Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Balneário Camboriú e Camboriú podem ficar sem água ainda neste domingo

Decisão de desligar as bombas pode ser tomada a qualquer momento

Domingo, 13/10/2019 16:14.
John Doe.
Desvio feito por arrozeiros mais uma vez coloca população em risco.

Publicidade

O desvio de água para arrozeiras, associado ao baixo volume de chuvas, pode deixar Balneário Camboriú e Camboriú sem abastecimento ainda na tarde deste domingo.

O baixo nível do rio Camboriú no ponto de captação de água bruta em frente ao Colégio Agrícola começou dois dias atrás, com o desvio feito para as lavouras de arroz.

Havia a expectativa que ontem pela manhã os arrozeiros liberassem água, mas isso não ocorreu.

Hoje pela manhã a Emasa foi à justiça pedindo uma liminar que obrigasse os arrozeiros a liberarem água, com intervenção da polícia se necessário, mas a juíza negou alegando que não pode haver urgência no pedido se a Emasa teve tempo suficiente para ajuizar e obter a garantia da prestação jurisdicional no horário normal do expediente.



Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
John Doe.
Desvio feito por arrozeiros mais uma vez coloca população em risco.
Desvio feito por arrozeiros mais uma vez coloca população em risco.

Balneário Camboriú e Camboriú podem ficar sem água ainda neste domingo

Decisão de desligar as bombas pode ser tomada a qualquer momento

Publicidade

Domingo, 13/10/2019 16:14.

O desvio de água para arrozeiras, associado ao baixo volume de chuvas, pode deixar Balneário Camboriú e Camboriú sem abastecimento ainda na tarde deste domingo.

O baixo nível do rio Camboriú no ponto de captação de água bruta em frente ao Colégio Agrícola começou dois dias atrás, com o desvio feito para as lavouras de arroz.

Havia a expectativa que ontem pela manhã os arrozeiros liberassem água, mas isso não ocorreu.

Hoje pela manhã a Emasa foi à justiça pedindo uma liminar que obrigasse os arrozeiros a liberarem água, com intervenção da polícia se necessário, mas a juíza negou alegando que não pode haver urgência no pedido se a Emasa teve tempo suficiente para ajuizar e obter a garantia da prestação jurisdicional no horário normal do expediente.



Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade