Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Audiência cai até 26% durante horário eleitoral nas emissoras de televisão
Reprodução.

Quinta, 13/9/2018 6:22.

GUSTAVO FIORATTI E PAULO PASSOS
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O horário eleitoral, iniciado no dia 31 de agosto, provocou queda na audiência da TV aberta nas faixas em que é exibido, entre 13h e 13h25 e entre 20h30 e 20h55.

Na semana anterior ao início do programa obrigatório, a média no mercado nacional do primeiro horário, às 13h, nas cinco emissora nacionais de maior audiência -Globo, Record, Rede TV!, SBT e Band- foi de 32,7 pontos. Já na primeira semana com a propaganda, ela ficou em 24,2 pontos, uma queda de 26%.

Os dados são do Ibope. Cada ponto equivale a 693,7 mil espectadores em todo o Brasil.

No horário noturno, entre 20h30 e 20h55, a queda foi menor em valores percentuais. A semana anterior à estreia da propaganda política registrou audiência de 50,9 pontos, somadas as emissoras. Quando o horário eleitoral começou, o número foi a 39,6, uma queda de 22%.

Líder de audiência na televisão brasileira, a Globo registra redução assim que o programa eleitoral surge na tela. Entre a novela das sete "O Tempo Não Para" e o programa, considerando período entre 3 e 8 de setembro, houve queda de quatro pontos. Caiu de 25 para 21 pontos (16%).

Na hora do almoço, entre o programa Globo Esporte e a exibição das campanhas para presidente, governador, senadores e deputados, perdeu-se também quatro pontos, queda de 14 para 10.

"Uma queda inicial na audiência durante o horário eleitoral é normal. Mas isso não tira a importância da televisão na eleição", afirma Felipe Borba, cientista político e professor da Unirio. "Historicamente, o interesse pelo horário eleitoral é progressivo. Ao longo da eleição costuma aumentar", completa.

Borba argumenta que ainda é grande o número de pessoas no Brasil que tem apenas a televisão como fonte de informação. "Principalmente o eleitor de baixa renda e baixa escolaridade não tem outras fontes de informação", afirma o cientista político.

Na primeira semana com a propaganda eleitoral, as emissoras de televisão aberta perderam participação no share, fatia de audiência em comparação com os canais pagos. Houve um aumento de até 47% na participação nas emissoras da TV a cabo nessa divisão.

Os canais da TV paga não exibem os blocos do horário eleitoral nem as inserções de propaganda que entram nas emissoras de televisão aberta.

Obrigadas a exibir a propaganda política, as emissoras abertas podem pedir ressarcimento do horário disponibilizado. A restituição é feita com compensação fiscal, elas deixam de pagar impostos para compensar o horário cedido.

Transmitidos desde o dia 31 de agosto, os blocos do horário eleitoral são exibidos de segunda-feira a sábado.

Nas terças, quintas e sábados são transmitidos os programas dos candidatos à Presidência da República e deputados federais. As propagandas de quem disputa vagas de deputados estadual, senador e governador entram nas sextas, segundas e quartas.

Além dos blocos, todos os candidatos têm direitos ainda a inserções de 30 segundas cada nas programações de televisão e rádio.

Segundo pesquisa Datafolha, do dia 10 de setembro, 64% dos eleitores afirmaram que assistiram ao horário eleitoral gratuito dos candidatos à Presidência da República.

O levantamento aponta também que a maioria da população dá importância ao horário eleitoral para a definição do voto.

Pelo menos 38% dos eleitores afirmam ser muito importante a propaganda obrigatória na televisão. Já 28% dos entrevistados dizem que os programas exibidos são "um pouco importante". Outros 35% dizem não dar importância.

Quem dá mais relevância aos programas televisivos são os eleitores com grau mais baixo de escolaridade (sobe para 42%), de menor renda (42%) e nas regiões Norte (43%) e Nordeste (46%), segundo o Datafolha.

Os eleitores que mais valorizam o horário eleitoral são os que apontam preferência por Marina (47%) e Alckmin (43%), Ciro (40%) e Haddad (40%). Entre os que votam em Bolsonaro, cai para 33%. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

20 são em uma lojas de fast food Burguer King  


Justiça

Acusado diz que falará primeiro com seu advogado antes de se manifestar. Ele foi penalizado com advertência.


Cidade

Esta é uma das últimas etapas para obtenção da Bandeira Azul


Cidade

Lei municipal que favorecia os consumidores foi derrubada pelo Supremo 


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Audiência cai até 26% durante horário eleitoral nas emissoras de televisão

Reprodução.

GUSTAVO FIORATTI E PAULO PASSOS
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O horário eleitoral, iniciado no dia 31 de agosto, provocou queda na audiência da TV aberta nas faixas em que é exibido, entre 13h e 13h25 e entre 20h30 e 20h55.

Na semana anterior ao início do programa obrigatório, a média no mercado nacional do primeiro horário, às 13h, nas cinco emissora nacionais de maior audiência -Globo, Record, Rede TV!, SBT e Band- foi de 32,7 pontos. Já na primeira semana com a propaganda, ela ficou em 24,2 pontos, uma queda de 26%.

Os dados são do Ibope. Cada ponto equivale a 693,7 mil espectadores em todo o Brasil.

No horário noturno, entre 20h30 e 20h55, a queda foi menor em valores percentuais. A semana anterior à estreia da propaganda política registrou audiência de 50,9 pontos, somadas as emissoras. Quando o horário eleitoral começou, o número foi a 39,6, uma queda de 22%.

Líder de audiência na televisão brasileira, a Globo registra redução assim que o programa eleitoral surge na tela. Entre a novela das sete "O Tempo Não Para" e o programa, considerando período entre 3 e 8 de setembro, houve queda de quatro pontos. Caiu de 25 para 21 pontos (16%).

Na hora do almoço, entre o programa Globo Esporte e a exibição das campanhas para presidente, governador, senadores e deputados, perdeu-se também quatro pontos, queda de 14 para 10.

"Uma queda inicial na audiência durante o horário eleitoral é normal. Mas isso não tira a importância da televisão na eleição", afirma Felipe Borba, cientista político e professor da Unirio. "Historicamente, o interesse pelo horário eleitoral é progressivo. Ao longo da eleição costuma aumentar", completa.

Borba argumenta que ainda é grande o número de pessoas no Brasil que tem apenas a televisão como fonte de informação. "Principalmente o eleitor de baixa renda e baixa escolaridade não tem outras fontes de informação", afirma o cientista político.

Na primeira semana com a propaganda eleitoral, as emissoras de televisão aberta perderam participação no share, fatia de audiência em comparação com os canais pagos. Houve um aumento de até 47% na participação nas emissoras da TV a cabo nessa divisão.

Os canais da TV paga não exibem os blocos do horário eleitoral nem as inserções de propaganda que entram nas emissoras de televisão aberta.

Obrigadas a exibir a propaganda política, as emissoras abertas podem pedir ressarcimento do horário disponibilizado. A restituição é feita com compensação fiscal, elas deixam de pagar impostos para compensar o horário cedido.

Transmitidos desde o dia 31 de agosto, os blocos do horário eleitoral são exibidos de segunda-feira a sábado.

Nas terças, quintas e sábados são transmitidos os programas dos candidatos à Presidência da República e deputados federais. As propagandas de quem disputa vagas de deputados estadual, senador e governador entram nas sextas, segundas e quartas.

Além dos blocos, todos os candidatos têm direitos ainda a inserções de 30 segundas cada nas programações de televisão e rádio.

Segundo pesquisa Datafolha, do dia 10 de setembro, 64% dos eleitores afirmaram que assistiram ao horário eleitoral gratuito dos candidatos à Presidência da República.

O levantamento aponta também que a maioria da população dá importância ao horário eleitoral para a definição do voto.

Pelo menos 38% dos eleitores afirmam ser muito importante a propaganda obrigatória na televisão. Já 28% dos entrevistados dizem que os programas exibidos são "um pouco importante". Outros 35% dizem não dar importância.

Quem dá mais relevância aos programas televisivos são os eleitores com grau mais baixo de escolaridade (sobe para 42%), de menor renda (42%) e nas regiões Norte (43%) e Nordeste (46%), segundo o Datafolha.

Os eleitores que mais valorizam o horário eleitoral são os que apontam preferência por Marina (47%) e Alckmin (43%), Ciro (40%) e Haddad (40%). Entre os que votam em Bolsonaro, cai para 33%. 

Publicidade

Publicidade