Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cultura
Infiltração: exposição coletiva dos artistas de BC chama pra rua

Quinta, 14/11/2019 10:58.
Obra de Fa Centena

Publicidade

Acontece nesse sábado, 16 de novembro, na praça da Galeria Municipal de Arte (em frente ao Teatro Municipal, rua 300), a exposição Infiltração, coletiva de artistas de Balneário Camboriú. Qualquer artista pode participar com qualquer tipo de manifestação, basta chegar. Haverá tapumes à disposição, e a dica é chegar cedo para garantir o seu. A exposição acontece das 10h às 18h e quer incentivar a arte na rua, includente, democrática e aberta.

Já confirmaram participação os artistas Sabrina Garcia, Raquel Signori, Fillipe Rogério, Daniel Vicieli, Luluca Luciana, Fá Centena, Marco Ferrari, Haro Wolff, Olga Aquino, Mariana Sais, Evandro Karvat, Leila Maria De Oliveira, Cintia Ribas, Luciana Siebert, Bet Paese, Leila Strauch, Dani Sousa

Infiltração é organizada pela Câmara Setorial de Artes Visuais, e a presidente artista Luciana Siebert diz que a ideia é levar a arte para a rua, de maneira menos burocratizada e mais acessível a todos. A exposição recebeu esse nome em alusão aos problemas estruturais que a Galeria de Arte Municipal, que funciona no mesmo prédio do Teatro, está enfrentando.

"Ao mesmo tempo em que estamos discutindo a importância desse espaço para os artistas, a gente gostaria que isso virasse um movimento, pudesse acontecer com periodicidade, que a gente pudesse vender, mostrar, exibir nosso trabalho num espaço acessível, ter acesso ao morador, ao turista, de uma forma desburocratizada... Tem feiras que me inspirei, como a Feira da Praça da República, em São Paulo aos domingos, que os artistas vão quando podem, quando estão dispostos a fazer isso, e sempre tem muita coisa interessante na rua.

Luciana acha que é importante fazer esse movimento includente, porque é um jeito a mais da arte acontecer e abrir espaço. "O movimento vai acontecendo quando está sendo feito, é uma forma do artista expor, botar o trabalho à venda, nem todo artista sabe escrever, nem todo artista sabe articular o público e o privado, ou fazer um edital pra usar recurso da LIC, enquanto Câmara eu penso nesse artista, que faz outras coisas, às vezes trabalha em sub empregos, e acaba não tendo tempo para focar nessa outra possibilidade, profissional, econômica, que é muito gratificante e terapêutica".

A presidente da Setorial faz um agradecimento especial à diretora do teatro e da galeria municipal Potyra Najara, que tem feito um esforço importante pelos artistas, apesar das más condições do prédio, que precisa de reformas estruturais urgentes.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Obra de Fa Centena
Obra de Fa Centena

Infiltração: exposição coletiva dos artistas de BC chama pra rua

Publicidade

Quinta, 14/11/2019 10:58.

Acontece nesse sábado, 16 de novembro, na praça da Galeria Municipal de Arte (em frente ao Teatro Municipal, rua 300), a exposição Infiltração, coletiva de artistas de Balneário Camboriú. Qualquer artista pode participar com qualquer tipo de manifestação, basta chegar. Haverá tapumes à disposição, e a dica é chegar cedo para garantir o seu. A exposição acontece das 10h às 18h e quer incentivar a arte na rua, includente, democrática e aberta.

Já confirmaram participação os artistas Sabrina Garcia, Raquel Signori, Fillipe Rogério, Daniel Vicieli, Luluca Luciana, Fá Centena, Marco Ferrari, Haro Wolff, Olga Aquino, Mariana Sais, Evandro Karvat, Leila Maria De Oliveira, Cintia Ribas, Luciana Siebert, Bet Paese, Leila Strauch, Dani Sousa

Infiltração é organizada pela Câmara Setorial de Artes Visuais, e a presidente artista Luciana Siebert diz que a ideia é levar a arte para a rua, de maneira menos burocratizada e mais acessível a todos. A exposição recebeu esse nome em alusão aos problemas estruturais que a Galeria de Arte Municipal, que funciona no mesmo prédio do Teatro, está enfrentando.

"Ao mesmo tempo em que estamos discutindo a importância desse espaço para os artistas, a gente gostaria que isso virasse um movimento, pudesse acontecer com periodicidade, que a gente pudesse vender, mostrar, exibir nosso trabalho num espaço acessível, ter acesso ao morador, ao turista, de uma forma desburocratizada... Tem feiras que me inspirei, como a Feira da Praça da República, em São Paulo aos domingos, que os artistas vão quando podem, quando estão dispostos a fazer isso, e sempre tem muita coisa interessante na rua.

Luciana acha que é importante fazer esse movimento includente, porque é um jeito a mais da arte acontecer e abrir espaço. "O movimento vai acontecendo quando está sendo feito, é uma forma do artista expor, botar o trabalho à venda, nem todo artista sabe escrever, nem todo artista sabe articular o público e o privado, ou fazer um edital pra usar recurso da LIC, enquanto Câmara eu penso nesse artista, que faz outras coisas, às vezes trabalha em sub empregos, e acaba não tendo tempo para focar nessa outra possibilidade, profissional, econômica, que é muito gratificante e terapêutica".

A presidente da Setorial faz um agradecimento especial à diretora do teatro e da galeria municipal Potyra Najara, que tem feito um esforço importante pelos artistas, apesar das más condições do prédio, que precisa de reformas estruturais urgentes.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade