Jornal Página 3

Diretora do FMI diz que economia brasileira 'virou a página'
EBC.
Christine Lagarde.
Christine Lagarde.

ISABEL FLECK
WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - A diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira (20) que a economia brasileira "virou a página" por causa, em parte, das políticas fiscal e monetária adotadas recentemente pelo governo.

"Então eu diria que, graças ao ciclo, a políticas que foram anunciadas, algumas que já foram implementadas, a economia brasileira virou a página e vai avançar no curso de 2017 e 2018", disse Lagarde durante os encontros de Primavera do FMI e do Banco Mundial, em Washington.

A diretora do FMI disse que reformas estruturais ainda "são claramente necessárias", mas que mudanças já estão ocorrendo sustentadas pelas políticas fiscal e monetária, que responde à redução da inflação no Brasil.

Lagarde ainda afirmou que o combate à corrupção vai ser muito importante para "destravar o potencial da economia brasileira".

A mais recente projeção feita pelo FMI e divulgada na última segunda (17) mostra uma previsão de crescimento do PIB de 0,2% neste ano, após uma queda de 3,6% em 2016. O novo relatório Panorama Econômico Global também aumentou a estimativa de crescimento 2018 -de uma expansão estimada em 1,5% em janeiro para 1,7% agora.

É visível a expectativa do fundo com relação a aprovação de reformas como a da Previdência. Segundo o FMI, para que o país consiga recuperar o crescimento, será preciso a implementação de "ambiciosas reformas" que ataquem despesas "insustentáveis", como na seguridade social.

Em outro relatório, o FMI prevê uma redução no deficit primário do Brasil nos próximos anos -com superavit primário a partir de 2020- apoiado na possível concretização de reformas, como a da Previdência, junto a decisões já implementadas, como a aprovação da PEC que limita os gastos públicos nos próximos 20 anos.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que chegou na quarta (19) a Washington, sugeriu que não vai fazer promessas diante da alta expectativa de investidores sobre a aprovação da reforma da previdência no Congresso.

"A garantia [de aprovação da reforma] será dada no dia em que for votada no Congresso e for incorporada à Constituição", afirmou a jornalistas na quarta-feira. "O que estou fazendo aqui é transmitindo a minha expectativa, a minha avaliação dos acontecimentos e do que achamos que irá ocorrer no Congresso." 


Quinta, 20/4/2017 13:33.
Publicidade


Seu Dinheiro

Opção para quem deve é parcelar em até 48 meses  


Negócios

Fatma deverá analisar estudo ambiental apresentado ontem 


Esportes

Nesta quarta Associação será homenageada na Câmara de Vereadores


Entrevista

Mulheres que passaram por tratamento de câncer podem engravidar  


Cultura

Diversos títulos à venda e apresentações para os pequenos


Cultura

Concerto tem entrada franca


Cidade


Empregos

Com terceirização os 157 contratados poderão ser mantidos no emprego. Veja as vagas disponíveis.


Cidade

Navio já chegou com passageiros de 14 nacionalidades e 1.283 tripulantes 


Publicidade

Projetos têm nomes de árvores nativas e podem ser adequados ao gosto dos clientes


Publicidade