Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Seu Dinheiro
'Preocupa a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços', diz Febraban

Quinta, 28/11/2019 13:15.
EBC.

Publicidade

Aline Bronzati
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) vê com preocupação a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços no cheque especial no âmbito das novas regras anunciadas na quarta-feira, 27, e que entram em vigor no ano que vem. Em nota curta distribuída à imprensa, a entidade, que participou do debate, sinaliza desconforto com a imposição de um teto nos juros da modalidade, uma das mais caras do País.

"A Febraban considera positivas iniciativas para buscar maior eficiência e permitir a redução dos subsídios cruzados no sistema de crédito. Preocupa, entretanto, a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços de qualquer espécie", destaca a Federação, em nota.

A entidade destaca ainda que "medidas para eliminar custos e burocracia e estimular a concorrência são sempre mais adequadas aos interesses do mercado e dos consumidores".

Como era esperado pelo mercado, o Conselho Monetário Nacional (CMN) mudou as regras do cheque especial, conforme anúncio feito na quarta-feira. Ao mesmo tempo em que liberou os bancos a cobrarem tarifa pelo acesso ao produto, limitada a até 0,25% sobre o valor que ultrapassar R$ 500,00, estabeleceu o teto mensal de 8% nos juros cobrados na modalidade.

Em outubro, de acordo com informações do Banco Central, o juro médio do cheque especial ficou em 305,9% ao ano, equivalente a 12,4% ao mês.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.

'Preocupa a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços', diz Febraban

Publicidade

Quinta, 28/11/2019 13:15.

Aline Bronzati
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) vê com preocupação a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços no cheque especial no âmbito das novas regras anunciadas na quarta-feira, 27, e que entram em vigor no ano que vem. Em nota curta distribuída à imprensa, a entidade, que participou do debate, sinaliza desconforto com a imposição de um teto nos juros da modalidade, uma das mais caras do País.

"A Febraban considera positivas iniciativas para buscar maior eficiência e permitir a redução dos subsídios cruzados no sistema de crédito. Preocupa, entretanto, a adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços de qualquer espécie", destaca a Federação, em nota.

A entidade destaca ainda que "medidas para eliminar custos e burocracia e estimular a concorrência são sempre mais adequadas aos interesses do mercado e dos consumidores".

Como era esperado pelo mercado, o Conselho Monetário Nacional (CMN) mudou as regras do cheque especial, conforme anúncio feito na quarta-feira. Ao mesmo tempo em que liberou os bancos a cobrarem tarifa pelo acesso ao produto, limitada a até 0,25% sobre o valor que ultrapassar R$ 500,00, estabeleceu o teto mensal de 8% nos juros cobrados na modalidade.

Em outubro, de acordo com informações do Banco Central, o juro médio do cheque especial ficou em 305,9% ao ano, equivalente a 12,4% ao mês.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade