Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

'Decisão do voto é lá na frente', diz Alckmin sobre Datafolha
Photopremium/Folhapress.

Segunda, 11/6/2018 14:05.

GÉSSICA BRANDINO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) minimizou o resultado da pesquisa Datafolha em que aparece com 7% das intenções de voto. Em entrevista a jornalistas nesta segunda-feira (11), em Sergipe, o ex-governador de São Paulo atribuiu o desempenho à fragmentação de candidaturas e afirmou que o voto do eleitor será definido durante a campanha.

"As pessoas às vezes se impressionam com pesquisa eleitoral, mas pesquisa neste momento não retrata intenção de voto, porque a maioria do eleitorado nem sabe ainda quem são todos os candidatos", disse o pré-candidato.

Alckmin citou como exemplo o primeiro turno das eleições para mandato tampão no estado do Tocantins no início do mês, após a cassação do mandato do ex-governador Marcelo Miranda (MBD) por caixa dois na campanha de 2014.

O ex-prefeito de Palmas Amastha (PSB) e a senadora e ex-ministra da agricultura Kátia Abreu (PDT) apareciam liderando as pesquisas de intenção de voto no estado, mas ficaram de fora do segundo turno, exemplificou o tucano.

"Isso mostra que a decisão do voto é lá na frente, o que é uma prova de amadurecimento do eleitor", afirmou, comentando o mau desempenho da economia no país, a perda da renda e queda do PIB, que segundo ele têm feito o eleitor comparar as propostas dos candidatos e avaliar o voto mais adiante. Por isso, o momento agora é para percorrer o país.

Questionado sobre a investigação sobre suspeita de uso de caixa dois durante a campanha em 2014, o tucano argumentou que não foi denunciado pela Justiça e que a única informação contra ele vem de uma delação, a qual ele já respondeu.

"Não tenho só a ficha limpa. Tenho a vida limpa", declarou, citando que não enriqueceu ao longo da carreira como político e que tem o mesmo patrimônio da época em que foi prefeito na cidade de Pindamonhangaba, no interior de São Paulo. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

'Decisão do voto é lá na frente', diz Alckmin sobre Datafolha

Photopremium/Folhapress.
Segunda, 11/6/2018 14:05.

GÉSSICA BRANDINO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) minimizou o resultado da pesquisa Datafolha em que aparece com 7% das intenções de voto. Em entrevista a jornalistas nesta segunda-feira (11), em Sergipe, o ex-governador de São Paulo atribuiu o desempenho à fragmentação de candidaturas e afirmou que o voto do eleitor será definido durante a campanha.

"As pessoas às vezes se impressionam com pesquisa eleitoral, mas pesquisa neste momento não retrata intenção de voto, porque a maioria do eleitorado nem sabe ainda quem são todos os candidatos", disse o pré-candidato.

Alckmin citou como exemplo o primeiro turno das eleições para mandato tampão no estado do Tocantins no início do mês, após a cassação do mandato do ex-governador Marcelo Miranda (MBD) por caixa dois na campanha de 2014.

O ex-prefeito de Palmas Amastha (PSB) e a senadora e ex-ministra da agricultura Kátia Abreu (PDT) apareciam liderando as pesquisas de intenção de voto no estado, mas ficaram de fora do segundo turno, exemplificou o tucano.

"Isso mostra que a decisão do voto é lá na frente, o que é uma prova de amadurecimento do eleitor", afirmou, comentando o mau desempenho da economia no país, a perda da renda e queda do PIB, que segundo ele têm feito o eleitor comparar as propostas dos candidatos e avaliar o voto mais adiante. Por isso, o momento agora é para percorrer o país.

Questionado sobre a investigação sobre suspeita de uso de caixa dois durante a campanha em 2014, o tucano argumentou que não foi denunciado pela Justiça e que a única informação contra ele vem de uma delação, a qual ele já respondeu.

"Não tenho só a ficha limpa. Tenho a vida limpa", declarou, citando que não enriqueceu ao longo da carreira como político e que tem o mesmo patrimônio da época em que foi prefeito na cidade de Pindamonhangaba, no interior de São Paulo. 

Publicidade

Publicidade