Jornal Página 3

Vale sobe mais de 6% e impulsiona Bolsa; dólar fica quase estável

EULINA OLIVEIRA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações da Vale foram o destaque da Bolsa nesta terça-feira (10). Os papéis PNA da mineradora foram os mais negociados nesta sessão e tiveram alta de 6,29%, a R$ 26,17, enquanto os ON ganharam 7,69%, a R$ 28,54.

O motivo para a forte alta foi o avanço de mais de 2% do minério de ferro na China, principal mercado da Vale. Também animou os investidores o índice de preços ao produtor da China, que, impulsionado pela maior demanda por matérias-primas, saltou 5,5% em dezembro na comparação com o ano anterior. Foi a maior alta desde setembro de 2011.

O dado chinês superou as expectativas de analistas consultados pela agência Bloomberg, que esperavam aumento de 4,6% do índice.

Com a forte valorização dos papéis da Vale, o Ibovespa encerrou o pregão em alta de 0,70%, aos 62.131,80 pontos. O giro financeiro foi de R$ 6,1 bilhões.

As ações da Petrobras subiram 0,97% (PN) e 1,67% (ON), apesar da queda do petróleo no mercado internacional. Analistas consideraram positiva a captação externa de US$ 4 bilhões realizada na véspera pela estatal, com o alongamento de sua dívida.

No setor financeiro, Itaú Unibanco PN caiu 0,33%; Bradesco PN e ON ficaram estáveis; Banco do Brasil ON subiu 1,36%; Santander unit caiu 0,16% e BM&FBovespa ON, +1,87%.

As maiores quedas do Ibovespa foram lideradas por Cielo ON, com -3,34%.

CÂMBIO E JUROS

O dólar terminou a sessão praticamente estável ante o real. A moeda americana à vista caiu 0,01%, a R$ 3,1979, enquanto o dólar comercial subiu 0,03%, a R$ 3,1990.

Para Cleber Alessie, operador de câmbio da corretora H.Commcor, os investidores preferiram a cautela, aguardando os eventos desta quarta-feira (11). "Teremos amanhã o IPCA de dezembro, que pode recalibrar as apostas para o corte da taxa básica dos juros, a decisão do Copom à noite e, no cenário externo, a fala de Trump", afirma.

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump dará uma entrevista coletiva, e os investidores aguardam indicações de como será o seu governo. As expectativas são de que o republicano eleve os gastos públicos, aquecendo a economia e acelerando a inflação, o que levaria a uma alta mais rápida dos juros americanos.

O mercado de juros futuros negociados na BM&FBovespa fechou em queda, refletindo as estimativas de um corte de pelo menos 0,50 ponto percentual taxa básica de juros nesta quarta-feira. Atualmente, a taxa está em 13,75% ao ano.

O contrato de DI para janeiro de 2018 recuou de 11,365% para 11,330%; o DI para janeiro de 2021 caiu de 11,190% para 11,100%; e o DI para janeiro de 2026 cedeu de 11,510% para 11,400%.

Se o IPCA de dezembro vier abaixo do esperado, as apostas de redução de 0,75 ponto percentual da Selic devem ganhar mais força, e os juros futuros devem cair ainda mais. As projeções de analistas consultados pela Bloomberg são de que o índice oficial de inflação tenha ficado em 0,34% em dezembro e em 6,34% em 2016. 


Quarta, 11/1/2017 5:38.
Publicidade


Colunistas
por Céres Fabiana Felski
por Waldemar Cezar Neto
por Sonia Tetto
por Augusto Cesar Diegoli
por Saint Clair Nickelle
Cultura

Na programação 76 filmes, feira, cursos e palestras  


Cidade

A deste ano com 20 escalas nem começou e a próxima já prevê 35% de crescimento 


Esportes

Aqui será conhecida a melhor associação do Estado


Saúde

O alerta maior é para que todos façam a sua parte  


Cidade

Aplicativo é voltado para turistas e moradores 


Variedades

Neste final de semana 


Cidade

Balneário Camboriú, o Atracadouro e o empreendedor foram os vencedores neste ano


Cidade

Decreto quer reduzir impacto no trânsito


Cidade

Administração segue sem apresentar proposta objetiva sobre IPTU 


Publicidade

Projetos têm nomes de árvores nativas e podem ser adequados ao gosto dos clientes


Publicidade