Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Expectativa de nova reforma da previdência leva Bolsa a fechar acima de 93 mil pontos
Valter Campanato/Agência Brasil
Paulo Guedes, ministro da Economia

Quarta, 9/1/2019 19:30.

TÁSSIA KASTNER (FOLHAPRESS)

A Bolsa brasileira fechou em alta de mais de 1% nesta quarta-feira (9), acima dos 93 mil pontos pela primeira vez na história, embalada por notícias de reforma da Previdência mais dura e pelo otimismo de um acordo comercial entre Estados Unidos e China. O dólar recuou abaixo de R$ 3,70.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, ganhou 1,72%, a 93.613 pontos. O giro financeiro foi de R$ 16,5 bilhões. Desde a virada do ano, a Bolsa vem enfileirando recordes.

No pregão desta quarta, o índice é puxado pela valorização da Petrobras e da Vale, assim como papéis de concessionárias de rodovias, após o governo anunciar estudo para mudar o modelo de licitação de estradas.

Investidores locais estão otimistas com as notícias sobre a reforma da Previdência sob o governo Bolsonaro, porque consideram os termos mais abrangentes que o discutido sob o mandato de Michel Temer. Paulo Guedes, ministro da Economia, defendeu que o primeiro projeto já incluirá os termos para o regime de capitalização da Previdência.

"O foco na reforma da Previdência, assim como a busca de uma reforma mais abrangente, é positivo e bem recebido pelo mercado, mas o presidente ainda não viu a proposta ou bateu o martelo sobre o tema e mudanças ainda podem ocorrer, o que poderia suavizar a proposta antes da mesma ser enviada ao congresso", escreveu a XP em relatório.

A visão é compartilhada por Victor Candido, economista-chefe da Guide, também considera que os termos apresentados para a reforma até agora são bons, mas podem indicar espaço para desidratação futura.

Candido considera, porém, que o sinal é positivo, mas não seria suficiente para sustentar o mercado caso o exterior estivesse negativo.

O dia foi de otimismo disseminado no exterior com o fim da rodada de negociações e o anúncio, para breve, do que foi discutido entre Estados Unidos e China. Os dois países travam uma guerra comercial e o risco de recrudescimento da disputa havia deixado investidores receosos de uma desaceleração maior da economia global.

O possível acordo dá ânimos às Bolsas globais. As Bolsas europeias e asiáticas fecharam em alta, mesma direção seguida pelos principais índices americanos no final do pregão. O petróleo do tipo Brent subia acima de US$ 61 o barril, maior patamar em um mês.

O dólar caiu ante real, cotado a R$ 3,6890, no menor patamar desde 26 de outubro, véspera da eleição de Jair Bolsonaro (PSL). O dia foi favorável a emergentes: de 24 moedas desses países, 23 se valorizaram ante o dólar. O real é a segunda maior valorização do dia.

A moeda americana já havia fechado quando foi divulgada a ata da reunião do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), realizada em dezembro. O documento mostrou que os membros do BC americano defenderam paciência com altas adicionais de juros e mostrou que a decisão não foi unânime.

Desde que o BC americano elevou os juros, conforme esperado, os mercados reagiram de forma negativa porque entenderam que havia pouca preocupação com os impactos de altas adicionais sobre a economia americana e a desaceleração global.

A ata, somada à fala do presidente do Fed, Jerome Powell, indica agora a investidores que os membros do Fed estão, sim, preocupados e que podem se dar ao luxo de esperar antes de promover novas altas de juros.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Seria um negócio imobiliário bastante vantajoso. Cidade continuará recebendo navios de cruzeiro.


Cidade

“Tem que ver se não é um problema de gestão deles”, dispara referindo-se aos hoteleiros  


Opinião


Opinião

"Não tente enrolar um brasileiro divulgando uma coisa e entregando outra" 


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Expectativa de nova reforma da previdência leva Bolsa a fechar acima de 93 mil pontos

Valter Campanato/Agência Brasil
Paulo Guedes, ministro da Economia
Paulo Guedes, ministro da Economia
Quarta, 9/1/2019 19:30.

TÁSSIA KASTNER (FOLHAPRESS)

A Bolsa brasileira fechou em alta de mais de 1% nesta quarta-feira (9), acima dos 93 mil pontos pela primeira vez na história, embalada por notícias de reforma da Previdência mais dura e pelo otimismo de um acordo comercial entre Estados Unidos e China. O dólar recuou abaixo de R$ 3,70.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, ganhou 1,72%, a 93.613 pontos. O giro financeiro foi de R$ 16,5 bilhões. Desde a virada do ano, a Bolsa vem enfileirando recordes.

No pregão desta quarta, o índice é puxado pela valorização da Petrobras e da Vale, assim como papéis de concessionárias de rodovias, após o governo anunciar estudo para mudar o modelo de licitação de estradas.

Investidores locais estão otimistas com as notícias sobre a reforma da Previdência sob o governo Bolsonaro, porque consideram os termos mais abrangentes que o discutido sob o mandato de Michel Temer. Paulo Guedes, ministro da Economia, defendeu que o primeiro projeto já incluirá os termos para o regime de capitalização da Previdência.

"O foco na reforma da Previdência, assim como a busca de uma reforma mais abrangente, é positivo e bem recebido pelo mercado, mas o presidente ainda não viu a proposta ou bateu o martelo sobre o tema e mudanças ainda podem ocorrer, o que poderia suavizar a proposta antes da mesma ser enviada ao congresso", escreveu a XP em relatório.

A visão é compartilhada por Victor Candido, economista-chefe da Guide, também considera que os termos apresentados para a reforma até agora são bons, mas podem indicar espaço para desidratação futura.

Candido considera, porém, que o sinal é positivo, mas não seria suficiente para sustentar o mercado caso o exterior estivesse negativo.

O dia foi de otimismo disseminado no exterior com o fim da rodada de negociações e o anúncio, para breve, do que foi discutido entre Estados Unidos e China. Os dois países travam uma guerra comercial e o risco de recrudescimento da disputa havia deixado investidores receosos de uma desaceleração maior da economia global.

O possível acordo dá ânimos às Bolsas globais. As Bolsas europeias e asiáticas fecharam em alta, mesma direção seguida pelos principais índices americanos no final do pregão. O petróleo do tipo Brent subia acima de US$ 61 o barril, maior patamar em um mês.

O dólar caiu ante real, cotado a R$ 3,6890, no menor patamar desde 26 de outubro, véspera da eleição de Jair Bolsonaro (PSL). O dia foi favorável a emergentes: de 24 moedas desses países, 23 se valorizaram ante o dólar. O real é a segunda maior valorização do dia.

A moeda americana já havia fechado quando foi divulgada a ata da reunião do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), realizada em dezembro. O documento mostrou que os membros do BC americano defenderam paciência com altas adicionais de juros e mostrou que a decisão não foi unânime.

Desde que o BC americano elevou os juros, conforme esperado, os mercados reagiram de forma negativa porque entenderam que havia pouca preocupação com os impactos de altas adicionais sobre a economia americana e a desaceleração global.

A ata, somada à fala do presidente do Fed, Jerome Powell, indica agora a investidores que os membros do Fed estão, sim, preocupados e que podem se dar ao luxo de esperar antes de promover novas altas de juros.

Publicidade

Publicidade