Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Haddad diz que desbaratou esquema no Theatro Municipal do qual é acusado

Quinta, 9/8/2018 8:37.

ROGÉRIO GENTILE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um ano e sete meses após ser acusado pelo Ministério Público de improbidade administrativa por conta de desvios no Theatro Municipal de São Paulo, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) apresentou sua defesa à Justiça.
No documento, protocolado em 18 de julho, Haddad afirma que suas ações foram realizadas com o objetivo de sanear a instituição, ao contrário do que diz a Promotoria.

Na ação, os promotores Marcelo Milani e Nelson Luís Sampaio de Andrade pedem a suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito e exigem que os acusados, entre os quais o maestro John Neschling, devolvam aos cofres públicos R$ 129,7 milhões.

Segundo os promotores, na administração do petista, que deve disputar a Presidência em outubro diante da inelegibilidade do ex-presidente Lula, foi montada uma "trama" para desviar verbas públicas destinadas à área da cultura.

De acordo com a acusação, ao "arrepio da lei" e com o "aval de Haddad", uma organização social de "fachada" teria sido constituída para gerenciar o Theatro Municipal.

O então presidente da Fundação Theatro Municipal, José Luis Herencia, teria procurado o empresário Willian Nacked e solicitado a ele que criasse uma organização social, o IBGC (Instituto Brasileiro de Gestão Cultural), a fim de participar da concorrência.

"Desde o início já sabia que seria vencedor", disse Nacked no depoimento prestado ao Ministério Público com o objetivo de receber os benefícios da delação premiada. Segundo o empresário, Haddad teria avalizado a operação.

Informações financeiras, contábeis e econômicas do Theatro teriam, então, sido disponibilizadas a ele para que pudesse apresentar a melhor proposta na licitação.

Na defesa apresentada à Justiça, Haddad afirma que a acusação apoia-se em atos que não foram praticados por ele.

Declara, inclusive, que a Promotoria omitiu na ação trechos do depoimento em que o empresário afirma que nunca esteve com Haddad.
Ou seja, se não esteve com o prefeito, afirma a defesa, "ele nunca constatou a existência de nenhum aval".

De acordo com a acusação apresentada pelo Ministério Público, após a contratação do IBGC como gestor do Theatro, a organização social passou a emitir notas fiscais falsas para justificar a prestação de serviços não realizados e desviar recursos da instituição.

Herencia, então presidente da fundação Theatro Municipal, em seu acordo de colaboração premiada, relatou vários episódios. Citou, por exemplo, o projeto "Alma Brasileira", criado pelo maestro Neschling com o objetivo de propagar internacionalmente a música do compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos.

Mesmo com o pagamento de mais de R$ 1 milhão, nenhum espetáculo foi realizado. "O prefeito tinha total ciência do projeto", diz a Promotoria na acusação.

A defesa de Haddad afirma que os desvios praticados pela fundação e pela organização social não são de responsabilidade do prefeito.
"Não há, em qualquer momento da peça de acusação, a descrição de uma única conduta que possa ser interpretada como causa para desvios e irregularidades."

Haddad afirma que seu comando, na verdade, foi fundamental para o desbaratamento do esquema de corrupção e a recuperação dos recursos desviados. As investigações da promotoria teriam sido alimentadas por uma auditoria realizada pela Controladoria Geral do Município por sua determinação.

"[Haddad] tomou todas as decisões que estavam ao seu alcance no sentido de apurar os desvios, identificar responsáveis e buscar a reparação dos danos", afirma a defesa.

À Justiça o maestro John Neschling disse que as acusações são "inverdades criadas pelos delatores" e reclama que o Ministério Público, "mesmo sem provas idôneas, deu crédito à palavra de "criminosos confessos", mas não deu ouvidos às declarações dos demais investigados.

Segundo ele, acuados pelas investigações, os delatores "não encontraram outra saída que não fosse criar uma "estória de conluio". "São acusações injustas e premeditas", afirmou o maestro à Justiça.

As investigações no Theatro Municipal

  • Segundo o Ministério Público, R$ 129,7 milhões foram desviados
  • Uma organização social de fachada teria sido criada e contratada ilegalmente para gerir a Fundação Theatro Municipal
  • A organização teria a emitido notas fiscais falsas para justificar a prestação de serviços não realizados
  • Haddad deu aval operação, segundo a acusação
  • A Promotoria acusa Haddad de improbidade administrativa e pede a suspensão de seus direitos políticos
  • Haddad diz que a acusação apoia-se em atos que ele não praticou e que ele atuou para desbaratar esquema

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Abastecimento continua ameaçado economize água


Justiça

Ele considera ilegal a lei municipal que permitiu o empreendimento 


Variedades

Escolha por voto popular contou com participação de sete mil pessoas


Rapidinhas


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Haddad diz que desbaratou esquema no Theatro Municipal do qual é acusado

Quinta, 9/8/2018 8:37.

ROGÉRIO GENTILE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um ano e sete meses após ser acusado pelo Ministério Público de improbidade administrativa por conta de desvios no Theatro Municipal de São Paulo, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) apresentou sua defesa à Justiça.
No documento, protocolado em 18 de julho, Haddad afirma que suas ações foram realizadas com o objetivo de sanear a instituição, ao contrário do que diz a Promotoria.

Na ação, os promotores Marcelo Milani e Nelson Luís Sampaio de Andrade pedem a suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito e exigem que os acusados, entre os quais o maestro John Neschling, devolvam aos cofres públicos R$ 129,7 milhões.

Segundo os promotores, na administração do petista, que deve disputar a Presidência em outubro diante da inelegibilidade do ex-presidente Lula, foi montada uma "trama" para desviar verbas públicas destinadas à área da cultura.

De acordo com a acusação, ao "arrepio da lei" e com o "aval de Haddad", uma organização social de "fachada" teria sido constituída para gerenciar o Theatro Municipal.

O então presidente da Fundação Theatro Municipal, José Luis Herencia, teria procurado o empresário Willian Nacked e solicitado a ele que criasse uma organização social, o IBGC (Instituto Brasileiro de Gestão Cultural), a fim de participar da concorrência.

"Desde o início já sabia que seria vencedor", disse Nacked no depoimento prestado ao Ministério Público com o objetivo de receber os benefícios da delação premiada. Segundo o empresário, Haddad teria avalizado a operação.

Informações financeiras, contábeis e econômicas do Theatro teriam, então, sido disponibilizadas a ele para que pudesse apresentar a melhor proposta na licitação.

Na defesa apresentada à Justiça, Haddad afirma que a acusação apoia-se em atos que não foram praticados por ele.

Declara, inclusive, que a Promotoria omitiu na ação trechos do depoimento em que o empresário afirma que nunca esteve com Haddad.
Ou seja, se não esteve com o prefeito, afirma a defesa, "ele nunca constatou a existência de nenhum aval".

De acordo com a acusação apresentada pelo Ministério Público, após a contratação do IBGC como gestor do Theatro, a organização social passou a emitir notas fiscais falsas para justificar a prestação de serviços não realizados e desviar recursos da instituição.

Herencia, então presidente da fundação Theatro Municipal, em seu acordo de colaboração premiada, relatou vários episódios. Citou, por exemplo, o projeto "Alma Brasileira", criado pelo maestro Neschling com o objetivo de propagar internacionalmente a música do compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos.

Mesmo com o pagamento de mais de R$ 1 milhão, nenhum espetáculo foi realizado. "O prefeito tinha total ciência do projeto", diz a Promotoria na acusação.

A defesa de Haddad afirma que os desvios praticados pela fundação e pela organização social não são de responsabilidade do prefeito.
"Não há, em qualquer momento da peça de acusação, a descrição de uma única conduta que possa ser interpretada como causa para desvios e irregularidades."

Haddad afirma que seu comando, na verdade, foi fundamental para o desbaratamento do esquema de corrupção e a recuperação dos recursos desviados. As investigações da promotoria teriam sido alimentadas por uma auditoria realizada pela Controladoria Geral do Município por sua determinação.

"[Haddad] tomou todas as decisões que estavam ao seu alcance no sentido de apurar os desvios, identificar responsáveis e buscar a reparação dos danos", afirma a defesa.

À Justiça o maestro John Neschling disse que as acusações são "inverdades criadas pelos delatores" e reclama que o Ministério Público, "mesmo sem provas idôneas, deu crédito à palavra de "criminosos confessos", mas não deu ouvidos às declarações dos demais investigados.

Segundo ele, acuados pelas investigações, os delatores "não encontraram outra saída que não fosse criar uma "estória de conluio". "São acusações injustas e premeditas", afirmou o maestro à Justiça.

As investigações no Theatro Municipal

  • Segundo o Ministério Público, R$ 129,7 milhões foram desviados
  • Uma organização social de fachada teria sido criada e contratada ilegalmente para gerir a Fundação Theatro Municipal
  • A organização teria a emitido notas fiscais falsas para justificar a prestação de serviços não realizados
  • Haddad deu aval operação, segundo a acusação
  • A Promotoria acusa Haddad de improbidade administrativa e pede a suspensão de seus direitos políticos
  • Haddad diz que a acusação apoia-se em atos que ele não praticou e que ele atuou para desbaratar esquema

Publicidade

Publicidade