Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Número de brasileiros barrados na Europa cresce 50% em 2018

Quinta, 13/12/2018 7:18.

GIULIANA MIRANDA
LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - A quantidade de brasileiros impedidos de entrar na Europa nos primeiros seis meses de 2018 aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o mais recente relatório da Frontex, a agência de fronteiras europeia.

Entre janeiro e junho deste ano, 2.225 cidadãos do Brasil foram barrados no continente. Isso equivale a mais de 12 pessoas impedidas de entrar na Europa diariamente. O país está na nona posição entre as nacionalidades mais afetadas.

Se consideradas apenas as entradas negadas nos aeroportos, a situação é ainda mais representativa. Os brasileiros só perdem para os cidadãos da Albânia entre as nacionalidades com mais recusas de entrada na União Europeia.

Segundo a Frontex, a maioria dos casos aconteceu porque os brasileiros não possuíam a "documentação apropriada para justificar o motivo da viagem e as condições da estadia".

Ou seja: um forte indicativo de que essas pessoas poderiam imigrar irregularmente para o velho continente.

O número de brasileiros impedidos de entrar na Europa já foi bem maior. Em 2008, por exemplo, mais de 11 mil cidadãos do país não puderam entrar no continente.

Os números caíram significativamente ao longo dos anos, até chegarem ao mínimo de 2.313 barrados em 2014.

Desde que a crise política e econômica se intensificou no Brasil, no entanto, as dificuldades nas fronteiras europeias têm aumentado. O número de barrados saltou para 3.701 em 2016: uma alta de mais de 60% em dois anos.

Em 2017, o número voltou a cair, ficando em 3.143. Neste ano, a tendência de alta foi registrada novamente.

A quantidade crescente de deportações também sinaliza o aumento de migrantes brasileiros sem a documentação adequada para a viagem.

Nos primeiros seis meses de 2018, 1.037 brasileiros foram forçados a sair da União Europeia –uma alta de 35% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em Portugal, uma das principais portas de entrada dos brasileiros para a Europa, a quantidade de pessoas impedidas de entrar no país também segue em alta.

Após atingir o mínimo histórico em 2013, quando apenas 299 pessoas foram barradas, os números não param de subir. Em 2017, 1.336 brasileiros foram recusados pelas autoridades em Portugal.

Números do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) divulgados pelo jornal Expresso indicam que, até 31 de agosto de 2018, 1.655 cidadãos do Brasil foram impedidos de entrar em território português.

Isso representa um aumento de 23,8% em relação ao total do ano anterior, que já havia sido de alta.

Na semana passada, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, prometeu reforços financeiros e tecnológicos para acelerar os milhares de processos de visto e de nacionalidade que se acumulam, sobretudo nas repartições brasileiras.

Segundo informações do Ministério da Justiça português, há mais de 40 mil pedidos de cidadania portuguesa pendentes, a maioria oriundos de cidadãos brasileiros. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Número de brasileiros barrados na Europa cresce 50% em 2018

Publicidade

Quinta, 13/12/2018 7:18.

GIULIANA MIRANDA
LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) - A quantidade de brasileiros impedidos de entrar na Europa nos primeiros seis meses de 2018 aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o mais recente relatório da Frontex, a agência de fronteiras europeia.

Entre janeiro e junho deste ano, 2.225 cidadãos do Brasil foram barrados no continente. Isso equivale a mais de 12 pessoas impedidas de entrar na Europa diariamente. O país está na nona posição entre as nacionalidades mais afetadas.

Se consideradas apenas as entradas negadas nos aeroportos, a situação é ainda mais representativa. Os brasileiros só perdem para os cidadãos da Albânia entre as nacionalidades com mais recusas de entrada na União Europeia.

Segundo a Frontex, a maioria dos casos aconteceu porque os brasileiros não possuíam a "documentação apropriada para justificar o motivo da viagem e as condições da estadia".

Ou seja: um forte indicativo de que essas pessoas poderiam imigrar irregularmente para o velho continente.

O número de brasileiros impedidos de entrar na Europa já foi bem maior. Em 2008, por exemplo, mais de 11 mil cidadãos do país não puderam entrar no continente.

Os números caíram significativamente ao longo dos anos, até chegarem ao mínimo de 2.313 barrados em 2014.

Desde que a crise política e econômica se intensificou no Brasil, no entanto, as dificuldades nas fronteiras europeias têm aumentado. O número de barrados saltou para 3.701 em 2016: uma alta de mais de 60% em dois anos.

Em 2017, o número voltou a cair, ficando em 3.143. Neste ano, a tendência de alta foi registrada novamente.

A quantidade crescente de deportações também sinaliza o aumento de migrantes brasileiros sem a documentação adequada para a viagem.

Nos primeiros seis meses de 2018, 1.037 brasileiros foram forçados a sair da União Europeia –uma alta de 35% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em Portugal, uma das principais portas de entrada dos brasileiros para a Europa, a quantidade de pessoas impedidas de entrar no país também segue em alta.

Após atingir o mínimo histórico em 2013, quando apenas 299 pessoas foram barradas, os números não param de subir. Em 2017, 1.336 brasileiros foram recusados pelas autoridades em Portugal.

Números do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) divulgados pelo jornal Expresso indicam que, até 31 de agosto de 2018, 1.655 cidadãos do Brasil foram impedidos de entrar em território português.

Isso representa um aumento de 23,8% em relação ao total do ano anterior, que já havia sido de alta.

Na semana passada, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, prometeu reforços financeiros e tecnológicos para acelerar os milhares de processos de visto e de nacionalidade que se acumulam, sobretudo nas repartições brasileiras.

Segundo informações do Ministério da Justiça português, há mais de 40 mil pedidos de cidadania portuguesa pendentes, a maioria oriundos de cidadãos brasileiros. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade