Jornal Página 3

Agronegócio é galinha dos ovos de ouro no Brasil, diz presidente da New Holland
Divulgação.
Carlo Lambro: há fazendas no Brasil que são grandes como uma região da Itália, imagine.
Carlo Lambro: há fazendas no Brasil que são grandes como uma região da Itália, imagine.

Terça, 10/1/2017 17:33.

ESTELITA HASS CARAZZAI
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - Presidente mundial da montadora New Holland, que atua com tratores e colheitadeiras, o italiano Carlo Lambro vem ao Brasil de dois em dois meses. E não só por causa do pão de queijo, que devora com vontade durante uma entrevista para a reportagem.
"O Brasil é uma das áreas mais importantes para a empresa; tem um potencial enorme", diz Lambro. "A crise não mudou nada nossos planos de investimento."

Em dezembro, ele esteve em Curitiba, sede de uma das fábricas do grupo. Ao lado do vice-presidente para a América Latina, Alessandro Maritano, balançava a cabeça em consentimento quando o colega falou que o agronegócio é "a galinha dos ovos de ouro" da economia brasileira.

"O setor não vai ser impactado facilmente por mudanças políticas, porque tem um peso muito grande. Quem mexer pode matar a galinha dos ovos de ouro", diz Maritano, que lidera as operações no Brasil.

Para os executivos, o agronegócio tem ajudado a arrefecer a crise e pode impor uma marca positiva no PIB brasileiro ainda em 2017.

"Há fazendas no Brasil que são grandes como uma região da Itália. Milhares de hectares, imagine", comenta Lambro. "É um nível de investimento e abertura muito maior."

A empresa, que trabalha especialmente com pequenos e médios agricultores, viu uma retração nas vendas nos últimos dois anos: caíram entre 50% e 60%, uma "queda dramática", segundo Lambro.

A partir de outubro, houve uma "tendência de inversão". Em novembro, as vendas da New Holland quase dobraram em relação ao mesmo mês de 2015 -e a expectativa é positiva para 2017.

O italiano prevê um crescimento de 15% a 20% no mercado de máquinas agrícolas brasileiro. A New Holland detém 31% dele em colheitadeiras e 18% em tratores.

Para Lambro, a instabilidade política brasileira causou mais prejuízo do que a crise econômica em si, ao mexer com as expectativas dos agricultores. "O agricultor brasileiro gosta de investir no seu negócio. Mas, se o quadro não é positivo, ele espera."

A escolha do sojicultor Blairo Maggi como ministro da Agricultura, por sua vez, deu segurança ao setor, segundo Maritano, e ajudou a retomar investimentos.

Para o futuro, a empresa aposta em combustíveis renováveis: está em fase final de testes no Brasil um trator movido a biometano, com dejetos de animais ou biomassa. O equipamento está em testes no interior do Paraná, numa parceria com a Itaipu Binacional. 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade