Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Júnior Pavan encara seu resultado como "grande experiência política"
Divulgação
Junior Pavan, após o voto, com os filhos Leo e Valentini

Quarta, 10/10/2018 10:06.

O candidato a deputado federal Júnior Pavan (PSDB), analisou como satisfatória e de grande experiência política sua primeira campanha, embora não tenha sido eleito.

Júnior conquistou 14.224 votos, sendo 5.807 deles só em Balneário Camboriú.

Em nota Júnior lamentou que apesar dos apelos pela valorização do voto regional, mais uma vez, foi significativa a votação de diversos candidatos de fora da região da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (Amfri).

Júnior exemplificou o caso de Balneário Camboriú, citando dados do Jornal Página 3, onde dos 71mil e 402 votos apurados a deputado federal, quase 50 mil foram dados a candidatos de fora da cidade, ainda que distribuídos em pequenas quantidades para cada.

“É direito democrático a disputa de votos em qualquer região do Estado, mas a vantagem de votar em mais candidatos de nossa região, independente de partido, se justifica pelo conhecimento das necessidades e realidade local, além da possibilidade de cobrança das promessas e propostas”, observou.

O candidato, por outro lado, agradeceu o apoio e os votos recebidos, destacando que a campanha trouxe grande experiência e conhecimento pelos contatos e reuniões nas diversas regiões do estado.

“O trabalho irá continuar. Foi uma campanha alegre, limpa e propositiva, agregando, fazendo novos amigos”, observou, antecipando ainda que neste segundo turno presidencial seu apoio e voto será para o candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

“O momento continua sendo de grande responsabilidade. O resultado geral das urnas mostrou que o Brasil quer mudanças. Não podemos correr o risco de retrocesso, de voltar ao passado”, justificou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Esportes

Cidade sediará a decisão do Brasileiro Juvenil Feminino e da Liga SC


Educação

Estudantes que pretendem ser professores tiveram desempenho abaixo da média no Pisa


Esportes

E tem chance de mais medalhas neste domingo  


Esportes


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Júnior Pavan encara seu resultado como "grande experiência política"

Divulgação
Junior Pavan, após o voto, com os filhos Leo e Valentini
Junior Pavan, após o voto, com os filhos Leo e Valentini
Quarta, 10/10/2018 10:06.

O candidato a deputado federal Júnior Pavan (PSDB), analisou como satisfatória e de grande experiência política sua primeira campanha, embora não tenha sido eleito.

Júnior conquistou 14.224 votos, sendo 5.807 deles só em Balneário Camboriú.

Em nota Júnior lamentou que apesar dos apelos pela valorização do voto regional, mais uma vez, foi significativa a votação de diversos candidatos de fora da região da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (Amfri).

Júnior exemplificou o caso de Balneário Camboriú, citando dados do Jornal Página 3, onde dos 71mil e 402 votos apurados a deputado federal, quase 50 mil foram dados a candidatos de fora da cidade, ainda que distribuídos em pequenas quantidades para cada.

“É direito democrático a disputa de votos em qualquer região do Estado, mas a vantagem de votar em mais candidatos de nossa região, independente de partido, se justifica pelo conhecimento das necessidades e realidade local, além da possibilidade de cobrança das promessas e propostas”, observou.

O candidato, por outro lado, agradeceu o apoio e os votos recebidos, destacando que a campanha trouxe grande experiência e conhecimento pelos contatos e reuniões nas diversas regiões do estado.

“O trabalho irá continuar. Foi uma campanha alegre, limpa e propositiva, agregando, fazendo novos amigos”, observou, antecipando ainda que neste segundo turno presidencial seu apoio e voto será para o candidato do PSL, Jair Bolsonaro.

“O momento continua sendo de grande responsabilidade. O resultado geral das urnas mostrou que o Brasil quer mudanças. Não podemos correr o risco de retrocesso, de voltar ao passado”, justificou.

Publicidade

Publicidade