Entrevista Marcos Pablo Dalmacio – Balneário Camboriú e região ganham primeira Orquestra de Câmara Andante

- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -
- Publicidade -
Marcos Pablo Dalmacio (Arquivo pessoal)

O multi instrumentista, compositor, músico e professor, Marcos Pablo Dalmacio, argentino de nascimento, radicado no Brasil desde 2005, residente em Balneário Camboriú, é o fundador da Orquestra de Câmara Andante, que será apresentada ao público nos dias 8 e 10 próximos. 

Orquestra de Câmara Andante (Arquivo Pessoal)

A orquestra começou a ser formada em 2019, chegou a apresentar-se no Instituto Federal Catarinense (IFC/Camboriú), mas foi interrompida com a pandemia. Por este motivo, Dalmacio considera as duas apresentações, em Itajaí dia 8 e em Balneário Camboriú dia 10, como lançamento.

- Publicidade -

Apaixonado por tudo que diz respeito à música, Dalmacio domina vários aspectos da prática musical. Desempenha diversas funções na arte da música, toca violão, violino, viola, é compositor, faz pesquisa musicológica, atua em regência orquestral e interpretação de música antiga com instrumentos de época (vihuela, alaúde, guitarra renascentista, guitarra barroca, guitarra clássico-romântica, terz guitar e mandolina).

Seu repertório inclui desde peças da renascença interpretadas na vihuela ou no alaúde até estreias de obras recentes para violão e orquestra. Dalmacio registrou parte deste repertório em quatro trabalhos discográficos e numerosos lançamentos digitais. 

É também autor do livro A sonata para guitarra na Viena de Beethoven e Schubert. 

Como concertista e professor, conta com apresentações em festivais, séries de concerto, conservatórios e universidades no Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai, Peru, Espanha, Portugal e França. 

- Publicidade -

Marcos Pablo Dalmacio é Diretor Artístico e violinista da Orquestra de Cordas da Ilha com a qual realizam concertos em numerosas cidades, apresentando repertórios inéditos no país e contando com a participação de prestigiosos solistas. Também é ativo como compositor, contando com obras em diversos gêneros, estreadas em vários países.

Nesta reportagem Dalmacio fala sobre seu mais recente desafio musical: a Orquestra de Câmara Andante. 

Acompanhe:

“A orquestra surgiu da soma de nossas vontades individuais”

- Publicidade -

JP3 – Como surgiu a ideia de fundar uma Orquestra de Câmara Andante? 

Dalmacio – A ideia surgiu depois de termos realizado algumas audições com alunos de violino já de nível intermediário, o que nos possibilitava tocar obras interessantes do repertório, mas para expandir essas possibilidades, um ou mais violoncelos no grupo se tornava essencial. Assim surgiu a ideia de chamar colegas profissionais e alunos, formando a família instrumental de uma orquestra de cordas, dividida em dois grupos de violinos, violas, violoncelos e contrabaixos. E concretizamos o primeiro ensaio em setembro de 2019 e estreamos em dezembro desse mesmo ano no IFC. Estávamos preparando a obra que apresentaremos no próximo dia 10 de abril, para apresentar no dia 11 de abril de 2020. Porém, em março daquele ano a situação pandêmica nos obrigou a cancelar o concerto. Ao longo de dois anos várias coisas mudaram e consideramos que nosso próximo concerto será a estreia oficial da orquestra.

JP3 – Como será a composição desta orquestra? 

Dalmacio – Se trata de uma orquestra de cordas, portanto inclui os quatro instrumentos de arco: violinos, violas, violoncelos e contrabaixos. Precisamente, para este concerto que será a estreia oficial da orquestra, contamos com 7 violinos, 3 violas, 2 violoncelos, 2 contrabaixos e um teclado para a parte de órgão. Além disso, teremos 4 musicistas profissionais convidados que virão de Florianópolis para este concerto, entre eles o professor de violino da Universidade do Estado de Santa Catarina, João Titton. E como neste concerto finalmente faremos a obra que vínhamos estudando em 2020, contaremos com duas solistas vocais, a soprano Letícia Liberato e a contralto Alice Fontanella.

Letícia Liberato, soprano (Arquivo pessoal)
Alice Fontanella, contralto (Arquivo pessoal)

JP3 – Ela é uma orquestra essencialmente de música clássica? 

Dalmacio – Sim, nosso objetivo é o estudo e interpretação de música clássica, de variados períodos e estilos, mas com uma boa parte baseada na música barroca, que é uma excelente escola de formação para os músicos que começam seus primeiros passos numa orquestra.

JP3 – Este é um projeto inédito em Balneário? 

Dalmacio – Podemos dizer que sim. Se bem que já organizamos a orquestra em 2019, o único concerto que pudemos fazer foi em Camboriú. E logo tivemos que interromper as atividades. É inédito no sentido de que se trata da primeira orquestra com boa parte dos músicos da cidade e região e que ensaia aqui. Quando o público viu orquestras em Balneário Camboriú, elas eram de fora, ou grupos montados para ocasiões particulares e esporádicas, o que não pode conformar uma orquestra.  

JP3 – Quem compõe a orquestra? 

Dalmacio – Professores e alunos de Balneário Camboriú, Camboriú, Itajaí, Itapema, Navegantes e Barra Velha!

JP3 – Quem rege a orquestra? 

Dalmacio – Podemos atuar com regente ou sem. Eu assumo esta função, seja desde o violino, ou como será no concerto de estreia, apenas regendo, sem instrumento em mãos.

JP3 – Recebeu algum tipo de apoio para formar a orquestra? De quem? 

Dalmacio – Não, a orquestra surgiu da soma de nossas vontades individuais, assim que ela foi formada. Agora bem, uma vez existindo, novamente desde janeiro deste ano, várias pessoas e instituições têm mostrado interesse em ajudar, começando pelo Círculo Argentino de Santa Catarina, que cede o espaço para a realização dos ensaios; a Igreja Luterana, que vai sediar nosso concerto de abertura; e algumas empresas, como a Nobre Treinamentos, ou o restaurante Chaplin, que contribuíram de diversas maneiras para ajudar em questões logísticas para este concerto.

Ensaio da orquestra (Arquivo pessoal)

JP3 – Poderia explicar o que é uma orquestra de Câmara Andante? 

Dalmacio – Orquestra de Câmara se denomina um grupo que pode oscilar respeito à quantidade de músicos, mas que podemos considerar aproximadamente entre 9 e 25. Câmara dá a ideia de que é um grupo para tocar num recinto de tamanho médio. Uma orquestra sinfônica, por exemplo, possui uma quantidade maior de instrumentos, que pode estar entre 20 e mais de 100. Como se pode ver, não há limites exatos para as definições, mas tem a ver também com a música que se executa. 

Andante é o nome, e tem propositalmente sua ambiguidade. Se dizemos orquestra andante dá a sensação de algo que anda, que caminha. Ao mesmo tempo, Andante é o nome que em italiano se dá ao andamento, ao tempo da música, e neste caso, é uma velocidade moderada. Allegro é outro termo musical que significa rápido. Então, o nome da orquestra, além de ser um termo musical que encontramos nas partituras, também funciona no sentido de ‘andar’, uma orquestra que caminha, que anda, que nunca para.

JP3 – Serão dois lançamentos, o primeiro em Itajaí e o segundo em Balneário Camboriú? 

Dalmacio – Sim, exatamente. Faremos uma obra curta, porém intensa de Vivaldi e uma obra prima de Pergolesi, jovem compositor italiano que faleceu com apenas 26 anos, e deixou sua obra imortal, o Stabat Mater, que é ideal para o período da Páscoa.

Em ambos os concertos faremos o mesmo programa, só que em Itajaí, no dia 8, no Museu Histórico, o formato será com as solistas acompanhadas de quinteto de cordas. E no dia dia 10, na Igreja Luterana de Balneário, as solistas serão acompanhadas da orquestra completa, com músicos convidados e regente, portanto seremos mais de 20 pessoas no palco!

Concerto na Igreja Luterana Martin Luther (Divulgação)

JP3 – Qual sua expectativa com a sua mais recente criação?

Dalmacio – Eu espero poder constituir um grupo que seja a base de uma orquestra da cidade, dedicada à música artística e não mero entretenimento. Há anos que apresento projetos deste tipo para a Fundação Cultural e a prefeitura da cidade, e se bem mostram interesse, eles mesmos vêem tão difíceis os passos e procedimentos para chegar a ter algo assim, que desistem. Isso não me surpreende, porque a mudança de direção sem aviso prévio é típico comportamento político. Mas a persistência, determinação e trabalho, feito durante anos, inclusive de maneira gratuita, é o que determina o valor. Portanto creio que é mais plausível manter uma ideia assim através de iniciativa privada que através de meios públicos.

Desta maneira, convidamos aos interessados a entrar em contato conosco, para saber do funcionamento da orquestra e dos objetivos, para serem convidados a assistirem ensaios no futuro próximo, e ser parte do processo fundador desta história.

Contato: Aqui uma página da orquestra onde se podem encontrar as redes sociais da mesma, e onde se podem ver diversas maneiras de colaborar com a orquestra, que estará fazendo estes concertos com entrada livre e gratuita!

- Publicidade -
spot_imgspot_img
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
%d blogueiros gostam disto: