Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Bolsonaro anuncia três ministros, critica a mídia e reafirma bandeiras
Fabio Rodrigo Pozzebom/AB.

Sexta, 12/10/2018 7:43.

IGOR GIELOW, TALITA FERNANDES E SERGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez nesta quinta (11) seu primeiro evento de campanha do segundo turno, no qual anunciou três ministros, criticou a mídia e reafirmou bandeiras polêmicas.

Um dos nomes a compor seu eventual governo já havia sido confirmado anteriormente, o economista Paulo Guedes, que comandará a fusão da Fazenda com o Planejamento.

Os outros dois eram especulados, mas não confirmados. Uma Casa Civil sob Bolsonaro será ocupada pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Ligado à bancada ruralista, Onyx (pronuncia-se oníx) é conhecido por sua retórica anti-PT, exercitada desde os tempos da CPI dos Correios, que apurou o mensalão.

Aproximou-se de Bolsonaro e desde o ano passado ajuda a costurar apoios suprapartidários a ele na Câmara.

A Defesa ficará com o general da reserva Augusto Heleno, seu colaborador que quase ocupou a vice na chapa. Informado pela reportagem sobre o anúncio, o militar desconversou: "Não sabia de nada".

Bolsonaro falou por cerca de 20 minutos num salão com integrantes da bancada federal eleita pelo PSL –52 deputados e 4 senadores. Pediu prioridade à eleição presidencial. Segundo o Datafolha, ele tem 58% das intenções de votos válidos, contra 42% de Fernando Haddad (PT).

O encontro foi transmitido pela internet pela deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP). Nele, o deputado repassou o roteiro de ação.

"Muito cuidado ao falar com a mídia. Eles querem pegar uma frase sua, uma escorregada, para me atacar. Recomendamos até, se for o caso, nem falar. Grande parte da mídia é de esquerda e quer arranjar meios para me desgastar", afirmou.

"O atentado [a faca que sofreu no dia 6] é porque nós sim somos um perigo, não para a democracia, mas um perigo para os que teimam em não ser brasileiros", disse.

Criticado por adversários pela ausência em debates, alegando recuperação médica da facada que recebeu, Bolsonaro demonstrou boa disposição.

Ficou de pé e até gritou palavras de ordem. Concedeu depois uma entrevista coletiva de 25 minutos na qual afirmou que poderá não ir mais a debate por "estratégia".

Ele disse aos aliados que eles não devem querer "agradar a todos". E voltou a defender bandeiras polêmicas, como a ampliação do posse e do porte de armas de fogo como forma de combater a violência.

Também criticou Haddad. Disse que se for questionado pelo petista sobre o que fez nos 28 anos como deputado, dirá que "não roubou" como os outros.

Instado por apoiadores nordestinos a falar sobre a região, a única na qual perdeu o primeiro turno, disparou contra partidos esquerdistas.

"Vamos libertar esses estados dessas doenças comunistas. Lá tem gente que vota no PT, no PC do B, mas que não tem noção do que estão fazendo, foram doutrinadas. Vamos resgatar essas pessoas."

Falando sobre o Amazonas, afirmou que irá "acabar com o fantasma do triplo A". Constando de várias teorias conspiratórias sobre desígnios americanos para tomar recursos naturais na América do Sul, publicadas inclusive num post de Bolsonaro de 2015, o triplo A é uma faixa que liga o Atlântico aos Andes, passando pela Amazônia.

Bolsonaro repetiu que "o futuro ministro da Agricultura e do Meio Ambiente" irá sanar divergências entre as duas áreas e criticou reservas indígenas. "Índio tem de ser gente como a gente", afirmou.

Bolsonaro brincou com sua fama de homofóbico e racista. Primeiro, chamou ao palco o deputado eleito Helio Bolsonaro, que foi o mais votado no Rio de Janeiro e é negro. Depois, perguntou: "Tem algum gay aqui? É bem-vindo".

Nisso, uma apoiadora que mora nos EUA e que ele já conhecia há "três ou quatro anos", chamada Carol, se apresentou e pediu um abraço. "Meu beijo cura, hein? Quer um beijo meu?", disse. Eles se beijaram e abraçaram.

Na sequência, disse que "nós só não queremos que certos conteúdos cheguem para crianças na escola".

A entrevista coletiva foi cercada por forte segurança. Quando a organização anunciou que a Folha de S.Paulo faria perguntas, a claque presente reagiu com vaias e foi repreendida pelo presidente interino do PSL, Gustavo Bebianno.

"Pessoal, olha só, vamos respeitar a liberdade de imprensa. Vamos respeitar as diferentes linhas editoriais que existem, isso se chama democracia. Estamos aqui para chegar ao poder pela via democrática, sem hostilizações."

Bolsonaro criticou o jornal por reportagem sobre uma funcionária fantasma de seu gabinete. "Humilharam uma senhora, filha de negros, num local pobre", disse.

O candidato, que havia questionado no Twitter a versão de que um capoeirista foi morto domingo (7) numa discussão em que criticou Bolsonaro dizendo "Imprensa lixo!", disse lamentar o incidente. "Não fique nesse fake news como se o meu pessoal disseminasse o ódio.

Agora, quem levou a facada fui eu", afirmou.

DEBATES

Desde que recebeu alta no dia 29 de setembro, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) fez sete transmissões ao vivo nas redes sociais, deu nove entrevistas, gravou programas eleitorais e participou de um evento no Rio.

O candidato, porém, declinou do convite para participar de quatro debates marcados para o segundo turno.

Médicos ouvidos pela reportagem dizem que o ataque sofrido pelo presidenciável e as cirurgias pelas quais ele passou foram graves, e que cada paciente evolui de um jeito.

Sob reserva, eles afirmam que atividades como as executadas pelo candidato e uma eventual participação em debates não trazem grande chance de complicações.

Não há risco de infecção ou abertura de pontos. Estresse só seria contraindicado a um paciente cardíaco.

Em casos semelhantes, costuma-se recomendar o chamado repouso ativo, ou seja, o paciente não deve carregar peso ou fazer força, mas deve adotar atividades leves até para evitar riscos como o de tromboembolismo. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Esportes

Cidade sediará a decisão do Brasileiro Juvenil Feminino e da Liga SC


Educação

Estudantes que pretendem ser professores tiveram desempenho abaixo da média no Pisa


Esportes

E tem chance de mais medalhas neste domingo  


Esportes


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Bolsonaro anuncia três ministros, critica a mídia e reafirma bandeiras

Fabio Rodrigo Pozzebom/AB.
Sexta, 12/10/2018 7:43.

IGOR GIELOW, TALITA FERNANDES E SERGIO RANGEL
RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez nesta quinta (11) seu primeiro evento de campanha do segundo turno, no qual anunciou três ministros, criticou a mídia e reafirmou bandeiras polêmicas.

Um dos nomes a compor seu eventual governo já havia sido confirmado anteriormente, o economista Paulo Guedes, que comandará a fusão da Fazenda com o Planejamento.

Os outros dois eram especulados, mas não confirmados. Uma Casa Civil sob Bolsonaro será ocupada pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Ligado à bancada ruralista, Onyx (pronuncia-se oníx) é conhecido por sua retórica anti-PT, exercitada desde os tempos da CPI dos Correios, que apurou o mensalão.

Aproximou-se de Bolsonaro e desde o ano passado ajuda a costurar apoios suprapartidários a ele na Câmara.

A Defesa ficará com o general da reserva Augusto Heleno, seu colaborador que quase ocupou a vice na chapa. Informado pela reportagem sobre o anúncio, o militar desconversou: "Não sabia de nada".

Bolsonaro falou por cerca de 20 minutos num salão com integrantes da bancada federal eleita pelo PSL –52 deputados e 4 senadores. Pediu prioridade à eleição presidencial. Segundo o Datafolha, ele tem 58% das intenções de votos válidos, contra 42% de Fernando Haddad (PT).

O encontro foi transmitido pela internet pela deputada federal eleita Joice Hasselmann (PSL-SP). Nele, o deputado repassou o roteiro de ação.

"Muito cuidado ao falar com a mídia. Eles querem pegar uma frase sua, uma escorregada, para me atacar. Recomendamos até, se for o caso, nem falar. Grande parte da mídia é de esquerda e quer arranjar meios para me desgastar", afirmou.

"O atentado [a faca que sofreu no dia 6] é porque nós sim somos um perigo, não para a democracia, mas um perigo para os que teimam em não ser brasileiros", disse.

Criticado por adversários pela ausência em debates, alegando recuperação médica da facada que recebeu, Bolsonaro demonstrou boa disposição.

Ficou de pé e até gritou palavras de ordem. Concedeu depois uma entrevista coletiva de 25 minutos na qual afirmou que poderá não ir mais a debate por "estratégia".

Ele disse aos aliados que eles não devem querer "agradar a todos". E voltou a defender bandeiras polêmicas, como a ampliação do posse e do porte de armas de fogo como forma de combater a violência.

Também criticou Haddad. Disse que se for questionado pelo petista sobre o que fez nos 28 anos como deputado, dirá que "não roubou" como os outros.

Instado por apoiadores nordestinos a falar sobre a região, a única na qual perdeu o primeiro turno, disparou contra partidos esquerdistas.

"Vamos libertar esses estados dessas doenças comunistas. Lá tem gente que vota no PT, no PC do B, mas que não tem noção do que estão fazendo, foram doutrinadas. Vamos resgatar essas pessoas."

Falando sobre o Amazonas, afirmou que irá "acabar com o fantasma do triplo A". Constando de várias teorias conspiratórias sobre desígnios americanos para tomar recursos naturais na América do Sul, publicadas inclusive num post de Bolsonaro de 2015, o triplo A é uma faixa que liga o Atlântico aos Andes, passando pela Amazônia.

Bolsonaro repetiu que "o futuro ministro da Agricultura e do Meio Ambiente" irá sanar divergências entre as duas áreas e criticou reservas indígenas. "Índio tem de ser gente como a gente", afirmou.

Bolsonaro brincou com sua fama de homofóbico e racista. Primeiro, chamou ao palco o deputado eleito Helio Bolsonaro, que foi o mais votado no Rio de Janeiro e é negro. Depois, perguntou: "Tem algum gay aqui? É bem-vindo".

Nisso, uma apoiadora que mora nos EUA e que ele já conhecia há "três ou quatro anos", chamada Carol, se apresentou e pediu um abraço. "Meu beijo cura, hein? Quer um beijo meu?", disse. Eles se beijaram e abraçaram.

Na sequência, disse que "nós só não queremos que certos conteúdos cheguem para crianças na escola".

A entrevista coletiva foi cercada por forte segurança. Quando a organização anunciou que a Folha de S.Paulo faria perguntas, a claque presente reagiu com vaias e foi repreendida pelo presidente interino do PSL, Gustavo Bebianno.

"Pessoal, olha só, vamos respeitar a liberdade de imprensa. Vamos respeitar as diferentes linhas editoriais que existem, isso se chama democracia. Estamos aqui para chegar ao poder pela via democrática, sem hostilizações."

Bolsonaro criticou o jornal por reportagem sobre uma funcionária fantasma de seu gabinete. "Humilharam uma senhora, filha de negros, num local pobre", disse.

O candidato, que havia questionado no Twitter a versão de que um capoeirista foi morto domingo (7) numa discussão em que criticou Bolsonaro dizendo "Imprensa lixo!", disse lamentar o incidente. "Não fique nesse fake news como se o meu pessoal disseminasse o ódio.

Agora, quem levou a facada fui eu", afirmou.

DEBATES

Desde que recebeu alta no dia 29 de setembro, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) fez sete transmissões ao vivo nas redes sociais, deu nove entrevistas, gravou programas eleitorais e participou de um evento no Rio.

O candidato, porém, declinou do convite para participar de quatro debates marcados para o segundo turno.

Médicos ouvidos pela reportagem dizem que o ataque sofrido pelo presidenciável e as cirurgias pelas quais ele passou foram graves, e que cada paciente evolui de um jeito.

Sob reserva, eles afirmam que atividades como as executadas pelo candidato e uma eventual participação em debates não trazem grande chance de complicações.

Não há risco de infecção ou abertura de pontos. Estresse só seria contraindicado a um paciente cardíaco.

Em casos semelhantes, costuma-se recomendar o chamado repouso ativo, ou seja, o paciente não deve carregar peso ou fazer força, mas deve adotar atividades leves até para evitar riscos como o de tromboembolismo. 

Publicidade

Publicidade