Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
CPI para investigar obras na Câmara de Vereadores está engavetada

Quinta, 6/2/2020 8:09.
Google.

Publicidade

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada em 3 de dezembro do ano passado, para investigar obras na Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú, está desde então “engavetada” ´pelo presidente do Legislativo, Omar Tomalih, que tinha prazo legal até 13 de dezembro para constituir a Comissão.

Essas obras, pelas quais foram pagos mais de R$ 1.167.483,00, atrasaram quase um ano e foram mal executadas, segundo relatório de engenheiro contratado pela própria Câmara de Vereadores.

A CPI foi requerida pelo vereador Marcelo Achutti e subscrita por Aldemar “Bola” Pereira; André Meirinho; Arlindo Cruz; Gelson Rodrigues; Joceli Nazari; Leonardo Piruka; Lucas Gotardo; Nena Amorim; Omar Tomalih; Patrick Machado e Pedro Francez.

“Temos que instalar a CPI, já faz 2 meses que ela foi aprovada e após a instalação temos que analisar todos os pagamentos, chamar o fiscal da obra, para nos prestar informações. No meu ponto de vista não deveria ter pago nada em 2019”, resumiu Achutti.

Ele se refere a pagamentos no valor de R$ 529.589‬,00 feitos em 2019 à empreiteira, quando a obra já estava atrasada e com fortes indícios de irregularidades.

Esses pagamentos foram autorizados por Tomalih, portanto se ele tivesse constituído a CPI também estaria sendo investigado.

Consultado através da sua assessoria de comunicação, Tomalih alegou que “a mesa diretora só pode instituir a CPI com a indicação dos membros pelos partidos. Não cabe ao presidente indicar os membros. Está tudo dentro do prazo por conta do recesso parlamentar”.

Em verdade a legislação estabelece que o recesso parlamentar não interfere no andamento de CPIs, elas podem funcionar nas férias dos vereadores.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Google.

CPI para investigar obras na Câmara de Vereadores está engavetada

Publicidade

Quinta, 6/2/2020 8:09.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada em 3 de dezembro do ano passado, para investigar obras na Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú, está desde então “engavetada” ´pelo presidente do Legislativo, Omar Tomalih, que tinha prazo legal até 13 de dezembro para constituir a Comissão.

Essas obras, pelas quais foram pagos mais de R$ 1.167.483,00, atrasaram quase um ano e foram mal executadas, segundo relatório de engenheiro contratado pela própria Câmara de Vereadores.

A CPI foi requerida pelo vereador Marcelo Achutti e subscrita por Aldemar “Bola” Pereira; André Meirinho; Arlindo Cruz; Gelson Rodrigues; Joceli Nazari; Leonardo Piruka; Lucas Gotardo; Nena Amorim; Omar Tomalih; Patrick Machado e Pedro Francez.

“Temos que instalar a CPI, já faz 2 meses que ela foi aprovada e após a instalação temos que analisar todos os pagamentos, chamar o fiscal da obra, para nos prestar informações. No meu ponto de vista não deveria ter pago nada em 2019”, resumiu Achutti.

Ele se refere a pagamentos no valor de R$ 529.589‬,00 feitos em 2019 à empreiteira, quando a obra já estava atrasada e com fortes indícios de irregularidades.

Esses pagamentos foram autorizados por Tomalih, portanto se ele tivesse constituído a CPI também estaria sendo investigado.

Consultado através da sua assessoria de comunicação, Tomalih alegou que “a mesa diretora só pode instituir a CPI com a indicação dos membros pelos partidos. Não cabe ao presidente indicar os membros. Está tudo dentro do prazo por conta do recesso parlamentar”.

Em verdade a legislação estabelece que o recesso parlamentar não interfere no andamento de CPIs, elas podem funcionar nas férias dos vereadores.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade