Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
MARIA DA PENHA - Casa das Anas reforça a importância de denunciar a violência doméstica

Lei de proteção a mulheres completa 12 anos nesta terça-feira

Terça, 7/8/2018 8:11.
Divulgação.

Publicidade

(Peter Lee Grando) - A Lei Maria da Penha completa nesta terça, dia 07 de Agosto, 12 anos de aprovação e nesta data a Casa das Anas reforça a importância de denunciar a violência doméstica e familiar contra a mulher. Atualmente, a casa localizada em Balneário Camboriú, conta com 14 internas, incluindo mulheres e crianças.

“Gostaríamos de conclamar a toda a comunidade para que nos ajude nessa batalha. Nenhum sorriso pode ser silenciado, denuncie todo e qualquer tipo de violência contra a mulher”, enfatizou a coordenadora da Casa das Anas, Mariana Torres Roveda.

Segundo pesquisa realizada em 2017 pelo Datafolha, uma em cada três mulheres sofreram algum tipo de violência no último ano no Brasil - e o agressor, em 61% dos casos, é um conhecido. A pesquisa mostrou ainda que 19% dos agressores eram companheiros atuais das vítimas e, 16%, ex-companheiros. Em 43% a agressão mais grave foi dentro de casa. Outro número alarmante apontado pelo Datafolha foi que em 52% dos casos, a vítima não procurou ajuda ou não denunciou o agressor.

Saiba mais sobre a Lei

A Lei Maria da Penha foi sancionada em 7 de agosto de 2006, e é considerada pela Organização das Nações Unidas como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Desde 18 de abril, a lei tornou-se mais rígida. O desrespeito a medidas protetivas passa a ser crime, ocasionando prisão preventiva e pena de três meses a dois anos na prisão ao suspeito.

As medidas protetivas protegem as mulheres que estão na iminência de sofrer algum tipo de violência e muitas vezes evita que um crime aconteça.

Durante esses 12 anos, a Lei Maria da Penha contribuiu para uma diminuição de cerca de 10% na taxa de homicídios contra mulheres praticados dentro das residências das vítimas.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação.

MARIA DA PENHA - Casa das Anas reforça a importância de denunciar a violência doméstica

Lei de proteção a mulheres completa 12 anos nesta terça-feira

Publicidade

Terça, 7/8/2018 8:11.

(Peter Lee Grando) - A Lei Maria da Penha completa nesta terça, dia 07 de Agosto, 12 anos de aprovação e nesta data a Casa das Anas reforça a importância de denunciar a violência doméstica e familiar contra a mulher. Atualmente, a casa localizada em Balneário Camboriú, conta com 14 internas, incluindo mulheres e crianças.

“Gostaríamos de conclamar a toda a comunidade para que nos ajude nessa batalha. Nenhum sorriso pode ser silenciado, denuncie todo e qualquer tipo de violência contra a mulher”, enfatizou a coordenadora da Casa das Anas, Mariana Torres Roveda.

Segundo pesquisa realizada em 2017 pelo Datafolha, uma em cada três mulheres sofreram algum tipo de violência no último ano no Brasil - e o agressor, em 61% dos casos, é um conhecido. A pesquisa mostrou ainda que 19% dos agressores eram companheiros atuais das vítimas e, 16%, ex-companheiros. Em 43% a agressão mais grave foi dentro de casa. Outro número alarmante apontado pelo Datafolha foi que em 52% dos casos, a vítima não procurou ajuda ou não denunciou o agressor.

Saiba mais sobre a Lei

A Lei Maria da Penha foi sancionada em 7 de agosto de 2006, e é considerada pela Organização das Nações Unidas como uma das três melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres.

Desde 18 de abril, a lei tornou-se mais rígida. O desrespeito a medidas protetivas passa a ser crime, ocasionando prisão preventiva e pena de três meses a dois anos na prisão ao suspeito.

As medidas protetivas protegem as mulheres que estão na iminência de sofrer algum tipo de violência e muitas vezes evita que um crime aconteça.

Durante esses 12 anos, a Lei Maria da Penha contribuiu para uma diminuição de cerca de 10% na taxa de homicídios contra mulheres praticados dentro das residências das vítimas.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade