Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Guerra comercial impacta dólar em 2% e ele vai a R$ 3,88

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Quinta, 12/7/2018 8:43.

TÁSSIA KASTNER
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O anúncio de que os Estados Unidos vão impor novas tarifas a produtos chineses e a ameaça de retaliação por Pequim puseram fim aos dias de relativa calmaria do mercado financeiro.

O dólar avançou sobre as principais moedas, e as Bolsas mundiais fecharam em queda nesta quarta-feira (11).

O dia pode ser bem descrito como de aversão de investidores ao risco, quando eles preferem comprar dólares a manter aplicações em ativos considerados mais arriscados, como moedas de países emergentes ou investimentos em Bolsas de valores.

"A busca por risco observada nos últimos dias sofre sério revés após Donald Trump voltar a engrossar o tom em termos de guerra comercial", apontou a corretora H.Commcor em relatório.

Na terça (10), após o fechamento do mercado, os Estados Unidos anunciaram tarifas de 10% sobre mais US$ 200 bilhões em produtos importados da China. Na sexta passada, entrou em vigor a sobretaxa de 25% sobre US$ 34 bilhões em itens exportados pela China ao país.

"Difícil prever o desfecho dessas tensões, mas acreditamos que há uma perda de dinamismo global, fluxos de capitais menos intensos, com correção de preços dos ativos e uma possível 'guerra cambial'. Efeito sobre confiança e decisões de investimentos também tende a ser negativo", escreveu a equipe de economistas do banco Bradesco em relatório.

O dólar avançou mais de 2% e fechou a R$ 3,882 um dia depois de fechar abaixo dos R$ 3,80 pela primeira vez em duas semanas.
Considerando uma cesta de 24 divisas emergentes, a moeda americana avançou sobre 23 delas. O dólar se valorizou também sobre as 16 principais moedas mundiais.

"No curto prazo, essa volatilidade vai continuar", diz Roberto Indech, da Rico.

As Bolsas mundiais amargaram perdas, com as principais baixas na Ásia e na Europa, que fecham mais cedo em comparação com os índices americanos.

O Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, cedeu 0,62%, a 74.398 pontos.

As ações da Petrobras perderam mais de 1%, reflexo da queda do preço do petróleo, que também sofreu com o desenrolar da guerra comercial. O tipo brent (referência internacional) caiu mais de 6% nesta quarta, a US$ 74,01.

Além do cenário externo, notícias relacionadas a empresas locais também pressionaram o índice.

A Embraer, que cai quase 20% desde que foi anunciado o acordo com a Boeing, sofreu com a decisão da companhia aérea Jetblue de trocar jatos da empresa brasileira pelos da concorrente Airbus. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade