Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Canudinho é reciclável, e plástico não faz mal à saúde, diz presidente da Fiesp

Quarta, 18/7/2018 16:43.

Publicidade

TAÍS HIRATA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Há muitas notícias falsas e estudos sem embasamento que levaram à má fama do plástico, segundo José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e da Abiplast, associação que representa a indústria dos transformados plásticos.

No momento em que vários países e empresas estão abandonando o uso do canudo plástico pelos danos que causariam ao meio ambiente, ele diz que os canudinhos e outros descartáveis representam uma parcela mínima do consumo total do material.

"Esse barulho todo é canudinho e copo, que não dá 2%. Às vezes um cara pega o negócio de canudinho, tem uma baleia lá, põe os canudinhos na boca dela", diz.

O empresário minimiza o impacto da ingestão do plástico pelo ser humano, diante de pesquisas que encontraram microplásticos até mesmo na água da torneira.

"Plástico é hidrogênio e carbono. O stent [tubo usado em procedimento médico], a prótese, tudo é feito de plástico, isso não faz mal nenhum ao ser humano", afirma.

A indústria tem buscado alternativas sustentáveis, diz Roriz, como o desenvolvimento de embalagens mais finas, com menos matéria-prima.

No entanto, a mudança não é imediata, diz. "Meu sonho é comer o alimento e a embalagem, que nem sorvete e casquinha. Mas não existe. Estamos sendo desafiados, isso é bom, isso move a cadeia."

PERGUNTA - O plástico se tornou alvo de uma série de campanhas de ambientalistas. Como isso afeta a indústria?

JOSÉ RICARDO RORIZ COELHO - O plástico é aproveitado em todos segmentos da economia -80% requerem larga duração. Na construção civil, se puder durar a eternidade, melhor ainda. Para aquele plástico de utilização rápida, o ideal é que seja reciclado. Isso requer educação, coleta adequada, desenvolvimento de mercados para o plástico reciclável.

PERGUNTA - Qual é o papel da indústria?

JC - É fabricar produtos mais amigáveis ao meio ambiente, que sejam facilmente reciclados. Toda matéria prima plástica pode ser 100% reciclada. Mas tem coisas que não são percebidas. Muita gente gosta de embalagem com dez cores. A partir do momento que se faz isso, dificulta a reciclagem.

O plástico é um produto novo, que aumentou sua participação rapidamente nos últimos anos. E por que? Porque é barato e traz benefício grande. Graças ao plástico, há menos lixo hoje, há produtos mais baratos.

P. - Como assim tem menos lixo?

JC - É um produto leve e resistente. A embalagem de feijão, por exemplo. Em um mundo sem plástico, você usaria papel, que tem espessura maior, que rasga. Existe uma conta, feita por empresas especializadas, de que caso não existisse o plástico, o volume de lixo gerado seria três vezes maior, porque seriam usados outros materiais de maior peso.

P. - A parte da indústria tem sido feita?

JC - Sim. Tem pressão do consumidor e das empresas.

P. - Esse esforço é suficiente?

JC - Sim, mas isso não é feito de uma hora para a outra. Tem também pressão das pessoas por produtos mais cômodos, embalagens individuais.

P. - Qual pressão é mais forte?

JC - As duas. Vai depender muito da educação do consumidor.

P. - Mas colocar na conta da educação do consumidor não é se livrar do problema?

JC - Não. Vou te dar um exemplo fácil. Se vai em comunidade com menos educação, o lixo está à vista.

P. - O que a indústria de plásticos tem feito?

JC - Muitas vezes, o cliente [indústria compradora do plástico] cobra um produto ambientalmente sustentável, mas pede dez cores, quer misturar materiais, o que dificulta a reciclagem. O nosso papel [indústria fornecedora] é mostrar para eles que, ao fazer isso, estão indo contra a economia circular.

P. - Há muita resistência?

JC - Muitas vezes o pessoal de marketing está preocupado em vender, está disputando espaço na prateleira, está disputando a preferência do consumidor. São coisas antagônicas.

P. - Quem são as principais indústrias compradoras de plástico?

JC - A primeira é a de embalagens de alimentos, bebidas, cosméticos. Depois, vêm a construção e o setor automobilístico.

P. - Qual é o peso do plástico que o consumidor usa, o canudinho, a sacola?

JC - O canudinho e todas as embalagens descartáveis são cerca de 2,1% do total. Esse barulho todo de [poluição no] mar é canudinho e copo, que não dá 2%.

P. - Há certo exagero, então?

JC - Às vezes um cara pega o negócio de canudinho, tem uma baleia lá, põe os canudinhos na boca dela e fala que ela... o material é reciclável, o canudinho é a coisa mais fácil de reciclar.

P. - Mas se é tão simples, por que tem tanto lixo plástico, até mesmo na água da torneira?

JC - Sim, um estudo [feito pela organização Orb Media, com participação da Folha e análise da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Minnesota, nos EUA] mostrou que tem plástico até mesmo na água da pia.

Esses estudos não tem comprovação científica nenhuma. E se tiver, o plástico é hidrogênio e carbono. O stent [tubo usado em procedimento médico], a prótese, tudo é feito de plástico, isso não faz mal nenhum ao ser humano.

P. - Há uma evolução?

JC - Essa discussão é ótima. Meu sonho é colocar o alimento no micro-ondas e comer o alimento e a embalagem, que nem sorvete e casquinha. Mas não existe. Estamos sendo desafiados, isso é bom, isso move a cadeia. Para nós, quanto mais pressão tiver melhor, mas pressão no bom sentido. Dizer que os oceanos vão ficar cheios de plástico... O problema é também a visibilidade do descarte. Se joga vidro, metal, ele afunda, e o plástico não. Você vê o plástico e acha que os outros não existem.

P. - O que tem sido feito em inovação?

JC - Embalagens que possam ser mais reaproveitadas, com menos matéria prima e ter um tempo de prateleira maior. A partir do momento que elevo validade do produto, perco menos produto, além de usar menos logística para levar e trazer. E há a linha de desenvolver materiais de fontes que façam parte da economia circular. Posso fazer um polímero de batata, mandioca, cana. São os bioplásticos.

P. - Os bioplásticos já são realidade?

JC - Têm participação pequena ainda, ficam bem mais caros, e isso encareceria o preço do produto final. É algo que será complementar.  


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Canudinho é reciclável, e plástico não faz mal à saúde, diz presidente da Fiesp

Publicidade

Quarta, 18/7/2018 16:43.

TAÍS HIRATA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Há muitas notícias falsas e estudos sem embasamento que levaram à má fama do plástico, segundo José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e da Abiplast, associação que representa a indústria dos transformados plásticos.

No momento em que vários países e empresas estão abandonando o uso do canudo plástico pelos danos que causariam ao meio ambiente, ele diz que os canudinhos e outros descartáveis representam uma parcela mínima do consumo total do material.

"Esse barulho todo é canudinho e copo, que não dá 2%. Às vezes um cara pega o negócio de canudinho, tem uma baleia lá, põe os canudinhos na boca dela", diz.

O empresário minimiza o impacto da ingestão do plástico pelo ser humano, diante de pesquisas que encontraram microplásticos até mesmo na água da torneira.

"Plástico é hidrogênio e carbono. O stent [tubo usado em procedimento médico], a prótese, tudo é feito de plástico, isso não faz mal nenhum ao ser humano", afirma.

A indústria tem buscado alternativas sustentáveis, diz Roriz, como o desenvolvimento de embalagens mais finas, com menos matéria-prima.

No entanto, a mudança não é imediata, diz. "Meu sonho é comer o alimento e a embalagem, que nem sorvete e casquinha. Mas não existe. Estamos sendo desafiados, isso é bom, isso move a cadeia."

PERGUNTA - O plástico se tornou alvo de uma série de campanhas de ambientalistas. Como isso afeta a indústria?

JOSÉ RICARDO RORIZ COELHO - O plástico é aproveitado em todos segmentos da economia -80% requerem larga duração. Na construção civil, se puder durar a eternidade, melhor ainda. Para aquele plástico de utilização rápida, o ideal é que seja reciclado. Isso requer educação, coleta adequada, desenvolvimento de mercados para o plástico reciclável.

PERGUNTA - Qual é o papel da indústria?

JC - É fabricar produtos mais amigáveis ao meio ambiente, que sejam facilmente reciclados. Toda matéria prima plástica pode ser 100% reciclada. Mas tem coisas que não são percebidas. Muita gente gosta de embalagem com dez cores. A partir do momento que se faz isso, dificulta a reciclagem.

O plástico é um produto novo, que aumentou sua participação rapidamente nos últimos anos. E por que? Porque é barato e traz benefício grande. Graças ao plástico, há menos lixo hoje, há produtos mais baratos.

P. - Como assim tem menos lixo?

JC - É um produto leve e resistente. A embalagem de feijão, por exemplo. Em um mundo sem plástico, você usaria papel, que tem espessura maior, que rasga. Existe uma conta, feita por empresas especializadas, de que caso não existisse o plástico, o volume de lixo gerado seria três vezes maior, porque seriam usados outros materiais de maior peso.

P. - A parte da indústria tem sido feita?

JC - Sim. Tem pressão do consumidor e das empresas.

P. - Esse esforço é suficiente?

JC - Sim, mas isso não é feito de uma hora para a outra. Tem também pressão das pessoas por produtos mais cômodos, embalagens individuais.

P. - Qual pressão é mais forte?

JC - As duas. Vai depender muito da educação do consumidor.

P. - Mas colocar na conta da educação do consumidor não é se livrar do problema?

JC - Não. Vou te dar um exemplo fácil. Se vai em comunidade com menos educação, o lixo está à vista.

P. - O que a indústria de plásticos tem feito?

JC - Muitas vezes, o cliente [indústria compradora do plástico] cobra um produto ambientalmente sustentável, mas pede dez cores, quer misturar materiais, o que dificulta a reciclagem. O nosso papel [indústria fornecedora] é mostrar para eles que, ao fazer isso, estão indo contra a economia circular.

P. - Há muita resistência?

JC - Muitas vezes o pessoal de marketing está preocupado em vender, está disputando espaço na prateleira, está disputando a preferência do consumidor. São coisas antagônicas.

P. - Quem são as principais indústrias compradoras de plástico?

JC - A primeira é a de embalagens de alimentos, bebidas, cosméticos. Depois, vêm a construção e o setor automobilístico.

P. - Qual é o peso do plástico que o consumidor usa, o canudinho, a sacola?

JC - O canudinho e todas as embalagens descartáveis são cerca de 2,1% do total. Esse barulho todo de [poluição no] mar é canudinho e copo, que não dá 2%.

P. - Há certo exagero, então?

JC - Às vezes um cara pega o negócio de canudinho, tem uma baleia lá, põe os canudinhos na boca dela e fala que ela... o material é reciclável, o canudinho é a coisa mais fácil de reciclar.

P. - Mas se é tão simples, por que tem tanto lixo plástico, até mesmo na água da torneira?

JC - Sim, um estudo [feito pela organização Orb Media, com participação da Folha e análise da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Minnesota, nos EUA] mostrou que tem plástico até mesmo na água da pia.

Esses estudos não tem comprovação científica nenhuma. E se tiver, o plástico é hidrogênio e carbono. O stent [tubo usado em procedimento médico], a prótese, tudo é feito de plástico, isso não faz mal nenhum ao ser humano.

P. - Há uma evolução?

JC - Essa discussão é ótima. Meu sonho é colocar o alimento no micro-ondas e comer o alimento e a embalagem, que nem sorvete e casquinha. Mas não existe. Estamos sendo desafiados, isso é bom, isso move a cadeia. Para nós, quanto mais pressão tiver melhor, mas pressão no bom sentido. Dizer que os oceanos vão ficar cheios de plástico... O problema é também a visibilidade do descarte. Se joga vidro, metal, ele afunda, e o plástico não. Você vê o plástico e acha que os outros não existem.

P. - O que tem sido feito em inovação?

JC - Embalagens que possam ser mais reaproveitadas, com menos matéria prima e ter um tempo de prateleira maior. A partir do momento que elevo validade do produto, perco menos produto, além de usar menos logística para levar e trazer. E há a linha de desenvolver materiais de fontes que façam parte da economia circular. Posso fazer um polímero de batata, mandioca, cana. São os bioplásticos.

P. - Os bioplásticos já são realidade?

JC - Têm participação pequena ainda, ficam bem mais caros, e isso encareceria o preço do produto final. É algo que será complementar.  


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade