Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Educação
Balneário Camboriú possui pelo menos 10 crianças diagnosticadas como superdotadas

Sexta, 8/11/2019 20:32.
Divulgação/PMBC
O novo espaço inaugurado

Publicidade

Renata Rutes

BalneárioCamboriú ganhou esta semana um Polo de Atendimento Especializado das Altas Habilidades/Superdotação, ligado ao Departamento de Educação Especial da Secretaria de Educação. O novo espaço fica na Rua Brusque, entre a Quinta e a Sexta Avenida, no Bairro dos Municípios. Inicialmente 10 alunos da rede municipal de ensino serão atendidos neste polo. Há outras 12 crianças que estão sendo avaliadas. A ideia é que em breve o local passe a receber também alunos de escolas da rede estadual e particular.

Segundo Sandra Hoffmann, que é diretora do departamento de Educação Especial da Secretaria de Educação (o Polo integra o setor), as 10 crianças diagnosticadas com altas habilidades/superdotação começarão a frequentar o Polo a partir de segunda-feira (11).

“Mas há outras 12 sendo avaliadas. Essas crianças passam por avaliação clínica e pedagógica, e normalmente tudo começa na escola. São os professores que olham e percebem quando a criança tem um envolvimento maior com uma área determinada (intelectual, acadêmica, de liderança ou arte) e indicam que pode ser alta habilidade”, explica.

Antes da inauguração as crianças já eram atendidas nas salas multifuncionais de suas escolas, e o Polo foi inaugurado exatamente para conseguir ampliar e desenvolver ainda mais esses talentos que as crianças possuem. Lá as crianças participam de oficinas em equipe, onde podem escolher qual atividade querem fazer.

“Na sala de aula fica difícil a professora trabalhar individualmente com essa criança especial, e no Polo poderemos fazer esse trabalho diferenciado, de forma mais intensa e focada. A nossa expectativa é a melhor possível, até porque é um direito do aluno ter essa suplementação de conteúdo”, afirma.

Sandra diz que as professoras que atuam no Polo são especialistas em Educação Especial e Altas Habilidades, sendo responsáveis por avaliar se as crianças possuem alta habilidade. Em caso positivo, elas serão encaminhadas ao Polo – caso a família permita, onde terão atividades no contraturno escolar de forma totalmente gratuita. Há avaliação neuropsicológica e por pediatras também.

“Há a possibilidade de termos muito mais, mas inicialmente vamos começar atendendo aos alunos da rede municipal. Estamos nos organizando para conseguir atender a todas as instituições de ensino da cidade, queremos abrir, tanto que já recebemos muitos pedidos de informações de escolas particulares”, acrescenta.

A sala equipada

Segundo a diretora, as crianças atendidas hoje pelo Polo são desde a educação infantil até o 9º ano, e não há questão social ou de gênero que define se a criança pode ser superdotada. “Não tem padrão, pode ser menino, menina. E temos que desmistificar essa questão social, independe de poder aquisitivo. A faixa social e econômica realmente não diferencia”, pontua.

Sandra completa falando que o caminho para os pais que suspeitam que seus filhos possam ter altas habilidades/superdotação é através da escola, que solicita avaliação junto ao Polo ou pela Secretaria de Educação.

Gabriel e Mateus são irmãos e superdotados

Mateus Andreata Faber, 8 anos, teclado…

E o irmão dele Gabriel Andreata Faber, 12 anos

Dentre as características observadas em crianças superdotadas estão elevada criatividade, grande envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de determinado interesse. Juliana Andreata Faber é mãe de dois alunos já diagnosticados. Gabriel e Mateus participaram da inauguração do Polo com uma apresentação musical.

“Com quatro anos eles já sabiam ler e escrever. Eles tinham problemas de comportamento na sala de aula e foi difícil detectar a superdotação. Descobrimos apenas ano passado, depois que iniciaram aulas de música e demonstraram facilidade na área. Por isso locais como o Polo são importantes nesse processo”, afirma.

Univali também

A Univali também possui um programa que acompanha crianças com altas habilidades, o Laboratório de Inovação Tecnológica na Educação (Lite), que atende toda a região. O Página 3 fez uma matéria lá em abril deste ano. Confira aqui. Nessa reportagem especial a secretária de Educação de Balneário, Rosangela Percegona, foi entrevistada e disse que abrir o Polo ‘era um sonho’.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação/PMBC
O novo espaço inaugurado
O novo espaço inaugurado

Balneário Camboriú possui pelo menos 10 crianças diagnosticadas como superdotadas

Publicidade

Sexta, 8/11/2019 20:32.
Renata Rutes

BalneárioCamboriú ganhou esta semana um Polo de Atendimento Especializado das Altas Habilidades/Superdotação, ligado ao Departamento de Educação Especial da Secretaria de Educação. O novo espaço fica na Rua Brusque, entre a Quinta e a Sexta Avenida, no Bairro dos Municípios. Inicialmente 10 alunos da rede municipal de ensino serão atendidos neste polo. Há outras 12 crianças que estão sendo avaliadas. A ideia é que em breve o local passe a receber também alunos de escolas da rede estadual e particular.

Segundo Sandra Hoffmann, que é diretora do departamento de Educação Especial da Secretaria de Educação (o Polo integra o setor), as 10 crianças diagnosticadas com altas habilidades/superdotação começarão a frequentar o Polo a partir de segunda-feira (11).

“Mas há outras 12 sendo avaliadas. Essas crianças passam por avaliação clínica e pedagógica, e normalmente tudo começa na escola. São os professores que olham e percebem quando a criança tem um envolvimento maior com uma área determinada (intelectual, acadêmica, de liderança ou arte) e indicam que pode ser alta habilidade”, explica.

Antes da inauguração as crianças já eram atendidas nas salas multifuncionais de suas escolas, e o Polo foi inaugurado exatamente para conseguir ampliar e desenvolver ainda mais esses talentos que as crianças possuem. Lá as crianças participam de oficinas em equipe, onde podem escolher qual atividade querem fazer.

“Na sala de aula fica difícil a professora trabalhar individualmente com essa criança especial, e no Polo poderemos fazer esse trabalho diferenciado, de forma mais intensa e focada. A nossa expectativa é a melhor possível, até porque é um direito do aluno ter essa suplementação de conteúdo”, afirma.

Sandra diz que as professoras que atuam no Polo são especialistas em Educação Especial e Altas Habilidades, sendo responsáveis por avaliar se as crianças possuem alta habilidade. Em caso positivo, elas serão encaminhadas ao Polo – caso a família permita, onde terão atividades no contraturno escolar de forma totalmente gratuita. Há avaliação neuropsicológica e por pediatras também.

“Há a possibilidade de termos muito mais, mas inicialmente vamos começar atendendo aos alunos da rede municipal. Estamos nos organizando para conseguir atender a todas as instituições de ensino da cidade, queremos abrir, tanto que já recebemos muitos pedidos de informações de escolas particulares”, acrescenta.

A sala equipada

Segundo a diretora, as crianças atendidas hoje pelo Polo são desde a educação infantil até o 9º ano, e não há questão social ou de gênero que define se a criança pode ser superdotada. “Não tem padrão, pode ser menino, menina. E temos que desmistificar essa questão social, independe de poder aquisitivo. A faixa social e econômica realmente não diferencia”, pontua.

Sandra completa falando que o caminho para os pais que suspeitam que seus filhos possam ter altas habilidades/superdotação é através da escola, que solicita avaliação junto ao Polo ou pela Secretaria de Educação.

Gabriel e Mateus são irmãos e superdotados

Mateus Andreata Faber, 8 anos, teclado…

E o irmão dele Gabriel Andreata Faber, 12 anos

Dentre as características observadas em crianças superdotadas estão elevada criatividade, grande envolvimento na aprendizagem e realização de tarefas em áreas de determinado interesse. Juliana Andreata Faber é mãe de dois alunos já diagnosticados. Gabriel e Mateus participaram da inauguração do Polo com uma apresentação musical.

“Com quatro anos eles já sabiam ler e escrever. Eles tinham problemas de comportamento na sala de aula e foi difícil detectar a superdotação. Descobrimos apenas ano passado, depois que iniciaram aulas de música e demonstraram facilidade na área. Por isso locais como o Polo são importantes nesse processo”, afirma.

Univali também

A Univali também possui um programa que acompanha crianças com altas habilidades, o Laboratório de Inovação Tecnológica na Educação (Lite), que atende toda a região. O Página 3 fez uma matéria lá em abril deste ano. Confira aqui. Nessa reportagem especial a secretária de Educação de Balneário, Rosangela Percegona, foi entrevistada e disse que abrir o Polo ‘era um sonho’.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade