Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Frente fria deve se intensificar no Sul, Sudeste e Centro-Oeste

Entenda a diferença entrealguns tipos de precipitações

Sexta, 21/8/2020 5:08.
EBC.

Publicidade

Por Ludimila Honorato
A intensa frente fria que avança sobre o Brasil já provocou mudança de tempo em toda a região Sul e no Sudeste, com registro de chuva congelada e neve na Serra Gaúcha nesta quinta-feira, 20 No Centro-Oeste, a chuva trazida pelo deslocamento da massa de origem polar ficou mais concentrada em Mato Grosso do Sul. Rondônia e Acre também já sentem os efeitos. A previsão para esta sexta-feira, 21, é de mais neve no Sul, frio mais intenso no Sudeste e Centro-Oeste, e queda de temperatura no sul da Amazônia.

O avanço do clima mais frio pelo País segue como o previsto. "Está bem dentro do que estava esperando. A frente fria já mudou o tempo em toda a região sul, em São Paulo, Rio de Janeiro, está em Mato Grosso do Sul e mudou o tempo em Mato Grosso e Rondônia, provocando chuva e queda de temperatura", explica Marcelo Pinheiro, meteorologista da Climatempo. Em São Paulo, a queda de temperatura virá acompanhada de chuva.

Em Campo Grande, os termômetros não passaram de 15ºC nesta quinta-feira, 20 - mudança drástica em relação ao dia anterior, quando chegaram a marcar perto de 29ºC. Na cidade de São Paulo, a máxima foi de 17ºC. "É uma frente fria grande, extensa, de bastante abrangência sobre o Brasil e vai ainda influenciar muitas áreas do País nesta sexta feira", diz Pinheiro.

Uma frente fria separa duas massas diferentes de ar: uma mais seca e quente e outra mais fria, que neste caso tem origem polar e é forte. É como se, aos poucos, ela estivesse substituindo uma pela outra. Além das baixas temperaturas, ela traz chuva e vento forte conforme se desloca do sul ao norte do País. A precipitação foi vista em Santa Catarina, no Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Mato Grosso do Sul. Goiás e Mato Grosso tiveram apenas chuvisco.

E mesmo avançando por uma grande extensão territorial, essa massa fria não perde força. "É um sistema muito organizado e muito forte", diz o meteorologista. Sendo assim, ela vai continuar derrubando temperaturas pelo Brasil e de forma rápida. Nesta quarta-feira, 19, por exemplo, Cuiabá registrou máxima de 41ºC, mas passou para 28°C nesta quinta-feira.

Neve no Sul

Algumas pequenos flocos de neve já começaram a cair no Sul do Brasil no fim da tarde desta quinta-feira, além de registro de chuva congelada. Esse fenômeno ocorre quando a precipitação que já se encontra em ambiente frio dentro da nuvem entra em contato com a atmosfera um pouco mais quente, mas volta a congelar após se deparar com nova camada de ar frio. A mudança de tempo já elevou a procura por hotéis na Serra Gaúcha.

A chance de nevar aumenta com a elevação do frio e persistência da nebulosidade. As serras Gaúcha e Catarinense poderão ver mais neve nesta sexta-feira, mas áreas de menor altitude também poderão ser afetadas. Regiões mais altas no sul do Paraná têm chance de ver os flocos de neve.

Próximos dias em SP e Rio

A frente fria chegou ao Rio de Janeiro nesta quinta, com chuva e frio. Segundo a Climatempo, há risco de chuva forte e volumosa no Estado do Rio de Janeiro na sexta-feira e no sábado, especialmente na faixa litorânea. "A previsão ainda é de predomínio de céu nublado e chuva no domingo", informa o serviço meteorológico. Na sexta, os termômetros marcam máxima de 21ºC e mínima de 16ºC. O fim de semana deve ser de chuva e garoa, ainda com baixas temperaturas.

No Estado de São Paulo, o frio deve se intensificar, com chuva durante todo o dia, temperatura máxima de 13ºC, começo de queda a partir das 14h e mínima de 10ºC a partir das 18h. O fim de semana deve ser chuvoso durante o dia no sábado, com céu ainda nublado à noite, que permanece no domingo, com chances de garoa durante todo o dia.

Entenda as diferenças

O meteorologista Marcelo Pinheiro ajuda a entender alguns tipos de precipitações, além da geada, que se forma fora da nuvem. Confira:

Neve: apesar do aspecto "fofo", a neve é considerada uma precipitação sólida, formada por um aglomerado de cristais de gelo. Ela cai da nuvem em formato de floco e na cor branca, sem derreter no trajeto até o solo.

Chuva congelada: enquanto a neve se forma dentro da nuvem, a chuva congelada, que pode ser confundida com neve, é formada fora da nuvem. Esse fenômeno ocorre quando a precipitação fria dentro da nuvem sai dela e passa por uma camada de ar mais quente, com temperatura acima de 0ºC, mas volta a congelar ao se deparar com nova camada de ar frio. O material cai em forma de gelo, mas não se trata de granizo.

Chuva congelante: esse fenômeno acontece de forma parecida com a chuva congelada, mas a diferença é que a precipitação congela novamente quando entra em contato com uma superfície gelada, e não ainda no ar.

Geada: a geada não cai da nuvem e precisa de uma condição de clima totalmente diferente. Ela se forma devido ao resfriamento intenso de uma superfície, como vegetação ou telhado. A formação dela ocorre em baixas temperaturas, mas depende também das condições de nebulosidade, precipitação e intensidade dos ventos


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.

Frente fria deve se intensificar no Sul, Sudeste e Centro-Oeste

Entenda a diferença entrealguns tipos de precipitações

Publicidade

Sexta, 21/8/2020 5:08.

Por Ludimila Honorato
A intensa frente fria que avança sobre o Brasil já provocou mudança de tempo em toda a região Sul e no Sudeste, com registro de chuva congelada e neve na Serra Gaúcha nesta quinta-feira, 20 No Centro-Oeste, a chuva trazida pelo deslocamento da massa de origem polar ficou mais concentrada em Mato Grosso do Sul. Rondônia e Acre também já sentem os efeitos. A previsão para esta sexta-feira, 21, é de mais neve no Sul, frio mais intenso no Sudeste e Centro-Oeste, e queda de temperatura no sul da Amazônia.

O avanço do clima mais frio pelo País segue como o previsto. "Está bem dentro do que estava esperando. A frente fria já mudou o tempo em toda a região sul, em São Paulo, Rio de Janeiro, está em Mato Grosso do Sul e mudou o tempo em Mato Grosso e Rondônia, provocando chuva e queda de temperatura", explica Marcelo Pinheiro, meteorologista da Climatempo. Em São Paulo, a queda de temperatura virá acompanhada de chuva.

Em Campo Grande, os termômetros não passaram de 15ºC nesta quinta-feira, 20 - mudança drástica em relação ao dia anterior, quando chegaram a marcar perto de 29ºC. Na cidade de São Paulo, a máxima foi de 17ºC. "É uma frente fria grande, extensa, de bastante abrangência sobre o Brasil e vai ainda influenciar muitas áreas do País nesta sexta feira", diz Pinheiro.

Uma frente fria separa duas massas diferentes de ar: uma mais seca e quente e outra mais fria, que neste caso tem origem polar e é forte. É como se, aos poucos, ela estivesse substituindo uma pela outra. Além das baixas temperaturas, ela traz chuva e vento forte conforme se desloca do sul ao norte do País. A precipitação foi vista em Santa Catarina, no Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Mato Grosso do Sul. Goiás e Mato Grosso tiveram apenas chuvisco.

E mesmo avançando por uma grande extensão territorial, essa massa fria não perde força. "É um sistema muito organizado e muito forte", diz o meteorologista. Sendo assim, ela vai continuar derrubando temperaturas pelo Brasil e de forma rápida. Nesta quarta-feira, 19, por exemplo, Cuiabá registrou máxima de 41ºC, mas passou para 28°C nesta quinta-feira.

Neve no Sul

Algumas pequenos flocos de neve já começaram a cair no Sul do Brasil no fim da tarde desta quinta-feira, além de registro de chuva congelada. Esse fenômeno ocorre quando a precipitação que já se encontra em ambiente frio dentro da nuvem entra em contato com a atmosfera um pouco mais quente, mas volta a congelar após se deparar com nova camada de ar frio. A mudança de tempo já elevou a procura por hotéis na Serra Gaúcha.

A chance de nevar aumenta com a elevação do frio e persistência da nebulosidade. As serras Gaúcha e Catarinense poderão ver mais neve nesta sexta-feira, mas áreas de menor altitude também poderão ser afetadas. Regiões mais altas no sul do Paraná têm chance de ver os flocos de neve.

Próximos dias em SP e Rio

A frente fria chegou ao Rio de Janeiro nesta quinta, com chuva e frio. Segundo a Climatempo, há risco de chuva forte e volumosa no Estado do Rio de Janeiro na sexta-feira e no sábado, especialmente na faixa litorânea. "A previsão ainda é de predomínio de céu nublado e chuva no domingo", informa o serviço meteorológico. Na sexta, os termômetros marcam máxima de 21ºC e mínima de 16ºC. O fim de semana deve ser de chuva e garoa, ainda com baixas temperaturas.

No Estado de São Paulo, o frio deve se intensificar, com chuva durante todo o dia, temperatura máxima de 13ºC, começo de queda a partir das 14h e mínima de 10ºC a partir das 18h. O fim de semana deve ser chuvoso durante o dia no sábado, com céu ainda nublado à noite, que permanece no domingo, com chances de garoa durante todo o dia.

Entenda as diferenças

O meteorologista Marcelo Pinheiro ajuda a entender alguns tipos de precipitações, além da geada, que se forma fora da nuvem. Confira:

Neve: apesar do aspecto "fofo", a neve é considerada uma precipitação sólida, formada por um aglomerado de cristais de gelo. Ela cai da nuvem em formato de floco e na cor branca, sem derreter no trajeto até o solo.

Chuva congelada: enquanto a neve se forma dentro da nuvem, a chuva congelada, que pode ser confundida com neve, é formada fora da nuvem. Esse fenômeno ocorre quando a precipitação fria dentro da nuvem sai dela e passa por uma camada de ar mais quente, com temperatura acima de 0ºC, mas volta a congelar ao se deparar com nova camada de ar frio. O material cai em forma de gelo, mas não se trata de granizo.

Chuva congelante: esse fenômeno acontece de forma parecida com a chuva congelada, mas a diferença é que a precipitação congela novamente quando entra em contato com uma superfície gelada, e não ainda no ar.

Geada: a geada não cai da nuvem e precisa de uma condição de clima totalmente diferente. Ela se forma devido ao resfriamento intenso de uma superfície, como vegetação ou telhado. A formação dela ocorre em baixas temperaturas, mas depende também das condições de nebulosidade, precipitação e intensidade dos ventos


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade