Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Imperatriz Leopoldinense e Império Serrano são rebaixadas no Rio

Quinta, 7/3/2019 5:48.

Publicidade

(FOLHAPRESS) - No Carnaval do Rio de Janeiro, a Imperatriz Leopoldinense e a Império Serrano foram rebaixadas com 266,6 e 263,8 pontos (contra 270 da campeã Mangueira).

A Imperatriz, uma das mais famosas escolas do Rio e conhecida por desfiles luxuosos durante anos, nunca havia sido rebaixada. Seus últimos títulos foram em 1999, 2000 e 2001, com a carnavalesca Rosa Magalhães.

Penúltima escola do primeiro dia de desfiles da Sapucaí, a Imperatriz Leopoldinense foi a primeira a ter problemas técnicos na avenida. A escola desfilou com um samba que é uma crítica à forma como as pessoas se relacionam com dinheiro.

O carro abre alas teve um problema técnico causando um buraco entre as duas primeiras alas e o restante da escola.

Já a Império Serrano, que voltou ao Grupo Especial em 2018, abriu o Carnaval do Rio e transformou em samba a clássica "O que é, o que é", de Gonzaguinha. A escola de Madureira (zona norte carioca) homenageou a composição de 1982 neste ano, usando a própria música como samba-enredo.

A decisão enfrentou resistência no início, mas foi mantida. O desfile começou com a visão da ciência sobre a vida e passou pelos conceitos das religiões, por como as pessoas enxergam a vida e pelo seu lado bom e ruim. Trouxe também a "pureza da resposta das crianças" e o descaso de políticos na saúde.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Imperatriz Leopoldinense e Império Serrano são rebaixadas no Rio

Publicidade

Quinta, 7/3/2019 5:48.

(FOLHAPRESS) - No Carnaval do Rio de Janeiro, a Imperatriz Leopoldinense e a Império Serrano foram rebaixadas com 266,6 e 263,8 pontos (contra 270 da campeã Mangueira).

A Imperatriz, uma das mais famosas escolas do Rio e conhecida por desfiles luxuosos durante anos, nunca havia sido rebaixada. Seus últimos títulos foram em 1999, 2000 e 2001, com a carnavalesca Rosa Magalhães.

Penúltima escola do primeiro dia de desfiles da Sapucaí, a Imperatriz Leopoldinense foi a primeira a ter problemas técnicos na avenida. A escola desfilou com um samba que é uma crítica à forma como as pessoas se relacionam com dinheiro.

O carro abre alas teve um problema técnico causando um buraco entre as duas primeiras alas e o restante da escola.

Já a Império Serrano, que voltou ao Grupo Especial em 2018, abriu o Carnaval do Rio e transformou em samba a clássica "O que é, o que é", de Gonzaguinha. A escola de Madureira (zona norte carioca) homenageou a composição de 1982 neste ano, usando a própria música como samba-enredo.

A decisão enfrentou resistência no início, mas foi mantida. O desfile começou com a visão da ciência sobre a vida e passou pelos conceitos das religiões, por como as pessoas enxergam a vida e pelo seu lado bom e ruim. Trouxe também a "pureza da resposta das crianças" e o descaso de políticos na saúde.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade