quem assina curadoria.

O nome da exposição é um anagrama que dá titulo a um trabalho de 2016 onde o artista apresenta sua agenda, mostrando um de seus registros diários enquanto obra. A primeira parte da exposição se apropria deste mesmo dispositivo, apresentando fragmentos poéticos das agendas de 2015 e 2016, do seu caderno de poesias e do livro “Aos vivos” do poeta Bento Nascimento, no qual Mauro escreveu sobre.

A segunda parte apresenta as esculturas “Os poetas”, “Meus mortos” e “Estou construindo pedras, não tenho casa própria, mas tenho pedras próprias” e as pesquisas em performance a partir do trabalho “Desejo de virar paisagem”, traçando diálogos com os fragmentos poéticos, apontando conceitos importantes para as pesquisas, processos e trabalhos de Mauro, como o sagrado, a casa, o corpo, a carne, a pele, o osso, a vida e a morte.

 

Publicidade

Publicidade