Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Seu Dinheiro
Maia defende reforma, mas diz que não há espaço para imposto cumulativo

Governo tem R$ 450 bilhões de subsídios e o corte de 20% dessas benesses podem ajudar na receita sem a necessidade de criar novos imposto

Sexta, 31/7/2020 16:14.
Marcelo Camargo/AB

Publicidade

Por Nicholas Shores e Gustavo Porto

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta sexta-feira, 31, a necessidade de discussão e aprovação da reforma tributária no País. Atualmente, existem três propostas em tramitação no Parlamento, uma da Câmara, uma no Senado e outra enviada pelo governo federal.

Em almoço organizado pelo Lide, Maia citou que o governo federal tem R$ 450 bilhões de subsídios e que o corte de 20% a 30% dessas benesses podem ajudar no aumento da receita sem a necessidade de criar novos impostos.

"Não quero discutir se tem imposto digital ou CPMF (Contribuição Provisória de Movimentação Financeira). Não há mais espaço para novo tributo, que é cumulativo, trava economia e exporta impostos", disse. "Um novo tributo (com compensações) pode até ser neutro do ponto de vista do número, mas do ponto de vista da Economia não é, nunca", disse o presidente da Câmara.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Marcelo Camargo/AB

Maia defende reforma, mas diz que não há espaço para imposto cumulativo

Governo tem R$ 450 bilhões de subsídios e o corte de 20% dessas benesses podem ajudar na receita sem a necessidade de criar novos imposto

Publicidade

Sexta, 31/7/2020 16:14.

Por Nicholas Shores e Gustavo Porto

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta sexta-feira, 31, a necessidade de discussão e aprovação da reforma tributária no País. Atualmente, existem três propostas em tramitação no Parlamento, uma da Câmara, uma no Senado e outra enviada pelo governo federal.

Em almoço organizado pelo Lide, Maia citou que o governo federal tem R$ 450 bilhões de subsídios e que o corte de 20% a 30% dessas benesses podem ajudar no aumento da receita sem a necessidade de criar novos impostos.

"Não quero discutir se tem imposto digital ou CPMF (Contribuição Provisória de Movimentação Financeira). Não há mais espaço para novo tributo, que é cumulativo, trava economia e exporta impostos", disse. "Um novo tributo (com compensações) pode até ser neutro do ponto de vista do número, mas do ponto de vista da Economia não é, nunca", disse o presidente da Câmara.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade