Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Coronel Evaldo desistiu de concorrer a prefeito de Balneário Camboriú

Terça, 14/7/2020 16:52.
Arquivo pessoal.

Publicidade

O coronel Evaldo Hoffmann, ex-comandante do 12o Batalhão de Polícia Militar, disse nesta terça-feira (14) ao Página 3 que desistiu de concorrer a prefeito de Balneário Camboriú, mas não revelou o motivo.

Pode ter pesado na decisão a impossibilidade de desenvolver uma campanha normal em meio à pandemia o que diminui as chances de nomes novos na política.

No ano passado, com a “onda Bolsonaro”, o Coronel Evaldo, que seria o candidato do governador, foi apontado como um dos favoritos, mas as relações de Florianópolis com Brasília azedaram.

Além disso, as chances do governador Carlos Moisés lançar candidato do PSL, ou eleger alguém do seu grupo político em Balneário Camboriú, são pequenas devido ao desgaste da pandemia da covid-19 e ao fato do seu emissário nas conversas para formar uma aliança de oposição a Fabrício Oliveira, o ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba, ter sido preso acusado de corrupção no escândalo dos respiradores.

O Coronel Evaldo, hoje comandando a Polícia Militar Rodoviária, um cargo de destaque na estrutura da segurança pública, não revelou motivos, apenas disse que sua família sempre foi contra ele entrar na política e que decidiu prosseguir na carreira militar.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Arquivo pessoal.

Coronel Evaldo desistiu de concorrer a prefeito de Balneário Camboriú

Publicidade

Terça, 14/7/2020 16:52.

O coronel Evaldo Hoffmann, ex-comandante do 12o Batalhão de Polícia Militar, disse nesta terça-feira (14) ao Página 3 que desistiu de concorrer a prefeito de Balneário Camboriú, mas não revelou o motivo.

Pode ter pesado na decisão a impossibilidade de desenvolver uma campanha normal em meio à pandemia o que diminui as chances de nomes novos na política.

No ano passado, com a “onda Bolsonaro”, o Coronel Evaldo, que seria o candidato do governador, foi apontado como um dos favoritos, mas as relações de Florianópolis com Brasília azedaram.

Além disso, as chances do governador Carlos Moisés lançar candidato do PSL, ou eleger alguém do seu grupo político em Balneário Camboriú, são pequenas devido ao desgaste da pandemia da covid-19 e ao fato do seu emissário nas conversas para formar uma aliança de oposição a Fabrício Oliveira, o ex-secretário da Casa Civil, Douglas Borba, ter sido preso acusado de corrupção no escândalo dos respiradores.

O Coronel Evaldo, hoje comandando a Polícia Militar Rodoviária, um cargo de destaque na estrutura da segurança pública, não revelou motivos, apenas disse que sua família sempre foi contra ele entrar na política e que decidiu prosseguir na carreira militar.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade