Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Capital Inicial e Paralamas se unem em cruzeiro pós-Carnaval

Quarta, 6/3/2019 10:23.

Publicidade

GILMARA SANTOS
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Duas semanas após o término do Carnaval, haverá o cruzeiro Energia na Veia que promete manter a folia viva com "hits" dos anos 1980 e 1990. O cruzeiro acontece entre os dias 15 e 18 de março, e vai reunir atrações como Capital Inicial, Roupa Nova, Paralamas do Sucesso e Jorge Ben Jor.

"É uma experiência surpreendente. É uma sensação de isolamento e confinamento ao mesmo tempo em que estamos em um contato direto e muito próximo com os fãs. É algo inexplicável", afirma o cantor Dinho Ouro Preto, vocalista da banda Capital Inicial.

Ele conta que a primeira vez que esteve em um cruzeiro foi em 2017, quando se apresentou no Energia na Veia, e que está ansioso. "É um público diferente. São fãs mais fervorosos e dispostos a ter proximidade com os artistas", diz. E lembra que, da última vez, não era incomum vê-lo bebendo e comendo com os fãs.

"Senti uma camaradagem, vontade das pessoas de conversar e ao mesmo tempo uma calma. A experiência inteira foi fascinante", completa.

O Capital Inicial começou de maneira despretensiosa no início dos anos 1980 e se transformou em uma das maiores bandas do país. Para Dinho, o fato de o grupo estar sempre olhando para o futuro contribui para manter o sucesso. "Não sou religioso nem supersticioso, mas de algum modo, estávamos no lugar certo na hora certa."

O cruzeiro será realizado no navio MSC Seaview, que é o maior da costa brasileira e possui até duas tirolesas de 105 metros. O valor sai de R$ 4.068 por pessoa em cabine dupla mais taxas (mais barato que o de Roberto Carlos) -quase todas as cabines já estão esgotadas. Serão 72 horas de festas. Além dos shows com as bandas consagradas, há DJs, festas temáticas e show de stand-up. A saída e a chegada acontecem em Santos, no litoral paulista.

João Barone, baterista do grupo Os Paralamas do Sucesso, conta que é a primeira vez que participa de um cruzeiro aberto ao público. Há seis anos, eles já tinham feito show a bordo de um navio, mas era um evento fechado.

Para ele, esse tipo de cruzeiro é uma resposta a uma demanda que existe: a de fazer uma viagem em um navio com atrações. "Esses roteiros temáticos a gente ouve falar muito com banda de heavy metal, o próprio Roberto Carlos tem feito esse tipo de cruzeiro. Um público muito direcionado. É interessante ter essa demanda e responder a ela com um cruzeiro."


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Capital Inicial e Paralamas se unem em cruzeiro pós-Carnaval

Publicidade

Quarta, 6/3/2019 10:23.

GILMARA SANTOS
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Duas semanas após o término do Carnaval, haverá o cruzeiro Energia na Veia que promete manter a folia viva com "hits" dos anos 1980 e 1990. O cruzeiro acontece entre os dias 15 e 18 de março, e vai reunir atrações como Capital Inicial, Roupa Nova, Paralamas do Sucesso e Jorge Ben Jor.

"É uma experiência surpreendente. É uma sensação de isolamento e confinamento ao mesmo tempo em que estamos em um contato direto e muito próximo com os fãs. É algo inexplicável", afirma o cantor Dinho Ouro Preto, vocalista da banda Capital Inicial.

Ele conta que a primeira vez que esteve em um cruzeiro foi em 2017, quando se apresentou no Energia na Veia, e que está ansioso. "É um público diferente. São fãs mais fervorosos e dispostos a ter proximidade com os artistas", diz. E lembra que, da última vez, não era incomum vê-lo bebendo e comendo com os fãs.

"Senti uma camaradagem, vontade das pessoas de conversar e ao mesmo tempo uma calma. A experiência inteira foi fascinante", completa.

O Capital Inicial começou de maneira despretensiosa no início dos anos 1980 e se transformou em uma das maiores bandas do país. Para Dinho, o fato de o grupo estar sempre olhando para o futuro contribui para manter o sucesso. "Não sou religioso nem supersticioso, mas de algum modo, estávamos no lugar certo na hora certa."

O cruzeiro será realizado no navio MSC Seaview, que é o maior da costa brasileira e possui até duas tirolesas de 105 metros. O valor sai de R$ 4.068 por pessoa em cabine dupla mais taxas (mais barato que o de Roberto Carlos) -quase todas as cabines já estão esgotadas. Serão 72 horas de festas. Além dos shows com as bandas consagradas, há DJs, festas temáticas e show de stand-up. A saída e a chegada acontecem em Santos, no litoral paulista.

João Barone, baterista do grupo Os Paralamas do Sucesso, conta que é a primeira vez que participa de um cruzeiro aberto ao público. Há seis anos, eles já tinham feito show a bordo de um navio, mas era um evento fechado.

Para ele, esse tipo de cruzeiro é uma resposta a uma demanda que existe: a de fazer uma viagem em um navio com atrações. "Esses roteiros temáticos a gente ouve falar muito com banda de heavy metal, o próprio Roberto Carlos tem feito esse tipo de cruzeiro. Um público muito direcionado. É interessante ter essa demanda e responder a ela com um cruzeiro."


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade