Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Economia
Com dólar acima de R$ 4,25, leilão de linha em dia de Ptax soa como alerta do BC

Sexta, 31/1/2020 11:00.
Agência Brasil

Publicidade

Por Silvana Rocha

Depois de o dólar ter fechado a R$ 4,2574 - maior valor desde 27 de novembro - e estar acumulando alta de 6,12% neste mês, o Banco Central anunciou na noite desta quinta-feira, 30, a rolagem do vencimento de linha de 4 de abril, com leilão nesta sexta-feira de até US$ 3 bilhões. A operação ocorre neste último dia útil do mês, quando o mercado tradicionalmente tem a disputa técnica em torno da definição da última taxa Ptax de janeiro. A Ptax será divulgada depois das 13h e será usada na Segunda-feira (3) para a liquidação do dólar de fevereiro e os ajuste de contratos cambiais, de swap cambial e balanços corporativos.

Um operador do mercado de câmbio disse que não é usual o Banco Central fazer qualquer tipo de leilão em dia de disputa técnica para formação da taxa Ptax de fim de mês. "Leilão de linha não é usual em dia de disputa de ptax. Não é normal", comentou a fonte "Não entendi o comportamento do BC porque o fluxo cambial no mês está negativo e o valor total do vencimento é de US$ 3,350 bilhões em 4 de fevereiro, mas o BC vai rolar apenas US$ 3 bi, pouco mais de 90%. O impacto é zero na taxa de câmbio porque é rolagem. O BC deve ter tido alguma percepção de fluxo de entrada nas sessões anteriores para ter deixado para anunciar tão em cima da hora o leilão para hoje", avalia. "O efeito pratico é zero no cambio, não funciona como venda de dólar", afirma o mesmo profissional.

Para o diretor-superintendente da Correparti, Jefferson Rugik, a rolagem do vencimento de linha não interfere na taxa do dólar, mas ajuda a melhorar o dólar casado e a intenção do BC é só dar um recado ao mercado de que está de olho nos negócios e, se precisar, vai vender dólar no mercado à vista.

Na noite de Quarta-feira, 29, o BC anunciou que, a partir da próxima segunda-feira, dará início à rolagem integral dos contratos de swap cambial com vencimento em 1º de abril de 2020. Estão previstos o vencimento de 234.585 contratos nessa data, num montante equivalente a US$ 11,7 bilhões. Para o leilão de segunda, o BC informou que serão ofertados até 13 mil contratos (US$ 650 milhões), para os vencimentos de 3 de agosto de 2020, 1º de outubro de 2020 e 1º de dezembro de 2020. A oferta será das 11h30 às 11h40.

O fluxo cambial fica ainda no radar. A Eletrobras confirmou nesta quinta-feira uma captação de US$ 1,25 bilhão com títulos de dívida no exterior, conforme antecipou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

No exterior, o dólar tem viés de alta ante euro, iene e libra e sobe também em relação a divisas emergentes ligadas a commodities, com retomada da aversão a risco com o coronavírus. Na quinta-feira houve um alívio no fim do dia após a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar a questão do coronavírus como situação de emergência global, mas se posicionar contra a adoção de restrições a comércio ou viagens.

"A moeda americana segue forte porque a atividade manufatureira da China veio em linha com as projeções e não mostrou crescimento e, principalmente, o Coronavírus que leva os investidores a saírem das moedas emergentes ligadas às commodities e vão buscar a segurança no dólar americano", avalia Rugik.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Agência Brasil

Com dólar acima de R$ 4,25, leilão de linha em dia de Ptax soa como alerta do BC

Publicidade

Sexta, 31/1/2020 11:00.
Por Silvana Rocha

Depois de o dólar ter fechado a R$ 4,2574 - maior valor desde 27 de novembro - e estar acumulando alta de 6,12% neste mês, o Banco Central anunciou na noite desta quinta-feira, 30, a rolagem do vencimento de linha de 4 de abril, com leilão nesta sexta-feira de até US$ 3 bilhões. A operação ocorre neste último dia útil do mês, quando o mercado tradicionalmente tem a disputa técnica em torno da definição da última taxa Ptax de janeiro. A Ptax será divulgada depois das 13h e será usada na Segunda-feira (3) para a liquidação do dólar de fevereiro e os ajuste de contratos cambiais, de swap cambial e balanços corporativos.

Um operador do mercado de câmbio disse que não é usual o Banco Central fazer qualquer tipo de leilão em dia de disputa técnica para formação da taxa Ptax de fim de mês. "Leilão de linha não é usual em dia de disputa de ptax. Não é normal", comentou a fonte "Não entendi o comportamento do BC porque o fluxo cambial no mês está negativo e o valor total do vencimento é de US$ 3,350 bilhões em 4 de fevereiro, mas o BC vai rolar apenas US$ 3 bi, pouco mais de 90%. O impacto é zero na taxa de câmbio porque é rolagem. O BC deve ter tido alguma percepção de fluxo de entrada nas sessões anteriores para ter deixado para anunciar tão em cima da hora o leilão para hoje", avalia. "O efeito pratico é zero no cambio, não funciona como venda de dólar", afirma o mesmo profissional.

Para o diretor-superintendente da Correparti, Jefferson Rugik, a rolagem do vencimento de linha não interfere na taxa do dólar, mas ajuda a melhorar o dólar casado e a intenção do BC é só dar um recado ao mercado de que está de olho nos negócios e, se precisar, vai vender dólar no mercado à vista.

Na noite de Quarta-feira, 29, o BC anunciou que, a partir da próxima segunda-feira, dará início à rolagem integral dos contratos de swap cambial com vencimento em 1º de abril de 2020. Estão previstos o vencimento de 234.585 contratos nessa data, num montante equivalente a US$ 11,7 bilhões. Para o leilão de segunda, o BC informou que serão ofertados até 13 mil contratos (US$ 650 milhões), para os vencimentos de 3 de agosto de 2020, 1º de outubro de 2020 e 1º de dezembro de 2020. A oferta será das 11h30 às 11h40.

O fluxo cambial fica ainda no radar. A Eletrobras confirmou nesta quinta-feira uma captação de US$ 1,25 bilhão com títulos de dívida no exterior, conforme antecipou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

No exterior, o dólar tem viés de alta ante euro, iene e libra e sobe também em relação a divisas emergentes ligadas a commodities, com retomada da aversão a risco com o coronavírus. Na quinta-feira houve um alívio no fim do dia após a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar a questão do coronavírus como situação de emergência global, mas se posicionar contra a adoção de restrições a comércio ou viagens.

"A moeda americana segue forte porque a atividade manufatureira da China veio em linha com as projeções e não mostrou crescimento e, principalmente, o Coronavírus que leva os investidores a saírem das moedas emergentes ligadas às commodities e vão buscar a segurança no dólar americano", avalia Rugik.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade