Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Equilíbrio
Pesquisa procura colônias de briozoários em Balneário Camboriú

Organismos chegam á praia mortos e causam mau cheiro

Quarta, 11/4/2018 11:14.
Divulgação PMBC

Publicidade

A pesquisa em busca das colônias de organismos marinhos exóticos, como os briozoários que frequentam a orla da praia central há mais de uma década, faz parte de várias ações em andamento, para melhorar a saúde da enseada e preparar o terreno para o alargamento da faixa de areia.

As outras ações em andamento são a revitalização do rio Marambaia, o desassoreamento do rio das Ostras, a despoluição do rio Camboriú, a fiscalização dos esgotos clandestinos e a ampliação da rede de coleta e tratamento.

A diretora do Desenvolvimento Ambiental Maria Heloísa Furtado Lenzi explicou que todo esse conjunto faz parte do mesmo objetivo, que é o programa ‘Balneário de Águas Limpas’.

“A prefeitura acaba de conseguir a Licença Ambiental Prévia (LAP) e a parte ambiental é essencial nessa reestruturação que a praia central vai precisar, como a revitalização dos rios que desembocam na praia, acabar com os focos de poluição, ampliar a rede de esgoto e descobrir porque esses organismos marinhos aparecem na praia e de onde eles vêm”, detalhou Heloísa.

Briozoários

O estudo que procura a localização e a origem das colônias de diatomáceas e briozoários, começou em janeiro. Ele é realizado através de uma parceria entre a Secretaria do Meio Ambiente (SEMAM), Univali e agora também Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC).

A diretora da Semam explicou que neste período já aconteceram três saídas de barco, para identificar onde estão fixados os organismos marinhos.

O Barco-Escola do Instituto Federal leva pesquisadores que coletam material em fundo arenoso, nas proximidades da Ilha das Cabras, no lado norte da praia e até em Laranjeiras. Também foi usado o equipamento Trenó Oceanográfico de Reboque (TOR), que faz filmagens do fundo do mar e a secretaria do Meio Ambiente usou drones para fazer imagens aéreas que podem ajudar na localização. Na segunda-feira (9) mergulhadores do Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar) fizeram novas investidas na Barra Sul.

“Até agora nada. O que se sabe é que esses organismos aparecem somente na enseada. A ideia é monitorar até descobrirmos as colonias e ver como eliminá-las. A empresa Ambiental encarregada da retirada desses organismos da areia vai nos passando onde tem ocorrências e no final do mês passa um relatório com as quantidades retiradas”, informou Heloísa.

Informações: Secretaria do Meio Ambiente:(47) 3363-7145


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação PMBC

Pesquisa procura colônias de briozoários em Balneário Camboriú

Organismos chegam á praia mortos e causam mau cheiro

Publicidade

Quarta, 11/4/2018 11:14.

A pesquisa em busca das colônias de organismos marinhos exóticos, como os briozoários que frequentam a orla da praia central há mais de uma década, faz parte de várias ações em andamento, para melhorar a saúde da enseada e preparar o terreno para o alargamento da faixa de areia.

As outras ações em andamento são a revitalização do rio Marambaia, o desassoreamento do rio das Ostras, a despoluição do rio Camboriú, a fiscalização dos esgotos clandestinos e a ampliação da rede de coleta e tratamento.

A diretora do Desenvolvimento Ambiental Maria Heloísa Furtado Lenzi explicou que todo esse conjunto faz parte do mesmo objetivo, que é o programa ‘Balneário de Águas Limpas’.

“A prefeitura acaba de conseguir a Licença Ambiental Prévia (LAP) e a parte ambiental é essencial nessa reestruturação que a praia central vai precisar, como a revitalização dos rios que desembocam na praia, acabar com os focos de poluição, ampliar a rede de esgoto e descobrir porque esses organismos marinhos aparecem na praia e de onde eles vêm”, detalhou Heloísa.

Briozoários

O estudo que procura a localização e a origem das colônias de diatomáceas e briozoários, começou em janeiro. Ele é realizado através de uma parceria entre a Secretaria do Meio Ambiente (SEMAM), Univali e agora também Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC).

A diretora da Semam explicou que neste período já aconteceram três saídas de barco, para identificar onde estão fixados os organismos marinhos.

O Barco-Escola do Instituto Federal leva pesquisadores que coletam material em fundo arenoso, nas proximidades da Ilha das Cabras, no lado norte da praia e até em Laranjeiras. Também foi usado o equipamento Trenó Oceanográfico de Reboque (TOR), que faz filmagens do fundo do mar e a secretaria do Meio Ambiente usou drones para fazer imagens aéreas que podem ajudar na localização. Na segunda-feira (9) mergulhadores do Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar (CTTMar) fizeram novas investidas na Barra Sul.

“Até agora nada. O que se sabe é que esses organismos aparecem somente na enseada. A ideia é monitorar até descobrirmos as colonias e ver como eliminá-las. A empresa Ambiental encarregada da retirada desses organismos da areia vai nos passando onde tem ocorrências e no final do mês passa um relatório com as quantidades retiradas”, informou Heloísa.

Informações: Secretaria do Meio Ambiente:(47) 3363-7145


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade