Jornal Página 3

Emasa poderá até reduzir tarifas de água e esgoto

Terça, 10/10/2017 15:36.

O anúncio por parte da Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina – ARESC - que pretende apresentar uma proposta de revisão de tarifas para a Empresa Municipal de Água e Saneamento - Emasa - causou reações de síndicos, moradores e políticos.

O líder do governo na Câmara, Marcelo Achutti, que já presidiu a Emasa no governo anterior, disse que é “inaceitável” qualquer forma de reajuste.

Síndicos lembraram que aguardam desde 2014, quando a Emasa alterou a forma de cálculo e onerou os condomínios, que a ARESC apresente essa revisão que está atrasada dois anos.

E os moradores, sempre que escutam a palavra “revisão” por parte de governos percebem que podem ser prejudicados e reclamam.

O prefeito Fabrício Oliveira não tomou posição, disse que aguardará a proposta da ARESC.

Por sua vez fontes da ARESC disseram que revisão não significa necessariamente aumento, mas aquela agência não é confiável, portanto é preciso aguardar a proposta.

Por que os condomínios pagam mais

Alguns condomínios foram à justiça contra a tarifa mínima mensal, alegando que individualmente os consumidores, na maioria veranistas, não gastavam aquela quantidade de água.

Em decorrência, a Emasa passou a cumprir um dos trechos de decisão judicial, aquele que lhe permite cobrar por faixa de consumo.

Quanto mais alto o consumo, maior a tarifa e a conta dos condomínios deu um salto porque antes a cobrança que era por apartamento passou a ser unificada do edifício inteiro, salvo naqueles poucos que têm medidores individuais para cada unidade habitacional.

Emasa não precisa arrecadar mais

A Emasa não precisa aumentar seu faturamento através de reajuste da tarifa porque bate seguidos recordes, em especial depois que começou a cobrar de forma extorsiva dos condomínios.

No governo Rubens Spernau a tarifa ficou congelada, a Emasa teve sucessivos ganhos de produtividade num negócio que já é altamente rentável, distribuir água num território pequeno e com população adensada.

Em 2014 o superávit orçamentário foi de 13,5%; em 2015 pulou para 45,55%; em 2016 ficou em 34,2% e em 2017, mantido o ritmo até esta data, baterá nos 25%.

Por outro lado a necessidade de investimentos é decrescente, na medida em que a cidade vai sendo totalmente coberta por redes de água e esgoto.

Serão necessários investimentos de médio e longo prazo na captação, reserva e tratamento de água bruta, além da ampliação da estação de tratamento de esgotos, iniciativas perfeitamente suportáveis com as tarifas atuais ou até menores do que as praticadas.

A audiência pública para discussão do assunto não foi marcada e nem existe certeza de ocorrerá neste ano, mas quando ocorre será a oportunidade dos consumidores manifestarem seu inconformismo com as tarifas aplicadas nos condomínios e qualquer possiblidade de reajustes.

Faturamento anual da Emasa 

Ano

Previsto

Realizado

Superávit %

2017

64.033,600,00

60.255.338,64*

25,00**

2016

57.017.294,00

75.313.626,87

32,09

2015

48.121.525,00

70.043.140,67

45,55

2014

45.902.940,00

52.145.460,87

13,60

2013

43.825.300,00

45.264.030,70

3,28

*Até 10/10/2017 ** Estimado.


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade