Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Nível do rio Camboriú volta ao normal, mas risco permanece

Sem reserva de água bruta, cidades dependem da chuva

Quinta, 20/12/2018 9:40.
Nível da água nos pontos monitorados.

Publicidade

As chuvas das últimas horas normalizaram o nível da água em três dos quatro pontos de monitoramento da Epagri na bacia do rio Camboriú.

Eles estão situados no rio do Braço, no rio Pequeno e na estação de captação de água bruta da Emasa em frente ao colégio agrícola.

Um ponto indica emergência, o do rio Canoas, mas ele sempre sofre em períodos de estiagem.

Por volta de 8h30 desta manhã a medição da Emasa na captação indicava 1,31m, a água já estava passando por cima da barragem que tem 1,25m.

No entanto, a Emasa estava captando 518 litros por segundo de água bruta e isso é a metade do necessário nos próximos dias quando a praia lotar de turistas para as festas de final de ano.

Se aumentar a captação, na situação atual, é possível que o nível baixe rapidamente e o sistema entre em colapso.

Camboriú e Balneário Camboriú praticamente não possuem reservação de água bruta e o estoque de água tratada é pequeno, suficiente para poucas horas. Por isso o abastecimento depende de chuvas regulares.

Por sua vez a maior parte da população desconhece o rio que lhe garante a vida. Episódios de estiagem trazem à tona este desconhecimento, as pessoas demonstram através de comentários em redes sociais que não compreendem como é frágil o equilíbrio entre ter e não ter água disponível.

A solução proposta é desapropriar áreas de arrozeiras para criar um parque inundável. O projeto, com custo superior a R$ 1 milhão, ficará pronto em abril, para as discussões com a sociedade.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Nível da água nos pontos monitorados.
Nível da água nos pontos monitorados.

Nível do rio Camboriú volta ao normal, mas risco permanece

Sem reserva de água bruta, cidades dependem da chuva

Publicidade

Quinta, 20/12/2018 9:40.

As chuvas das últimas horas normalizaram o nível da água em três dos quatro pontos de monitoramento da Epagri na bacia do rio Camboriú.

Eles estão situados no rio do Braço, no rio Pequeno e na estação de captação de água bruta da Emasa em frente ao colégio agrícola.

Um ponto indica emergência, o do rio Canoas, mas ele sempre sofre em períodos de estiagem.

Por volta de 8h30 desta manhã a medição da Emasa na captação indicava 1,31m, a água já estava passando por cima da barragem que tem 1,25m.

No entanto, a Emasa estava captando 518 litros por segundo de água bruta e isso é a metade do necessário nos próximos dias quando a praia lotar de turistas para as festas de final de ano.

Se aumentar a captação, na situação atual, é possível que o nível baixe rapidamente e o sistema entre em colapso.

Camboriú e Balneário Camboriú praticamente não possuem reservação de água bruta e o estoque de água tratada é pequeno, suficiente para poucas horas. Por isso o abastecimento depende de chuvas regulares.

Por sua vez a maior parte da população desconhece o rio que lhe garante a vida. Episódios de estiagem trazem à tona este desconhecimento, as pessoas demonstram através de comentários em redes sociais que não compreendem como é frágil o equilíbrio entre ter e não ter água disponível.

A solução proposta é desapropriar áreas de arrozeiras para criar um parque inundável. O projeto, com custo superior a R$ 1 milhão, ficará pronto em abril, para as discussões com a sociedade.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade