Jornal Página 3
Os encantos de Fernando de Noronha
Fotos Mariana Ferret

Por Mariana Ferret

O arquipélago de Fernando de Noronha no estado de Pernambuco, nordeste brasileiro, é um dos destinos mais procurados atualmente. Com uma extensão de 26 km² e vinte e uma ilhas, somente a ilha principal é habitada, as demais fazem parte do Parque Nacional Marinho e só podem ser visitadas com uma licença oficial do IBAMA.

Falando em preços, dependendo da época do ano as passagens ida e volta ficam em torno de R$ 2,5 mil

Para se ter uma ideia, um litro e meio de água custa no mercadinho R$ 8.

Noronha possui limite de visitantes, que precisam pagar uma taxa diária, a TPA (taxa de permanência ambiental), que custa R$ 64,25 por dia.

O Parque Nacional Marinho controla a visitação de diversas praias e trilhas e para ter acesso é necessário fazer um cartão que custa R$ 89 para brasileiros e R$ 178 para estrangeiros e é válido por dez dias. Essas taxas podem ser pagas antecipadamente pela internet e o cartão pode ser retirado em alguns pontos do parque.

BUGGY

Para a locomoção da ilha recomendam-se algumas opções: o aluguel de buggys, que custa em torno de R$ 200 por dia (não se esqueça de checar o estado do veículo antes de fechar o negócio e fique ligado, Noronha possui somente um posto de gasolina que possui horários restritos). Há ainda táxis ou ônibus (que passam a cada 30 min. A passagem custa R$ 3,10, mas ele transita na BR da ilha, para chegar nas praias é necessário fazer parte do trajeto andando). Há também os passeios guiados pelas agências de turismo da ilha (ver com antecedência disponibilidade de datas e horários).

A ilha principal é banhada pelo Mar de Dentro, que é a parte da ilha voltada para o Brasil e tem como característica as areias claras e águas transparentes. É oferecido pelos guias turísticos passeios como a prancha sub, onde você segura em uma pranchinha de acrílico e é puxado por uma lancha por volta de 50 min e consegue enxergar navios naufragados, tartarugas, inúmeras espécies de peixes, se der sorte (ou não) até alguns tubarões pagando R$100 por pessoa.

O passeio de barco que sai do porto de Santo Antônio abrange todas as praias do mar de dentro, passando pelo principal cartão postal de Noronha, o morro “Dois Irmãos”, pela Baía dos Golfinhos. Eles fazem uma pausa para mergulho na Baía do Sancho, onde é possível ver inúmeras espécies aquáticas usando apenas máscara e snorkel com uma visualização de 16m de profundidade, custo aproximado de R$ 120 por pessoa.

BAÍA DOS PORCOS

Outro passeio indispensável são as trilhas para a Baía do Sancho e a vista do alto dos Dois Irmãos, não deixe de levar água (acesso com a carteirinha do Parque Nacional Marinho). Outras praias que não podem ficar de fora do seu roteiro deste lado da ilha são: Praia do Cachorro (piscina natural, bica de água doce e um barzinho animado com um pôr-do-sol privilegiado), Conceição (a mais badalada da ilha, com bares atendendo na praia), Boldró (melhores tubos da ilha), Cacimba do Padre (hawaii brasileiro, palco de muitos eventos de surf, simplesmente a minha favorita), Baía dos Porcos (excelentes piscinas naturais para ver os habitantes aquáticos).

PONTA AIR FRANCE

O Mar de Fora tem como pigmentação um azul inexplicável. Suas praias possuem formações rochosas e é agitado pelos ventos vindos da África. A maior parte das praias deste lado da ilha faz parte do Parque Nacional Marinho e algumas possuem horários para visitação como a Baía do Sueste (das 9h às 16h), principal lugar de alimentação das tartarugas marinhas na ilha e a praia da Atalaia (número limitado de pessoas por dia) que é a maior piscina natural de Noronha. No Mar de Fora temos também outras praias sensacionais, como a Praia do Leão, o Buraco da Raquel, a Enseada dos Tubarões e a Ponta da Air France, todas excepcionais parecendo aquários infinitos.

ZÉ MARIA

Lugares que não podem faltar no roteiro: Projeto Tamar, Festival Gastronômico do Zé Maria (R$200 por pessoa, mas vale muito a pena, você vai comer de tudo e o quanto quiser), Vila dos Remédios (centrinho de Noronha, como bares, lojinhas e restaurantes).

A ilha possui três tipos de hospedagem: Hostel e casas de família (cerca de R$ 120 por dia), pousadas com café da manhã (o preço varia, pagamos R$ 280 por dia cada um) e as pousadas de luxo (aproximadamente R$ 1,2mil). A dica é levar dinheiro, muitos lugares ainda não aceitam cartões e lá é difícil para sacar. Repelente, protetor solar e calçado para caminhada não podem faltar, além dos trajes de banho.

Segundo estudos feitos por arqueólogos, o arquipélago surgiu há aproximadamente 12 milhões de anos através de diversas erupções vulcânicas e a data oficial do seu descobrimento foi em 10 de agosto de 1503, sendo considerada a primeira capitania hereditária do país.

Mariana Ferret, 32 anos, mora em Itajaí, é formada em design de moda e pedagogia. Leciona artes visuais no Colégio Salesiano Itajaí e Unificado. Viajou para Fernando de Noronha em junho deste ano.


Página 3

Os encantos de Fernando de Noronha

Fotos Mariana Ferret

Por Mariana Ferret

O arquipélago de Fernando de Noronha no estado de Pernambuco, nordeste brasileiro, é um dos destinos mais procurados atualmente. Com uma extensão de 26 km² e vinte e uma ilhas, somente a ilha principal é habitada, as demais fazem parte do Parque Nacional Marinho e só podem ser visitadas com uma licença oficial do IBAMA.

Falando em preços, dependendo da época do ano as passagens ida e volta ficam em torno de R$ 2,5 mil

Para se ter uma ideia, um litro e meio de água custa no mercadinho R$ 8.

Noronha possui limite de visitantes, que precisam pagar uma taxa diária, a TPA (taxa de permanência ambiental), que custa R$ 64,25 por dia.

O Parque Nacional Marinho controla a visitação de diversas praias e trilhas e para ter acesso é necessário fazer um cartão que custa R$ 89 para brasileiros e R$ 178 para estrangeiros e é válido por dez dias. Essas taxas podem ser pagas antecipadamente pela internet e o cartão pode ser retirado em alguns pontos do parque.

BUGGY

Para a locomoção da ilha recomendam-se algumas opções: o aluguel de buggys, que custa em torno de R$ 200 por dia (não se esqueça de checar o estado do veículo antes de fechar o negócio e fique ligado, Noronha possui somente um posto de gasolina que possui horários restritos). Há ainda táxis ou ônibus (que passam a cada 30 min. A passagem custa R$ 3,10, mas ele transita na BR da ilha, para chegar nas praias é necessário fazer parte do trajeto andando). Há também os passeios guiados pelas agências de turismo da ilha (ver com antecedência disponibilidade de datas e horários).

A ilha principal é banhada pelo Mar de Dentro, que é a parte da ilha voltada para o Brasil e tem como característica as areias claras e águas transparentes. É oferecido pelos guias turísticos passeios como a prancha sub, onde você segura em uma pranchinha de acrílico e é puxado por uma lancha por volta de 50 min e consegue enxergar navios naufragados, tartarugas, inúmeras espécies de peixes, se der sorte (ou não) até alguns tubarões pagando R$100 por pessoa.

O passeio de barco que sai do porto de Santo Antônio abrange todas as praias do mar de dentro, passando pelo principal cartão postal de Noronha, o morro “Dois Irmãos”, pela Baía dos Golfinhos. Eles fazem uma pausa para mergulho na Baía do Sancho, onde é possível ver inúmeras espécies aquáticas usando apenas máscara e snorkel com uma visualização de 16m de profundidade, custo aproximado de R$ 120 por pessoa.

BAÍA DOS PORCOS

Outro passeio indispensável são as trilhas para a Baía do Sancho e a vista do alto dos Dois Irmãos, não deixe de levar água (acesso com a carteirinha do Parque Nacional Marinho). Outras praias que não podem ficar de fora do seu roteiro deste lado da ilha são: Praia do Cachorro (piscina natural, bica de água doce e um barzinho animado com um pôr-do-sol privilegiado), Conceição (a mais badalada da ilha, com bares atendendo na praia), Boldró (melhores tubos da ilha), Cacimba do Padre (hawaii brasileiro, palco de muitos eventos de surf, simplesmente a minha favorita), Baía dos Porcos (excelentes piscinas naturais para ver os habitantes aquáticos).

PONTA AIR FRANCE

O Mar de Fora tem como pigmentação um azul inexplicável. Suas praias possuem formações rochosas e é agitado pelos ventos vindos da África. A maior parte das praias deste lado da ilha faz parte do Parque Nacional Marinho e algumas possuem horários para visitação como a Baía do Sueste (das 9h às 16h), principal lugar de alimentação das tartarugas marinhas na ilha e a praia da Atalaia (número limitado de pessoas por dia) que é a maior piscina natural de Noronha. No Mar de Fora temos também outras praias sensacionais, como a Praia do Leão, o Buraco da Raquel, a Enseada dos Tubarões e a Ponta da Air France, todas excepcionais parecendo aquários infinitos.

ZÉ MARIA

Lugares que não podem faltar no roteiro: Projeto Tamar, Festival Gastronômico do Zé Maria (R$200 por pessoa, mas vale muito a pena, você vai comer de tudo e o quanto quiser), Vila dos Remédios (centrinho de Noronha, como bares, lojinhas e restaurantes).

A ilha possui três tipos de hospedagem: Hostel e casas de família (cerca de R$ 120 por dia), pousadas com café da manhã (o preço varia, pagamos R$ 280 por dia cada um) e as pousadas de luxo (aproximadamente R$ 1,2mil). A dica é levar dinheiro, muitos lugares ainda não aceitam cartões e lá é difícil para sacar. Repelente, protetor solar e calçado para caminhada não podem faltar, além dos trajes de banho.

Segundo estudos feitos por arqueólogos, o arquipélago surgiu há aproximadamente 12 milhões de anos através de diversas erupções vulcânicas e a data oficial do seu descobrimento foi em 10 de agosto de 1503, sendo considerada a primeira capitania hereditária do país.

Mariana Ferret, 32 anos, mora em Itajaí, é formada em design de moda e pedagogia. Leciona artes visuais no Colégio Salesiano Itajaí e Unificado. Viajou para Fernando de Noronha em junho deste ano.