Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Cultura
Bola Teixeira lança livro nesta quarta no Teatro Municipal

Histórias que fazem parte do desenvolvimento de Balneário Camboriú, mas que poucos conhecem

Segunda, 4/11/2019 11:43.
Divulgação
As mãos de dona Marlene e seu Dario

Publicidade

O resgate de histórias que nunca foram contadas, mas que são fundamentais na vida memorial de Balneário Camboriú, porque desde que o município ganhou sua independência, nasceu junto a figura do servidor público.

Esta foi a principal motivação que levou o jornalista, historiador e escritor Nildo Teixeira de Melo (Bola) a transportar para o papel as histórias de servidores públicos. O trabalho de ‘captura’ de imagens é do fotógrafo Rivo Biehl.

O lançamento do livro ‘Servidores de Balneário Camboriú’ vai acontecer nesta quarta-feira(6), às 19h, no Teatro Municipal Bruno Nitz, durante um evento com a presença de todos os homenageados.

Bola é autor de três biografias: ‘O Craque Eterno (Teixeirinha)’; ‘Quem sou eu - a Saga da Família Fischer’, (Klaus Fischer) e ‘Como Criar um Corrupto’(Edson Forneroli). Além destes, é autor do texto do livro ‘Grupo Escoteiro Leão do Mar’ e foi o editor e organizador do ‘Artes Urbanas’, livro do Sinduscon.

Sobre a obra mais recente, que vai movimentar o Teatro Municipal, nesta quarta-feira, Bola fez alguns comentários, mas ainda não ‘revelou’ todas as surpresas. Acompanhe:


Mudança de foco

Luiz Carlos Chedid e Bola

“A ideia do livro é registrar mais uma narrativa sobre a história de Balneário Camboriú. Os funcionários públicos já estavam na minha alça de mira há tempo, curioso sobre a relação da função deles com a cidade. Então, num primeiro momento na minha cabeça eu iria contar um pouco da história da cidade sob o prisma dos funcionários públicos. O resultado não foi bem o que imaginei aquela coisa mais sistemática, cronológica... não havia pensado na relação desses funcionários com o poder e durante a fase das entrevistas percebi que o foco do livro seria outro do que aquele imaginado”, contou o autor.


Exploração e perseguição

“Foram 46 entrevistas e o que mais chamou minha atenção foram histórias de exploração e perseguição da existência permanente do "à disposição" independente do prefeito. Antes da Constituição de 1988 então a coisa da exploração era bem mais explícita, não havia proteção trabalhista ao servidor, como disse um dos entrevistados na sua simplicidade, eu fazia o que mandavam... o resultado foi uma narrativa histórica, mas fragmentada... foram histórias de pessoas e suas experiências no setor público”.


Os retratos de Rivo

Dona Marlene e Seu Dario

“Para ilustrar o livro eu convidei o Rivo Biehl, porque queria retratar o personagem mais ou menos da forma que eu os conheço ou aqueles que não conhecia, o modo de se comportar nas entrevistas, suas características, suas expressões. Foi muito legal porque o Rivo também se divertiu. Ele montou um estúdio dentro do BC Prev e fez muito cliques sob a minha direção e, também sem a minha direção... então o resultado foram muitos retratos de cada personagem para escolher um só para o livro, uma tarefa nada fácil.. então há personagens gargalhando e outros mais contemplativos, mais sérios, algumas com uma luz lateral oferecendo um efeito interessante ao personagem…”

Rivo Biehl fotografando Maurício Escova


Resgate da memória

“O livro é mais uma contribuição minha ao registro da história da cidade que oficialmente os governos não colocam como prioridade. Esse comportamento vem apagando a memória histórica da cidade e cabe a nós tentar resguardar de alguma forma, como venho fazendo com o outro livro ‘Balneário Camboriú: formação social, econômica e política’, que devo lançar em breve”.


Os personagens

Coca e o autor

“Os personagens do livro serão homenageados durante o lançamento,entre eles, a Coca, do Planejamento, o Nelinho, da Procuradoria, a Betinha, da Fazenda, o Gabriel, topógrafo, a Remi, a Erotides, a mãe do Belini, Dona Marlene (as mãos dela e do Dario formam a imagem da capa) e outros ainda mais antigos, como a professora Valdete que entrou na prefeitura ante de Higino Pio e alguns braçais que vivem pros lados da Barra, gente simples e que conquistaram meu coração…”.


O livro

O livro tem 92 páginas, tiragem de mil exemplares, e será lançado em evento do apoiador cultural BC Prev. A publicação é da Publixer Editora e o apoio da Lei de Incentivo à Cultura (LIC).


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
As mãos de dona Marlene e seu Dario
As mãos de dona Marlene e seu Dario

Bola Teixeira lança livro nesta quarta no Teatro Municipal

Histórias que fazem parte do desenvolvimento de Balneário Camboriú, mas que poucos conhecem

Publicidade

Segunda, 4/11/2019 11:43.

O resgate de histórias que nunca foram contadas, mas que são fundamentais na vida memorial de Balneário Camboriú, porque desde que o município ganhou sua independência, nasceu junto a figura do servidor público.

Esta foi a principal motivação que levou o jornalista, historiador e escritor Nildo Teixeira de Melo (Bola) a transportar para o papel as histórias de servidores públicos. O trabalho de ‘captura’ de imagens é do fotógrafo Rivo Biehl.

O lançamento do livro ‘Servidores de Balneário Camboriú’ vai acontecer nesta quarta-feira(6), às 19h, no Teatro Municipal Bruno Nitz, durante um evento com a presença de todos os homenageados.

Bola é autor de três biografias: ‘O Craque Eterno (Teixeirinha)’; ‘Quem sou eu - a Saga da Família Fischer’, (Klaus Fischer) e ‘Como Criar um Corrupto’(Edson Forneroli). Além destes, é autor do texto do livro ‘Grupo Escoteiro Leão do Mar’ e foi o editor e organizador do ‘Artes Urbanas’, livro do Sinduscon.

Sobre a obra mais recente, que vai movimentar o Teatro Municipal, nesta quarta-feira, Bola fez alguns comentários, mas ainda não ‘revelou’ todas as surpresas. Acompanhe:


Mudança de foco

Luiz Carlos Chedid e Bola

“A ideia do livro é registrar mais uma narrativa sobre a história de Balneário Camboriú. Os funcionários públicos já estavam na minha alça de mira há tempo, curioso sobre a relação da função deles com a cidade. Então, num primeiro momento na minha cabeça eu iria contar um pouco da história da cidade sob o prisma dos funcionários públicos. O resultado não foi bem o que imaginei aquela coisa mais sistemática, cronológica... não havia pensado na relação desses funcionários com o poder e durante a fase das entrevistas percebi que o foco do livro seria outro do que aquele imaginado”, contou o autor.


Exploração e perseguição

“Foram 46 entrevistas e o que mais chamou minha atenção foram histórias de exploração e perseguição da existência permanente do "à disposição" independente do prefeito. Antes da Constituição de 1988 então a coisa da exploração era bem mais explícita, não havia proteção trabalhista ao servidor, como disse um dos entrevistados na sua simplicidade, eu fazia o que mandavam... o resultado foi uma narrativa histórica, mas fragmentada... foram histórias de pessoas e suas experiências no setor público”.


Os retratos de Rivo

Dona Marlene e Seu Dario

“Para ilustrar o livro eu convidei o Rivo Biehl, porque queria retratar o personagem mais ou menos da forma que eu os conheço ou aqueles que não conhecia, o modo de se comportar nas entrevistas, suas características, suas expressões. Foi muito legal porque o Rivo também se divertiu. Ele montou um estúdio dentro do BC Prev e fez muito cliques sob a minha direção e, também sem a minha direção... então o resultado foram muitos retratos de cada personagem para escolher um só para o livro, uma tarefa nada fácil.. então há personagens gargalhando e outros mais contemplativos, mais sérios, algumas com uma luz lateral oferecendo um efeito interessante ao personagem…”

Rivo Biehl fotografando Maurício Escova


Resgate da memória

“O livro é mais uma contribuição minha ao registro da história da cidade que oficialmente os governos não colocam como prioridade. Esse comportamento vem apagando a memória histórica da cidade e cabe a nós tentar resguardar de alguma forma, como venho fazendo com o outro livro ‘Balneário Camboriú: formação social, econômica e política’, que devo lançar em breve”.


Os personagens

Coca e o autor

“Os personagens do livro serão homenageados durante o lançamento,entre eles, a Coca, do Planejamento, o Nelinho, da Procuradoria, a Betinha, da Fazenda, o Gabriel, topógrafo, a Remi, a Erotides, a mãe do Belini, Dona Marlene (as mãos dela e do Dario formam a imagem da capa) e outros ainda mais antigos, como a professora Valdete que entrou na prefeitura ante de Higino Pio e alguns braçais que vivem pros lados da Barra, gente simples e que conquistaram meu coração…”.


O livro

O livro tem 92 páginas, tiragem de mil exemplares, e será lançado em evento do apoiador cultural BC Prev. A publicação é da Publixer Editora e o apoio da Lei de Incentivo à Cultura (LIC).


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade