Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

F-1 inicia mais uma temporada com expectativa de duelo entre Hamilton e Vettel
F1.com

Quinta, 14/3/2019 10:07.

JULIANNE CERASOLI
MELBOURNE, AUSTRÁLIA (UOL/FOLHAPRESS) - A temporada de 2019 da Fórmula 1 promete ser o terceiro capítulo de uma briga que demorou anos para acontecer: Lewis Hamilton x Sebastian Vettel. E o terceiro ano do duelo começa desequilibrado a favor do inglês, que conquistou, por antecipação, os títulos de 2017 e 2018.

Em ambos os campeonatos, a Ferrari de Vettel começou melhor, mas perdeu terreno para a Mercedes de Hamilton e, para completar, o alemão errou muito mais que o inglês. Após os testes da pré-temporada, o cenário parece se repetir, com a escudeira italiana bastante rápida, e a equipe alemã revolucionando seu carro para tentar chegar nos ferraristas, que nesta temporada serão comandados pelo ex-diretor técnico Mattia Binotto.

"Todos querem o título", afirmou Hamilton. "Temos que esperar que a Ferrari vai dar um passo adiante e também que Sebastian estará mais forte neste ano. Então isso significa que nós temos que ser melhores. Tivemos boas brigas, e ano passado foi a minha favorita. Espero que possamos continuar nessa briga, tomara que com a Red Bull também porque isso seria bom para os fãs."

Vettel, por sua vez, desconversou quando perguntado pela reportagem sobre o que teria que fazer para começar a virar o jogo contra Hamilton. "Primeiro temos de saber onde nós estamos. Pode ser que a briga seja com a Red Bull por exemplo, ou com o Charles [Leclerc, seu companheiro na Ferrari], o que seria o melhor dos mundos. Mas, seja contra quem for, o segredo é só um: ganhar."

Hamilton e Vettel não são exatamente da mesma geração -o inglês, apesar de só dois anos mais velho, sempre esteve um passo à frente do alemão desde as categorias de base: quando estava lutando por títulos, Sebastian era estreante. Portanto, apesar de terem coincidido, por exemplo, na F-3, não foram rivais diretos.

A história acabou se repetindo por boa parte de suas carreiras na Fórmula 1. Ambos estrearam em 2007, mas em condições bem diferentes: Hamilton por uma das melhores equipes da época, a McLaren, e Vettel como substituto de um machucado Kubica andando no meio do pelotão inicialmente, na BMW, e depois em uma equipe mais próxima do fundo do que do meio naquele ano, a Toro Rosso.

Nos anos seguintes, a carreira dos dois passaria por uma inversão: a McLaren de Hamilton perdeu terreno com a mudança de regras de 2009, e a agora Red Bull, na época com Vettel, tornou-se a equipe mais forte, com quatro títulos do alemão entre entre 2010 e 2013.

O destino quis que os dois só se enfrentassem realmente mais maduros, com Hamilton agora na Mercedes, e Vettel na Ferrari. Tanto em 2017, quanto em 2018, foram dois erros do piloto alemão que começaram a fazer desmoronar uma vantagem que tinha sido construída até ali: no primeiro ano, ele perdeu a cabeça e jogou o carro em cima do rival no GP do Azerbaijão, e no segundo, bateu sozinho enquanto liderava no GP da Alemanha.

Paralelamente a isso, a Ferrari pecou no desenvolvimento do carro, enquanto a Mercedes foi passando, uma a uma, por cada prova que lhe era colocada: tanto em 2017, quanto em 2018, o time demorou algumas provas para se entender com os pneus, especialmente os mais macios e em asfaltos mais quentes, desenvolveu carro e motor -pela primeira vez seriamente ameaçado pela Ferrari ano passado- sem tropeços, manteve o ambiente saudável internamente, dando a base para Hamilton virar o jogo na pista.

Até por esse histórico, mesmo se vencer a corrida de abertura da temporada, em Melbourne, com treinos livres a partir das 22h desta quinta-feira (14) e corrida às 2h10 da madrugada do domingo (17), Vettel sabe que ainda terá muito campeonato pela frente para finalmente bater Hamilton.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

F-1 inicia mais uma temporada com expectativa de duelo entre Hamilton e Vettel

F1.com

Publicidade

Quinta, 14/3/2019 10:07.

JULIANNE CERASOLI
MELBOURNE, AUSTRÁLIA (UOL/FOLHAPRESS) - A temporada de 2019 da Fórmula 1 promete ser o terceiro capítulo de uma briga que demorou anos para acontecer: Lewis Hamilton x Sebastian Vettel. E o terceiro ano do duelo começa desequilibrado a favor do inglês, que conquistou, por antecipação, os títulos de 2017 e 2018.

Em ambos os campeonatos, a Ferrari de Vettel começou melhor, mas perdeu terreno para a Mercedes de Hamilton e, para completar, o alemão errou muito mais que o inglês. Após os testes da pré-temporada, o cenário parece se repetir, com a escudeira italiana bastante rápida, e a equipe alemã revolucionando seu carro para tentar chegar nos ferraristas, que nesta temporada serão comandados pelo ex-diretor técnico Mattia Binotto.

"Todos querem o título", afirmou Hamilton. "Temos que esperar que a Ferrari vai dar um passo adiante e também que Sebastian estará mais forte neste ano. Então isso significa que nós temos que ser melhores. Tivemos boas brigas, e ano passado foi a minha favorita. Espero que possamos continuar nessa briga, tomara que com a Red Bull também porque isso seria bom para os fãs."

Vettel, por sua vez, desconversou quando perguntado pela reportagem sobre o que teria que fazer para começar a virar o jogo contra Hamilton. "Primeiro temos de saber onde nós estamos. Pode ser que a briga seja com a Red Bull por exemplo, ou com o Charles [Leclerc, seu companheiro na Ferrari], o que seria o melhor dos mundos. Mas, seja contra quem for, o segredo é só um: ganhar."

Hamilton e Vettel não são exatamente da mesma geração -o inglês, apesar de só dois anos mais velho, sempre esteve um passo à frente do alemão desde as categorias de base: quando estava lutando por títulos, Sebastian era estreante. Portanto, apesar de terem coincidido, por exemplo, na F-3, não foram rivais diretos.

A história acabou se repetindo por boa parte de suas carreiras na Fórmula 1. Ambos estrearam em 2007, mas em condições bem diferentes: Hamilton por uma das melhores equipes da época, a McLaren, e Vettel como substituto de um machucado Kubica andando no meio do pelotão inicialmente, na BMW, e depois em uma equipe mais próxima do fundo do que do meio naquele ano, a Toro Rosso.

Nos anos seguintes, a carreira dos dois passaria por uma inversão: a McLaren de Hamilton perdeu terreno com a mudança de regras de 2009, e a agora Red Bull, na época com Vettel, tornou-se a equipe mais forte, com quatro títulos do alemão entre entre 2010 e 2013.

O destino quis que os dois só se enfrentassem realmente mais maduros, com Hamilton agora na Mercedes, e Vettel na Ferrari. Tanto em 2017, quanto em 2018, foram dois erros do piloto alemão que começaram a fazer desmoronar uma vantagem que tinha sido construída até ali: no primeiro ano, ele perdeu a cabeça e jogou o carro em cima do rival no GP do Azerbaijão, e no segundo, bateu sozinho enquanto liderava no GP da Alemanha.

Paralelamente a isso, a Ferrari pecou no desenvolvimento do carro, enquanto a Mercedes foi passando, uma a uma, por cada prova que lhe era colocada: tanto em 2017, quanto em 2018, o time demorou algumas provas para se entender com os pneus, especialmente os mais macios e em asfaltos mais quentes, desenvolveu carro e motor -pela primeira vez seriamente ameaçado pela Ferrari ano passado- sem tropeços, manteve o ambiente saudável internamente, dando a base para Hamilton virar o jogo na pista.

Até por esse histórico, mesmo se vencer a corrida de abertura da temporada, em Melbourne, com treinos livres a partir das 22h desta quinta-feira (14) e corrida às 2h10 da madrugada do domingo (17), Vettel sabe que ainda terá muito campeonato pela frente para finalmente bater Hamilton.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade