Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Após outra obra com indício de fraude prefeito Fabrício chama o Ministério Público

Aparentemente é mais uma “reforma sem acréscimo de área”, dessa vez na rua 2300

Sexta, 14/2/2020 6:49.
Waldemar Cezar Neto

Publicidade

A suposta reforma de uma residência, sem acréscimo de área, na rua 2300, se transformou na construção de um prédio de três pavimentos para fins comerciais, o que aumenta os indícios de corrupção na secretaria de Planejamento de Balneário Camboriú.

Há várias semanas o Página 3 vem noticiando indícios de corrupção em outra obra, também uma alegada reforma, na Terceira Avenida com rua 2050, e esse novo caso na rua 2300 fortalece a necessidade de uma investigação mais ampla por parte da controladoria da prefeitura e do Ministério Público.

Alegar que é reforma quando se trata de uma nova construção traz uma série de vantagens ao interessado, tanto nos trâmites quanto nos padrões de ocupação e uso do solo determinados pelas legislações mais atuais.

Existe a suspeita de que esse tipo de fraude se repetiu várias vezes na prefeitura.

Foram fraudes na secretaria do Planejamento que culminaram, em fevereiro de 2017, no assassinato do engenheiro Sérgio Renato Silva, quando ele estava prestes a denunciar ao Ministério Público os envolvidos numa organização criminosa que atuava naquela repartição.

SEM REGISTRO

A assessoria de gabinete do prefeito informou que a obra da rua 2300 não tem projeto de reforma ou construção protocolado.

Um engenheiro telefonou para o Página 3 na manhã desta sexta-feira, disse que a obra tem aprovação do município e que encaminhará os documentos ao jornal.

No tapume da obra consta que ali será instalado o HD-Hospital do Dente e nessa empresa informaram que são inquilinos, alugaram o espaço para ocuparem quando a obra for concluída.

A pessoa que atendeu a reportagem disse que avisaria o encarregado da obra para entrar em contato com o jornal -o que não ocorreu- e enviou a ameaça do advogado do HD-Hospital do Dente de que o nome dessa empresa não deveria ser citado na reportagem sob pena de processo judicial.

O Página 3 obteve durante a semana, mas extraviou em função de defeito num celular, cópia de um registro supostamente da prefeitura para reforma sem acréscimo de área e fotos e filmes mostrando que até os alicerces da casa que havia sobre o terreno foram removidos com trator para dar lugar à nova construção.

A obra de “reforma sem acréscimo de área” passou a ocupar quase a totalidade do terreno; a ter mais do que o dobro da altura e a ocupação que era residencial será comercial.

Vizinhos relatam que sucessivas reclamações à prefeitura resultaram inúteis o que reforça a suspeita de que as fraudes podem envolver mais de um servidor do município.

PREFEITO CHAMOU O MP

O prefeito Fabrício Oliveira determinou que a secretaria de Controle Governamental e Transparência Pública encaminhe ao Ministério Público o relatório da auditoria da obra da Terceira Avenida, instaurada por iniciativa dele mesmo.

Além dessa obra, ele mandou que o Controle reveja todas as autorizações dos últimos 12 meses o que parece um espaço de tempo inadequado porque a obra da rua 2300, por exemplo, é de 2018.

Se a obra não tiver registro nos arquivos, como informou a prefeitura que é o caso da rua 2300, a fraude não será detectada pelos auditores com revisão de papelada, seria necessário pesquisa em campo.

O secretário do Planejamento, o vice-prefeito Carlos Humberto Metzner Silva, disse ao Página 3 que se constatadas irregularidades “irei pessoalmente registrar BO na polícia”.

(Nota: o celular da reportagem mudou para 47 99209 3819)

COMO ERA A CASA

COMO FICOU APÓS A "REFORMA"


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Waldemar Cezar Neto

Após outra obra com indício de fraude prefeito Fabrício chama o Ministério Público

Aparentemente é mais uma “reforma sem acréscimo de área”, dessa vez na rua 2300

Publicidade

Sexta, 14/2/2020 6:49.

A suposta reforma de uma residência, sem acréscimo de área, na rua 2300, se transformou na construção de um prédio de três pavimentos para fins comerciais, o que aumenta os indícios de corrupção na secretaria de Planejamento de Balneário Camboriú.

Há várias semanas o Página 3 vem noticiando indícios de corrupção em outra obra, também uma alegada reforma, na Terceira Avenida com rua 2050, e esse novo caso na rua 2300 fortalece a necessidade de uma investigação mais ampla por parte da controladoria da prefeitura e do Ministério Público.

Alegar que é reforma quando se trata de uma nova construção traz uma série de vantagens ao interessado, tanto nos trâmites quanto nos padrões de ocupação e uso do solo determinados pelas legislações mais atuais.

Existe a suspeita de que esse tipo de fraude se repetiu várias vezes na prefeitura.

Foram fraudes na secretaria do Planejamento que culminaram, em fevereiro de 2017, no assassinato do engenheiro Sérgio Renato Silva, quando ele estava prestes a denunciar ao Ministério Público os envolvidos numa organização criminosa que atuava naquela repartição.

SEM REGISTRO

A assessoria de gabinete do prefeito informou que a obra da rua 2300 não tem projeto de reforma ou construção protocolado.

Um engenheiro telefonou para o Página 3 na manhã desta sexta-feira, disse que a obra tem aprovação do município e que encaminhará os documentos ao jornal.

No tapume da obra consta que ali será instalado o HD-Hospital do Dente e nessa empresa informaram que são inquilinos, alugaram o espaço para ocuparem quando a obra for concluída.

A pessoa que atendeu a reportagem disse que avisaria o encarregado da obra para entrar em contato com o jornal -o que não ocorreu- e enviou a ameaça do advogado do HD-Hospital do Dente de que o nome dessa empresa não deveria ser citado na reportagem sob pena de processo judicial.

O Página 3 obteve durante a semana, mas extraviou em função de defeito num celular, cópia de um registro supostamente da prefeitura para reforma sem acréscimo de área e fotos e filmes mostrando que até os alicerces da casa que havia sobre o terreno foram removidos com trator para dar lugar à nova construção.

A obra de “reforma sem acréscimo de área” passou a ocupar quase a totalidade do terreno; a ter mais do que o dobro da altura e a ocupação que era residencial será comercial.

Vizinhos relatam que sucessivas reclamações à prefeitura resultaram inúteis o que reforça a suspeita de que as fraudes podem envolver mais de um servidor do município.

PREFEITO CHAMOU O MP

O prefeito Fabrício Oliveira determinou que a secretaria de Controle Governamental e Transparência Pública encaminhe ao Ministério Público o relatório da auditoria da obra da Terceira Avenida, instaurada por iniciativa dele mesmo.

Além dessa obra, ele mandou que o Controle reveja todas as autorizações dos últimos 12 meses o que parece um espaço de tempo inadequado porque a obra da rua 2300, por exemplo, é de 2018.

Se a obra não tiver registro nos arquivos, como informou a prefeitura que é o caso da rua 2300, a fraude não será detectada pelos auditores com revisão de papelada, seria necessário pesquisa em campo.

O secretário do Planejamento, o vice-prefeito Carlos Humberto Metzner Silva, disse ao Página 3 que se constatadas irregularidades “irei pessoalmente registrar BO na polícia”.

(Nota: o celular da reportagem mudou para 47 99209 3819)

COMO ERA A CASA

COMO FICOU APÓS A "REFORMA"


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade