Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Quem é o Al Ain, time que desbancou o River Plate no Mundial de Clubes

Quarta, 19/12/2018 8:57.

(FOLHAPRESS) - O Al Ain (EAU) surpreendeu o mundo do futebol nesta terça-feira (18) ao bater o favorito River Plate (ARG), nos pênaltis, na semifinal do Mundial de Clubes da Fifa.

Agora, a equipe anfitriã do torneio espera o vencedor de Real Madrid (ESP) e Kashima Antlers (JAP) para saber quem será seu adversário na decisão.

Fundado em 1968, o clube é o mais vitorioso dos Emirados Árabes Unidos e único no país a ter conquistado a Champions League da Ásia, em 2003. Esse poder local, no entanto, pode ser explicado pela proximidade da instituição com o poder.

O Al Ain é administrado pela família real e tinha como presidente de honra o xeque Zayed bin Sultan Al Nahyan, considerado o pai-fundador dos Emirados Árabes Unidos, que se tornaram independentes do Reino Unido em 1971, ano no qual iniciou-se seu governo. A presidência do xeque no poder da nação durou até 2004, quando morreu aos 86 anos de idade.

Na década de 1990, o clube chegou a ser presidido pelo Ministro da Cultura e Informação, o xeque Abdullah Bin Zayed Al Nahyan, filho do fundador.

No distintivo da equipe destaca-se um suntuoso edifício: o Forte Al Jahili. Construído na década de 1890, serviu de lar da família real dos Emirados. Foi incorporado à identidade visual do Al Ain em 1980 e nunca mais deixou de fazer parte do símbolo do clube.

O próprio site da Fifa diz, em perfil publicado em 2008, que "com tão proeminentes torcedores reais, não causou surpresa que o Al Ain tenha se tornado rapidamente o principal clube do país conquistando as competições locais seguidas vezes, incluindo três ligas consecutivas em 2001/2002, 2002/2003 e 2003/2004."

Entre os tantos títulos conquistados, os principais são os 13 campeonatos dos Emirados, as seis Copas do Presidente e uma Copa do Golfo, além da Champions asiática.

Desde 2014, manda seus jogos no estádio Hazza Bin Zayed, com capacidade para 25 mil pessoas.

No atual elenco, comandado pelo ex-meia croata Zoran Mimic, os jogadores de maior destaque são os atacantes Marcus Berg, 32, sueco com passagem por Hamburgo (ALE) e PSV (HOL), e o meia-atacante brasileiro Caio Lucas, 24, que jogou nas categorias de base do São Paulo e iniciou a carreira profissional no Kashima Antlers.

A relação com brasileiros, porém, não é tão nova. O clube já teve alguns técnicos do país, como Jair Picerni, Lori Sandri, Tite, Toninho Cerezo e Alexandre Gallo.

Na lista de ídolos estrangeiros, o próprio clube ressalta as trajetórias do brasileiro Claudio Adão, do chileno Jorge Valdivia e os ganeses Abedi Pelé e Asamoah Gyan, este último o maior artilheiro da história do Al Ain com 95 gols. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Especial

Festival de música eletrônica reuniu milhares de pessoas na virada do ano, em Rio Negrinho


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Quem é o Al Ain, time que desbancou o River Plate no Mundial de Clubes

Quarta, 19/12/2018 8:57.

(FOLHAPRESS) - O Al Ain (EAU) surpreendeu o mundo do futebol nesta terça-feira (18) ao bater o favorito River Plate (ARG), nos pênaltis, na semifinal do Mundial de Clubes da Fifa.

Agora, a equipe anfitriã do torneio espera o vencedor de Real Madrid (ESP) e Kashima Antlers (JAP) para saber quem será seu adversário na decisão.

Fundado em 1968, o clube é o mais vitorioso dos Emirados Árabes Unidos e único no país a ter conquistado a Champions League da Ásia, em 2003. Esse poder local, no entanto, pode ser explicado pela proximidade da instituição com o poder.

O Al Ain é administrado pela família real e tinha como presidente de honra o xeque Zayed bin Sultan Al Nahyan, considerado o pai-fundador dos Emirados Árabes Unidos, que se tornaram independentes do Reino Unido em 1971, ano no qual iniciou-se seu governo. A presidência do xeque no poder da nação durou até 2004, quando morreu aos 86 anos de idade.

Na década de 1990, o clube chegou a ser presidido pelo Ministro da Cultura e Informação, o xeque Abdullah Bin Zayed Al Nahyan, filho do fundador.

No distintivo da equipe destaca-se um suntuoso edifício: o Forte Al Jahili. Construído na década de 1890, serviu de lar da família real dos Emirados. Foi incorporado à identidade visual do Al Ain em 1980 e nunca mais deixou de fazer parte do símbolo do clube.

O próprio site da Fifa diz, em perfil publicado em 2008, que "com tão proeminentes torcedores reais, não causou surpresa que o Al Ain tenha se tornado rapidamente o principal clube do país conquistando as competições locais seguidas vezes, incluindo três ligas consecutivas em 2001/2002, 2002/2003 e 2003/2004."

Entre os tantos títulos conquistados, os principais são os 13 campeonatos dos Emirados, as seis Copas do Presidente e uma Copa do Golfo, além da Champions asiática.

Desde 2014, manda seus jogos no estádio Hazza Bin Zayed, com capacidade para 25 mil pessoas.

No atual elenco, comandado pelo ex-meia croata Zoran Mimic, os jogadores de maior destaque são os atacantes Marcus Berg, 32, sueco com passagem por Hamburgo (ALE) e PSV (HOL), e o meia-atacante brasileiro Caio Lucas, 24, que jogou nas categorias de base do São Paulo e iniciou a carreira profissional no Kashima Antlers.

A relação com brasileiros, porém, não é tão nova. O clube já teve alguns técnicos do país, como Jair Picerni, Lori Sandri, Tite, Toninho Cerezo e Alexandre Gallo.

Na lista de ídolos estrangeiros, o próprio clube ressalta as trajetórias do brasileiro Claudio Adão, do chileno Jorge Valdivia e os ganeses Abedi Pelé e Asamoah Gyan, este último o maior artilheiro da história do Al Ain com 95 gols. 

Publicidade

Publicidade