Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Educação
Plano de Contingência Municipal para Educação quase pronto: escolas também estão se preparam

Sexta, 16/10/2020 8:26.
Divulgação/PMBC

Publicidade

O Comitê Municipal de Gerenciamento da Pandemia de Covid-19 de Balneário Camboriú está finalizando o Plano de Contingência Municipal para a Educação, uma das regras para o retorno das aulas presenciais nas redes particular e estadual, que foram liberadas no Estado. Porém, para que isso aconteça a região precisa estar em risco Alto (faixa amarela) ou Moderado (azul) para a contaminação de Covid-19, o que não é o caso de Balneário Camboriú, que na última semana retornou para o risco potencial Grave (laranja). Cada escola interessada em retornar deverá elaborar o seu próprio Plano, que será avaliado pelo Comitê Municipal.

PlanCon Municipal

A presidente do Comitê, Nilzete Teixeira, que é assessora da Secretaria de Educação, explica que desde o início do mês estão em contato com a comunidade escolar da cidade – principalmente as escolas particulares.

“Tivemos duas reuniões desde a criação do Comitê, e neste momento estamos fazendo a revisão final do Plancon Municipal. Estamos em processo de formação até segunda-feira (19), e então o enviaremos para aprovação do governo estadual”, conta.

O Comitê se dividiu em sete diretrizes, entre elas há a Sanitária, com membros da Defesa Civil e Secretaria de Saúde, além das que discutem as questões pedagógicas. Porém, cada item do Plancon Municipal será analisado em conjunto, para que todas as opiniões dos membros do Comitê sejam ouvidas.

Escolas estão elaborando os seus Planos

A presidente destaca que cada escola interessada em retomar as atividades presenciais está elaborando o seu plano. Em 1º de outubro foram repassadas à elas todas as normas necessárias, já que é preciso cautela se o retorno acontecer – e não será obrigatório, somente para pais que se sentirem seguros em liberarem seus filhos.

“Lembrando que uma das condições para o retorno é estarmos na faixa amarela, e ainda estamos na laranja. Mas já estamos preparando as unidades escolares para se adequarem e, se desejarem, voltarem seguros. Estamos trabalhando todos juntos, as normas são do Estado e quem irá averiguar cada escola será a Defesa Civil, Vigilância Sanitária, Secretaria de Saúde e polícias Civil e Militar”, acrescenta.

“Orientação é municipal, mas referência é estadual”

Nilzete lembra que a preocupação principal é com a vida, destacando que a questão da segurança da saúde precisa ser priorizada, por isso há tantas normas que os colégios precisam seguir.

“Os adultos quando retornarem para a faculdade, estarão muito conscientes com os cuidados necessários, mas as crianças e os adolescentes talvez não, por isso vejo com muito bons olhos todas as exigências que as organizações sanitárias estão fazendo. Lembrando que a orientação é municipal, mas a nossa referência é estadual”, diz, citando que a Portaria Estadual referente ao retorno especifica exigências já cogitando a contaminação de algum aluno ou de um funcionário.

“Se uma criança pegar Covid-19 toda a turma dela precisa ser isolada por 14 dias, e se um funcionário contrair, a escola toda precisa ser isolada, são muitas questões que precisam ser consideradas”, acrescenta.

O Comitê está trabalhando até nos finais de semana, porque o material é intenso e o tempo é pouco.

“Estamos tendo uma participação surpreendente, focando em adequar o decreto estadual para a nossa realidade, buscando informações, trocando ideais, com muito envolvimento com todos os membros que representam a comunidade escolar de Balneário Camboriú”, completa.

Rede municipal não voltará e estadual terá retorno gradual

As aulas presenciais da rede municipal de Balneário não retornarão neste ano, por decisão dos prefeitos da região da Amfri (Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí). Quando Balneário retornar para o risco potencial Alto (amarelo), as aulas da rede estadual retornarão de forma gradual, começando com reforço para os estudantes do terceiro ano do Ensino Médio – somente aqueles que possuírem autorização dos pais e que estão com média inferior a seis. Os alunos do segundo ano, também do Ensino Médio, devem retornar uma semana depois, até chegar ao sexto ano do Ensino Fundamental. Os anos iniciais (quinto ano para baixo) não devem ter atividades presenciais neste ano.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação/PMBC

Plano de Contingência Municipal para Educação quase pronto: escolas também estão se preparam

Publicidade

Sexta, 16/10/2020 8:26.

O Comitê Municipal de Gerenciamento da Pandemia de Covid-19 de Balneário Camboriú está finalizando o Plano de Contingência Municipal para a Educação, uma das regras para o retorno das aulas presenciais nas redes particular e estadual, que foram liberadas no Estado. Porém, para que isso aconteça a região precisa estar em risco Alto (faixa amarela) ou Moderado (azul) para a contaminação de Covid-19, o que não é o caso de Balneário Camboriú, que na última semana retornou para o risco potencial Grave (laranja). Cada escola interessada em retornar deverá elaborar o seu próprio Plano, que será avaliado pelo Comitê Municipal.

PlanCon Municipal

A presidente do Comitê, Nilzete Teixeira, que é assessora da Secretaria de Educação, explica que desde o início do mês estão em contato com a comunidade escolar da cidade – principalmente as escolas particulares.

“Tivemos duas reuniões desde a criação do Comitê, e neste momento estamos fazendo a revisão final do Plancon Municipal. Estamos em processo de formação até segunda-feira (19), e então o enviaremos para aprovação do governo estadual”, conta.

O Comitê se dividiu em sete diretrizes, entre elas há a Sanitária, com membros da Defesa Civil e Secretaria de Saúde, além das que discutem as questões pedagógicas. Porém, cada item do Plancon Municipal será analisado em conjunto, para que todas as opiniões dos membros do Comitê sejam ouvidas.

Escolas estão elaborando os seus Planos

A presidente destaca que cada escola interessada em retomar as atividades presenciais está elaborando o seu plano. Em 1º de outubro foram repassadas à elas todas as normas necessárias, já que é preciso cautela se o retorno acontecer – e não será obrigatório, somente para pais que se sentirem seguros em liberarem seus filhos.

“Lembrando que uma das condições para o retorno é estarmos na faixa amarela, e ainda estamos na laranja. Mas já estamos preparando as unidades escolares para se adequarem e, se desejarem, voltarem seguros. Estamos trabalhando todos juntos, as normas são do Estado e quem irá averiguar cada escola será a Defesa Civil, Vigilância Sanitária, Secretaria de Saúde e polícias Civil e Militar”, acrescenta.

“Orientação é municipal, mas referência é estadual”

Nilzete lembra que a preocupação principal é com a vida, destacando que a questão da segurança da saúde precisa ser priorizada, por isso há tantas normas que os colégios precisam seguir.

“Os adultos quando retornarem para a faculdade, estarão muito conscientes com os cuidados necessários, mas as crianças e os adolescentes talvez não, por isso vejo com muito bons olhos todas as exigências que as organizações sanitárias estão fazendo. Lembrando que a orientação é municipal, mas a nossa referência é estadual”, diz, citando que a Portaria Estadual referente ao retorno especifica exigências já cogitando a contaminação de algum aluno ou de um funcionário.

“Se uma criança pegar Covid-19 toda a turma dela precisa ser isolada por 14 dias, e se um funcionário contrair, a escola toda precisa ser isolada, são muitas questões que precisam ser consideradas”, acrescenta.

O Comitê está trabalhando até nos finais de semana, porque o material é intenso e o tempo é pouco.

“Estamos tendo uma participação surpreendente, focando em adequar o decreto estadual para a nossa realidade, buscando informações, trocando ideais, com muito envolvimento com todos os membros que representam a comunidade escolar de Balneário Camboriú”, completa.

Rede municipal não voltará e estadual terá retorno gradual

As aulas presenciais da rede municipal de Balneário não retornarão neste ano, por decisão dos prefeitos da região da Amfri (Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí). Quando Balneário retornar para o risco potencial Alto (amarelo), as aulas da rede estadual retornarão de forma gradual, começando com reforço para os estudantes do terceiro ano do Ensino Médio – somente aqueles que possuírem autorização dos pais e que estão com média inferior a seis. Os alunos do segundo ano, também do Ensino Médio, devem retornar uma semana depois, até chegar ao sexto ano do Ensino Fundamental. Os anos iniciais (quinto ano para baixo) não devem ter atividades presenciais neste ano.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade