- Publicidade -
- Publicidade -
30 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

1º de maio: trabalhadores opinam sobre como está o mercado em Balneário Camboriú

O Dia do Trabalhador é comemorado nesta segunda-feira (1º) e para lembrar a data, o Página 3 ouviu trabalhadores que atuam na ‘base’ da economia de Balneário Camboriú, como no setor do turismo e hotelaria, construção civil, comércio e serviços gerais, que avaliaram como está o mercado de trabalho na cidade. Acompanhe abaixo.


Turismo também é sinônimo de trabalho

Arquivo Pessoal

O gaúcho Gian Lucas Ajala das Chagas é o chefe de recepção do Hotel Bella Camboriú, ele conta que está no hotel há 10 anos e que esse foi o seu primeiro emprego quando chegou em Balneário Camboriú, de onde nunca saiu. 

“É ótimo, sempre brincamos que nunca tem um dia igual na hotelaria, sempre com pessoas novas. E trabalhar em hotel em Balneário Camboriú é ‘fácil’, com tudo o que a cidade oferece de infraestrutura, todos os atrativos… as pessoas vêm à Balneário Camboriú buscando boas experiências. É fácil e gratificante trabalhar”, explica.

Ele destaca que o ramo hoteleiro mudou e que os hotéis conseguem manter suas equipes ao longo do ano. 

“Balneário já não é mais uma cidade que vive da temporada, é uma cidade que é intensa o ano inteiro e isso reflete no ramo hoteleiro, você não acha mais as vagas temporárias, as equipes são fixas para o ano inteiro e isso ajuda a fortalecer muito o mercado de trabalho”, salienta.

- Publicidade -
Arquivo Pessoal

A Supervisora Comercial do Parque Unipraias, Daniela Bissoli, concorda com a fala de Gian e diz que o mercado de trabalho no turismo em Balneário Camboriú é um dos setores que mais tem gerado empregos na cidade. 

“Devido ao crescimento do turismo e atividades turísticas dentro da cidade. Acredito também que vem gerando muito emprego e trazendo pessoas de outras cidades e estados para trabalhar aqui na nossa cidade”, opina.


Comércio atrai muitos trabalhadores: “só não trabalha quem não quer”

Arquivo Pessoal

O comércio de Balneário Camboriú também é um dos principais pontos de trabalho na cidade. Célia Maria dos Anjos Dias Batista é gerente da loja LEO, localizada na Avenida Brasil, e conta que sempre trabalhou com comércio e que ‘adora’ atender ao público.

“Eu sou ‘forasteira’ na cidade, estou aqui há três anos, mas vejo que o comércio aqui é muito bom. Na Avenida Brasil só não trabalha quem não quer, porque você anda pelas lojas e já vê plaquinhas de que estão precisando de vendedor. A cidade é maravilhosa em relação a isso, temos também variedade de lojas no shopping. A jornada de trabalho é bem flexível, você trabalha no domingo e tem a folga na semana para resolver problemas pessoais, para ter momento de lazer e curtir a família”, explica, citando que na LEO ela trabalha de domingo a domingo e tem folga semanal – quando trabalham no feriado também ganham bônus. 

“Acabou a pandemia finalmente e está sendo um ano bem bom!”, completa.


Serviços gerais: 11 anos na prefeitura

Arquivo Pessoal

Simone Schulz, é moradora de Balneário Camboriú há 21 anos e há 11 atua na prefeitura, neste momento faz serviços gerais da Casa da Família. Ela diz que trabalhar como serviços gerais em Balneário Camboriú é uma boa opção, pois há muitas vagas. 

“Quando procurei, no início parecia ter poucas opções, mas depois foi de boa. Na Casa da Família estou há dois meses, mas trabalho na prefeitura há 11 anos! Depois da terceirização, o trabalho não mudou, o que eu vi e ouvi foi que houve mudança na questão das horas, quem mora mais longe sentiu um pouco a diferença. Eu adoro trabalhar na Casa da Família, é muito bom”, diz.


Para quem constrói arranha-céus, nem o céu é o limite

Arquivo Pessoal

Dayane Silva Caldeira é um exemplo de que a construção civil é muito mais do que um alicerce, mas uma transformação de vida. Há quase 10 anos no time da FG Empreendimentos, uma das maiores construtoras do país, atualmente ela ocupa uma função cobiçada e pouco conhecida: multioperadora de elevador empilhadeira e grua.

“Comecei no setor de limpeza, mas eu sou inquieta e o meu desejo de ir além, me permitiu crescer. Há nove anos sou a responsável por operar empilhadeiras e me orgulho de integrar a equipe que já construiu oito prédios de luxo na cidade, entre eles, o primeiro edifício a romper a barreira dos 200 metros de altura, o Infinity Coast”, explica. 

Dayane chegou em Balneário Camboriú em 2014 com um sonho: uma vida melhor e a construção civil vem lhe proporcionando esse crescimento – já tem sua casa própria, seu carro e agora segue almejando novos projetos. 

“Enfrentei diversos obstáculos, mas ser uma das poucas do sexo feminino na construção civil nunca foi empecilho. Competência e respeito são palavras de ordem dentro dos canteiros de obra da FG. Para quem constrói arranha-céus, nem o céu é o limite”, acrescenta.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -