Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Eleições
Compare as propostas dos candidatos a prefeito de Balneário Camboriú para a educação

Segunda, 5/10/2020 7:32.

Publicidade

O Página 3 prossegue na publicação de uma série de reportagens com as propostas dos seis candidatos a prefeito de Balneário Camboriú, extraídas dos seus planos de governo registrados na Justiça Eleitoral.

Acompanhe, em ordem alfabética:

Auri Pavoni (PSDB) e Leonardo Piruka (PP)

A realidade mostra deficiências graves na educação pública em Balneário Camboriú a ponto do Índice da Educação Básica, sob a gestão do prefeito atual, ter regredido a 2011. São quatro pontos centrais:

1) Faltam vagas em creches;

2) Baixíssimo uso de tecnologia nas escolas;

3) Os diretores de escolas não podem ser escolhidos entre os cabos eleitorais do prefeito e sim através do voto da comunidade escolar (alunos, seus pais, professores e servidores) e,

4) Temos que dar aos alunos uma profissão, nos anos finais da educação básica, para poderem estagiar nas empresas, levar dinheiro para as famílias, sem abandonar a escola e podendo enxergar um futuro que não seja de Salário Mínimo.

No sistema que temos hoje praticamente nenhum aluno sai do ensino médio apto a trabalhar e grande parte abandona os estudos ou conclui com baixo aproveitamento.

Ultimamente as escolas civis de inspiração militar vêm apresentando ótimos resultados e a população deverá opinar se deseja que tenhamos algumas instituições de ensino com este perfil.

Vamos implantar pelo menos três centros de ensino profissionalizante distribuídos pela cidade e pretendemos aproveitar o horário ocioso das escolas, à noite e final de semana, para atividades educativas, recreativas e culturais.

Edson Piriquito (MDB) e Ademar Schneider (PSB)


Ampliação da oferta de vagas na Educação Infantil e no Ensino Fundamental.

Ampliação da oferta de vagas no contraturno escolar, com a abertura de polos nos bairros.

Criação da Escola Cívico-Militar (projeto piloto).

Investimentos em novas tecnologias educacionais.

Valorização dos profissionais da Educação.

Comprometimento com a qualidade do ensino público municipal, buscando a recuperação e elevação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB, que sofreu os piores resultados nos últimos 4 anos.

Recuperação e aprimoramento do projeto “Nossa Escola Nossa Praia”.

Fabrício Oliveira (Podemos) e Carlos Humberto Silva (PL)

Implantar em todas as UEs um espaço maker para que os educandos desenvolvam diferentes competências e habilidades, como: Pensamento crítico, criatividade, empatia, colaboração, autonomia.

Utilização de Plataforma Digital para manutenção de vínculos entre instituição e família durante o ano letivo

Valorização dos profissionais da Educação proporcionando programas de acompanhamento e formação docente continuada - PAFDOC: oportunizando ao professor, em seu próprio local de trabalho, um espaço de diálogo e reflexão, em que ele possa trazer seus anseios, as demandas de ordem pedagógicas e administrativas de seu cotidiano, contribuindo para o desenvolvimento de sua inteligência emocional e realização profissional.

Promover educação ambiental e fomentar a sustentabilidade e propagar a Agenda 2030 da ONU, e promover à saúde dos alunos, proporcionando visitas periódicas nas unidades escolares pela equipe de enfermagem e médicos.

Programa Família + perto, onde por meio de projetos, promoções e momentos culturais as famílias poderão passar um período na unidade acompanhando a rotina da unidade

Inserção de disciplinas complementares da nova BNCC na grade curricular, ampliando o Sistema de Ensino da Educação Infantil e Fundamental com os temas transversais como: Inteligência Emocional, Libras, Educação Financeira e Empreendedorismo.

Ampliar compra de Vagas em creche. Ensino para crianças de 0 a 3 anos.

Giovan Nardelli (Solidariedade) e Gustavo Horst

Parafraseando Paulo Freire, “ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para sua própria produção ou a sua construção”. Nesse sentido, a educação básica integral deve ser qualificada em produtividade no contraturno, com o incentivo ao desenvolvimento lúdico, estimulação da capacidade de raciocínio, sabendo que cabe ao professor a inarredável tarefa de identificar o que desperta o interesse dos alunos.

A política educacional não pode ficar restrita ao melhoramento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). O essencial consiste na melhoria da qualidade do ensino o que, por sua vez, depende do saber que se produz e se socializa e do respectivo aproveitamento pelo aluno, Considerando o volume de receitas da municipalidade, os investimentos na Educação não podem ficar limitados ao cumprimento dos mínimos constitucionais.

Além do substantivo investimento na remuneração e qualificação dos professores, faz-se necessário dotar as unidades escolares em geral, e as salas de aula em particular, de todos os instrumentos didático-pedagógicos, bem como dos equipamentos disponibilizados pelas novas tecnologias para facilitar o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem.

O Município dispõe dos recursos necessários para oferecer a educação infantil e o ensino fundamental em tempo integral, ao mesmo tempo em que possui pessoal qualificado, ferramentas e espaço físico para que o ensino médio permita a qualificação do educando para dar continuidade aos estudos em cursos de graduação superior.

Ney Clivati (Novo) e Marcelo Ricardo Kozar de Castro

Observa-se que mantém-se constante o número de alunos, havendo alteração somente nas matrículas por etapas.

Já o orçamento da educação teve um acréscimo de R$ 50 milhões em 6 anos, chegando a 22% de todo orçamento anual.

Observa-se um custo por aluno de R$1.218,28/mês. Sendo custo por matrícula em creches e pré-escolas o mais elevado dentre eles, no montante de R$ 1.980,43.

Alta taxa de distorção idade-série, principalmente nos anos finais.

Embora BC esteja acima da média de SC e do Brasil no IDEB, os valores ainda são muito baixos. Especialmente se comparado ao ensino da rede privada.

31% dos professores não possuem estabilidade (ACTs).

Enorme disparidade salarial entre as duas categorias.

Professores estáveis recebem quase 3x o valor do salário médio de Balneário Camboriú.

Qualidade e conhecimento para possam construir seu futuro em um mundo em transformação.

Gestão profissional na direção das escolas (sem politicagem)

Programa de Bolsas em escolas particulares

Salários e carga horária adequados valorizando melhores professores

Expansão do acesso ao ensino infantil e creches

Otimização da estrutura e dos Recursos

Deve ser garantido o acesso à primeira infância, sendo ela a etapa de maior custo por aluno.

Estamos investindo cada dia mais recursos financeiras na educação, sem reflexo na qualidade de ensino, formando alunos despreparados para a atual realidade.

Para agravar, enfrentaremos uma fuga das escolas privadas, sobrecarregando o ensino público, em função da pandemia. Faz-se necessário um choque de gestão, otimizando recursos, com processo seletivo para diretores e gestores de escola, sem politicagem.

O atual modelo de compra de vagas possui falhas, que um programa de bolsas, por adesão, em escolas privadas deve solucionar, garantindo o acesso e dando liberdade para o pai escolher a escola do seu filho, seja para manter seu filho no ensino público ou numa escola privada.

Pedro Luiz Navarro Gianquito (PRTB) e Bruno Alves Allemand.

EMPODERAMENTO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL, ATRAVÉS DE AVALIAÇÕES, CURSOS E DISPONIBILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS (PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL NÃO É BABÁ);

ENSINO FUNDAMENTAL, INSTITUIR A ¨PEDAGOGIA DE PROJETOS¨, ONDE AS CRIANÇAS CONSTROEM O CONHECIMENTO;

ACESSO, AOS ALUNOS, À NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS, INCLUSIVE COM ACESSO À COMPUTADORES PARA TODOS.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Compare as propostas dos candidatos a prefeito de Balneário Camboriú para a educação

Publicidade

Segunda, 5/10/2020 7:32.

O Página 3 prossegue na publicação de uma série de reportagens com as propostas dos seis candidatos a prefeito de Balneário Camboriú, extraídas dos seus planos de governo registrados na Justiça Eleitoral.

Acompanhe, em ordem alfabética:

Auri Pavoni (PSDB) e Leonardo Piruka (PP)

A realidade mostra deficiências graves na educação pública em Balneário Camboriú a ponto do Índice da Educação Básica, sob a gestão do prefeito atual, ter regredido a 2011. São quatro pontos centrais:

1) Faltam vagas em creches;

2) Baixíssimo uso de tecnologia nas escolas;

3) Os diretores de escolas não podem ser escolhidos entre os cabos eleitorais do prefeito e sim através do voto da comunidade escolar (alunos, seus pais, professores e servidores) e,

4) Temos que dar aos alunos uma profissão, nos anos finais da educação básica, para poderem estagiar nas empresas, levar dinheiro para as famílias, sem abandonar a escola e podendo enxergar um futuro que não seja de Salário Mínimo.

No sistema que temos hoje praticamente nenhum aluno sai do ensino médio apto a trabalhar e grande parte abandona os estudos ou conclui com baixo aproveitamento.

Ultimamente as escolas civis de inspiração militar vêm apresentando ótimos resultados e a população deverá opinar se deseja que tenhamos algumas instituições de ensino com este perfil.

Vamos implantar pelo menos três centros de ensino profissionalizante distribuídos pela cidade e pretendemos aproveitar o horário ocioso das escolas, à noite e final de semana, para atividades educativas, recreativas e culturais.

Edson Piriquito (MDB) e Ademar Schneider (PSB)


Ampliação da oferta de vagas na Educação Infantil e no Ensino Fundamental.

Ampliação da oferta de vagas no contraturno escolar, com a abertura de polos nos bairros.

Criação da Escola Cívico-Militar (projeto piloto).

Investimentos em novas tecnologias educacionais.

Valorização dos profissionais da Educação.

Comprometimento com a qualidade do ensino público municipal, buscando a recuperação e elevação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – IDEB, que sofreu os piores resultados nos últimos 4 anos.

Recuperação e aprimoramento do projeto “Nossa Escola Nossa Praia”.

Fabrício Oliveira (Podemos) e Carlos Humberto Silva (PL)

Implantar em todas as UEs um espaço maker para que os educandos desenvolvam diferentes competências e habilidades, como: Pensamento crítico, criatividade, empatia, colaboração, autonomia.

Utilização de Plataforma Digital para manutenção de vínculos entre instituição e família durante o ano letivo

Valorização dos profissionais da Educação proporcionando programas de acompanhamento e formação docente continuada - PAFDOC: oportunizando ao professor, em seu próprio local de trabalho, um espaço de diálogo e reflexão, em que ele possa trazer seus anseios, as demandas de ordem pedagógicas e administrativas de seu cotidiano, contribuindo para o desenvolvimento de sua inteligência emocional e realização profissional.

Promover educação ambiental e fomentar a sustentabilidade e propagar a Agenda 2030 da ONU, e promover à saúde dos alunos, proporcionando visitas periódicas nas unidades escolares pela equipe de enfermagem e médicos.

Programa Família + perto, onde por meio de projetos, promoções e momentos culturais as famílias poderão passar um período na unidade acompanhando a rotina da unidade

Inserção de disciplinas complementares da nova BNCC na grade curricular, ampliando o Sistema de Ensino da Educação Infantil e Fundamental com os temas transversais como: Inteligência Emocional, Libras, Educação Financeira e Empreendedorismo.

Ampliar compra de Vagas em creche. Ensino para crianças de 0 a 3 anos.

Giovan Nardelli (Solidariedade) e Gustavo Horst

Parafraseando Paulo Freire, “ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para sua própria produção ou a sua construção”. Nesse sentido, a educação básica integral deve ser qualificada em produtividade no contraturno, com o incentivo ao desenvolvimento lúdico, estimulação da capacidade de raciocínio, sabendo que cabe ao professor a inarredável tarefa de identificar o que desperta o interesse dos alunos.

A política educacional não pode ficar restrita ao melhoramento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). O essencial consiste na melhoria da qualidade do ensino o que, por sua vez, depende do saber que se produz e se socializa e do respectivo aproveitamento pelo aluno, Considerando o volume de receitas da municipalidade, os investimentos na Educação não podem ficar limitados ao cumprimento dos mínimos constitucionais.

Além do substantivo investimento na remuneração e qualificação dos professores, faz-se necessário dotar as unidades escolares em geral, e as salas de aula em particular, de todos os instrumentos didático-pedagógicos, bem como dos equipamentos disponibilizados pelas novas tecnologias para facilitar o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem.

O Município dispõe dos recursos necessários para oferecer a educação infantil e o ensino fundamental em tempo integral, ao mesmo tempo em que possui pessoal qualificado, ferramentas e espaço físico para que o ensino médio permita a qualificação do educando para dar continuidade aos estudos em cursos de graduação superior.

Ney Clivati (Novo) e Marcelo Ricardo Kozar de Castro

Observa-se que mantém-se constante o número de alunos, havendo alteração somente nas matrículas por etapas.

Já o orçamento da educação teve um acréscimo de R$ 50 milhões em 6 anos, chegando a 22% de todo orçamento anual.

Observa-se um custo por aluno de R$1.218,28/mês. Sendo custo por matrícula em creches e pré-escolas o mais elevado dentre eles, no montante de R$ 1.980,43.

Alta taxa de distorção idade-série, principalmente nos anos finais.

Embora BC esteja acima da média de SC e do Brasil no IDEB, os valores ainda são muito baixos. Especialmente se comparado ao ensino da rede privada.

31% dos professores não possuem estabilidade (ACTs).

Enorme disparidade salarial entre as duas categorias.

Professores estáveis recebem quase 3x o valor do salário médio de Balneário Camboriú.

Qualidade e conhecimento para possam construir seu futuro em um mundo em transformação.

Gestão profissional na direção das escolas (sem politicagem)

Programa de Bolsas em escolas particulares

Salários e carga horária adequados valorizando melhores professores

Expansão do acesso ao ensino infantil e creches

Otimização da estrutura e dos Recursos

Deve ser garantido o acesso à primeira infância, sendo ela a etapa de maior custo por aluno.

Estamos investindo cada dia mais recursos financeiras na educação, sem reflexo na qualidade de ensino, formando alunos despreparados para a atual realidade.

Para agravar, enfrentaremos uma fuga das escolas privadas, sobrecarregando o ensino público, em função da pandemia. Faz-se necessário um choque de gestão, otimizando recursos, com processo seletivo para diretores e gestores de escola, sem politicagem.

O atual modelo de compra de vagas possui falhas, que um programa de bolsas, por adesão, em escolas privadas deve solucionar, garantindo o acesso e dando liberdade para o pai escolher a escola do seu filho, seja para manter seu filho no ensino público ou numa escola privada.

Pedro Luiz Navarro Gianquito (PRTB) e Bruno Alves Allemand.

EMPODERAMENTO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL, ATRAVÉS DE AVALIAÇÕES, CURSOS E DISPONIBILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS (PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL NÃO É BABÁ);

ENSINO FUNDAMENTAL, INSTITUIR A ¨PEDAGOGIA DE PROJETOS¨, ONDE AS CRIANÇAS CONSTROEM O CONHECIMENTO;

ACESSO, AOS ALUNOS, À NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS, INCLUSIVE COM ACESSO À COMPUTADORES PARA TODOS.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade