Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Cães de busca e salvamento dos Bombeiros de Santa Catarina fazem serviço noturno e são referência

Terça, 7/7/2020 14:55.
Divulgação/CorpoBombeiros/SC
Parizotto (colete vermelho) e sua equipe

Publicidade

Em junho, o Página 3 publicou reportagem sobre o Grupo de Operações, Resgate e Salvamento com Cães (GORSC), que tem unidade em Balneário Camboriú. Na ocasião, o coordenador operacional do grupo em Balneário e também bombeiro voluntário, Andersom Gutz, citou uma ocorrência atendida em Nova Trento, porque os Bombeiros não entraram na mata à noite.

Esta semana, o Tenente Coronel Walter Parizotto, coordenador do Serviço de Busca e Resgate com Cães do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, entrou em contato com a reportagem para informar que não existe o protocolo que impede a atuação noturna dos bombeiros em situações como a descrita na reportagem de junho. Ele afirmou que o caso será investigado.

Serviço com Cães faz buscas noturnas

A matéria publicada pelo Página 3 em 26 de junho apresentou o trabalho do GORSC em Balneário. O coordenador Andersom citou um caso ocorrido há três meses em Nova Trento, onde os cães do Grupo trabalharam a pedido da Polícia Militar, quando um adolescente de 16 anos, autista, se perdeu na mata e anoiteceu. Andersom disse para a reportagem que, quando anoitece, os bombeiros têm um protocolo onde não trabalham nesse período na mata.

Porém, o Tenente Parizotto contestou a informação, afirmando que é nesse período que as ações de busca com cães são intensificadas.

Parizotto lembrou que na região de Balneário os Bombeiros possuem cães certificados em Brusque, Biguaçu, Blumenau e Itajaí, mas afirmou que o caso será investigado para apurar por qual motivo o GORSC foi chamado naquela ocasião e não os cães da corporação.

“Priorizamos os cães para o trabalho noturno, inclusive eles realizam provas de certificação e treinamentos que demonstram a capacidade que possuem para trabalhar a noite. Em Nova Trento há cães próximos, como em Governador Celso Ramos e também Itajaí e Brusque”, explicou.

O coordenador do GORSC, Andersom, foi procurado e confirmou que já atenderam duas ocorrências noturnas por conta da ausência dos Bombeiros, uma em Nova Trento (a citada na matéria do Página 3 por ele) e outra em Balneário. “Na ocorrência de Nova Trento em específico o próprio Chefe de Socorro dos Bombeiros informou que eles não entram na mata à noite devido aos riscos para a guarnição, e foi justamente por causa desta declaração que a Polícia Militar nos acionou. Ao chegar no local conversei com os policiais, eles informaram que nos acionaram porque os Bombeiros não queriam adentrar na mata e os policiais ficaram sem ação, sem ter o que oferecer de recursos para a família, e por isso nos acionaram”, informou

Os cães do Corpo de Bombeiros

Atualmente, o Corpo de Bombeiros de Santa Catarina conta com seis cães em atuação: Iron, em Xanxerê, Hunter, em Curitibanos, Chewbacca, em Canoinhas, Bravo, em Blumenau, Zaara em Brusque e Marley na Grande Florianópolis. Há mais seis em treinamento. A ideia é até 2021 esse número chegar a 15, para que cada batalhão do Estado tenha pelo menos um cão – que são todos da raça Labrador, sendo a sexta geração.

“Distribuímos eles pelo Estado, pois hoje não temos um canil centralizado, a exemplo de São Paulo. Eles foram distribuídos logisticamente para que estejam a uma hora no máximo para chegarem em todas as cidades do Estado”, comenta o Tenente Coronel Parizotto.

Ice ficou famoso

Um cão que ficou conhecido nacionalmente foi o Ice, de Itajaí, que se aposentou em 2018. Ele é filho de um cão do Coronel, e é avô de alguns que estão em atividade.

“Tentamos manter a linhagem de cães, fizemos um estudo genético para saber se eles podem ter algumas doenças, como cegueira e displasia. Hoje temos somente duas fêmeas que podem cruzar. Uma das netas do Ice teve ninhada ano passado e distribuímos os filhotes dela por todo o Estado, e também para outros lugares do Brasil. Já enviamos cães até para a Argentina e Chile, mas a prioridade é atender SC. Se há filhotes excedentes, compartilhamos”, destaca.

Estado é referência

O coordenador do Serviço aproveita para lembrar que o cão é um ser vivo e que pode ser afetado por problemas de saúde, como diarreia, ou as fêmeas podem entrar no cio, o que acaba intervindo no trabalho; mas afirma que eles são fundamentais, tornando as buscas mais rápidas, eficientes e econômicas: um cão tem a capacidade de varrer um espaço assim como uma equipe de 30 homens.

“Santa Catarina é referência porque, infelizmente, somos um Estado severamente castigado por desastres naturais e quem trabalha mais acaba se tornando mais apto. Por exemplo, a enchente de 2008 foi uma grande escola, aprendemos muito e em cima dos erros mudamos nossa estrutura de trabalho. Recebemos um investimento significativo, somos o único Estado do país que tem a estrutura para formação de cães, que fica em Xanxerê e realiza cursos duas vezes por ano”, destaca. Os cães são preparados para buscar pessoas vivas e também restos mortais, em mata, área urbana, deslizamentos e até afogamentos.

Certificação internacional

Em 2006, os Bombeiros se filiaram à Associação Internacional de Cães de Busca de Resgate, e desde então todos os que estão em trabalho possuem certificação nacional e internacional. Para entrar em atividade basta ter a nacional, mas o Corpo de Bombeiros de SC foca também na internacional.

“O treinamento não é um processo simples, começa pela qualificação do homem, há toda uma estrutura logística e o cão é uma ferramenta de um especialista em busca, e por isso precisamos de determinados níveis de certificação, uma garantia de que o cão está habilitado e pronto para a atividade, pois é um trabalho delicado, a vítima não pode ficar para trás. Não podemos brincar com isso, há vidas em jogo”, pontua.

Segundo Parizotto, os cães levam pelo menos um ano e meio para começarem a trabalhar e há ainda a dificuldade para encontrar o condutor, já que o cão é de responsabilidade dele (inclusive mora com o condutor).

“De todos os bombeiros que fazem o curso, conseguimos aproveitar 20% e é normal. Vou me aposentar em dois anos e sonho em conseguir ver mais cães em serviço. Um pré-requisito para eles trabalharem é gostar de pessoas, porque estarão procurando alguém que nunca viram, em um lugar onde nunca estiveram. A agressividade é um critério para ser retirado do trabalho. Em paralelo aos serviços de busca, também desenvolvemos terapias assistidas, como em hospitais e na APAE, é um trabalho fundamental para socializa-los”, completa.

Bombeiro e cão de busca em ação

Um dos cães após ação de busca

Os seis cães na ativa

Ice ficou famoso, mas já se aposentou


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Divulgação/CorpoBombeiros/SC
Parizotto (colete vermelho) e sua equipe
Parizotto (colete vermelho) e sua equipe

Cães de busca e salvamento dos Bombeiros de Santa Catarina fazem serviço noturno e são referência

Publicidade

Terça, 7/7/2020 14:55.

Em junho, o Página 3 publicou reportagem sobre o Grupo de Operações, Resgate e Salvamento com Cães (GORSC), que tem unidade em Balneário Camboriú. Na ocasião, o coordenador operacional do grupo em Balneário e também bombeiro voluntário, Andersom Gutz, citou uma ocorrência atendida em Nova Trento, porque os Bombeiros não entraram na mata à noite.

Esta semana, o Tenente Coronel Walter Parizotto, coordenador do Serviço de Busca e Resgate com Cães do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, entrou em contato com a reportagem para informar que não existe o protocolo que impede a atuação noturna dos bombeiros em situações como a descrita na reportagem de junho. Ele afirmou que o caso será investigado.

Serviço com Cães faz buscas noturnas

A matéria publicada pelo Página 3 em 26 de junho apresentou o trabalho do GORSC em Balneário. O coordenador Andersom citou um caso ocorrido há três meses em Nova Trento, onde os cães do Grupo trabalharam a pedido da Polícia Militar, quando um adolescente de 16 anos, autista, se perdeu na mata e anoiteceu. Andersom disse para a reportagem que, quando anoitece, os bombeiros têm um protocolo onde não trabalham nesse período na mata.

Porém, o Tenente Parizotto contestou a informação, afirmando que é nesse período que as ações de busca com cães são intensificadas.

Parizotto lembrou que na região de Balneário os Bombeiros possuem cães certificados em Brusque, Biguaçu, Blumenau e Itajaí, mas afirmou que o caso será investigado para apurar por qual motivo o GORSC foi chamado naquela ocasião e não os cães da corporação.

“Priorizamos os cães para o trabalho noturno, inclusive eles realizam provas de certificação e treinamentos que demonstram a capacidade que possuem para trabalhar a noite. Em Nova Trento há cães próximos, como em Governador Celso Ramos e também Itajaí e Brusque”, explicou.

O coordenador do GORSC, Andersom, foi procurado e confirmou que já atenderam duas ocorrências noturnas por conta da ausência dos Bombeiros, uma em Nova Trento (a citada na matéria do Página 3 por ele) e outra em Balneário. “Na ocorrência de Nova Trento em específico o próprio Chefe de Socorro dos Bombeiros informou que eles não entram na mata à noite devido aos riscos para a guarnição, e foi justamente por causa desta declaração que a Polícia Militar nos acionou. Ao chegar no local conversei com os policiais, eles informaram que nos acionaram porque os Bombeiros não queriam adentrar na mata e os policiais ficaram sem ação, sem ter o que oferecer de recursos para a família, e por isso nos acionaram”, informou

Os cães do Corpo de Bombeiros

Atualmente, o Corpo de Bombeiros de Santa Catarina conta com seis cães em atuação: Iron, em Xanxerê, Hunter, em Curitibanos, Chewbacca, em Canoinhas, Bravo, em Blumenau, Zaara em Brusque e Marley na Grande Florianópolis. Há mais seis em treinamento. A ideia é até 2021 esse número chegar a 15, para que cada batalhão do Estado tenha pelo menos um cão – que são todos da raça Labrador, sendo a sexta geração.

“Distribuímos eles pelo Estado, pois hoje não temos um canil centralizado, a exemplo de São Paulo. Eles foram distribuídos logisticamente para que estejam a uma hora no máximo para chegarem em todas as cidades do Estado”, comenta o Tenente Coronel Parizotto.

Ice ficou famoso

Um cão que ficou conhecido nacionalmente foi o Ice, de Itajaí, que se aposentou em 2018. Ele é filho de um cão do Coronel, e é avô de alguns que estão em atividade.

“Tentamos manter a linhagem de cães, fizemos um estudo genético para saber se eles podem ter algumas doenças, como cegueira e displasia. Hoje temos somente duas fêmeas que podem cruzar. Uma das netas do Ice teve ninhada ano passado e distribuímos os filhotes dela por todo o Estado, e também para outros lugares do Brasil. Já enviamos cães até para a Argentina e Chile, mas a prioridade é atender SC. Se há filhotes excedentes, compartilhamos”, destaca.

Estado é referência

O coordenador do Serviço aproveita para lembrar que o cão é um ser vivo e que pode ser afetado por problemas de saúde, como diarreia, ou as fêmeas podem entrar no cio, o que acaba intervindo no trabalho; mas afirma que eles são fundamentais, tornando as buscas mais rápidas, eficientes e econômicas: um cão tem a capacidade de varrer um espaço assim como uma equipe de 30 homens.

“Santa Catarina é referência porque, infelizmente, somos um Estado severamente castigado por desastres naturais e quem trabalha mais acaba se tornando mais apto. Por exemplo, a enchente de 2008 foi uma grande escola, aprendemos muito e em cima dos erros mudamos nossa estrutura de trabalho. Recebemos um investimento significativo, somos o único Estado do país que tem a estrutura para formação de cães, que fica em Xanxerê e realiza cursos duas vezes por ano”, destaca. Os cães são preparados para buscar pessoas vivas e também restos mortais, em mata, área urbana, deslizamentos e até afogamentos.

Certificação internacional

Em 2006, os Bombeiros se filiaram à Associação Internacional de Cães de Busca de Resgate, e desde então todos os que estão em trabalho possuem certificação nacional e internacional. Para entrar em atividade basta ter a nacional, mas o Corpo de Bombeiros de SC foca também na internacional.

“O treinamento não é um processo simples, começa pela qualificação do homem, há toda uma estrutura logística e o cão é uma ferramenta de um especialista em busca, e por isso precisamos de determinados níveis de certificação, uma garantia de que o cão está habilitado e pronto para a atividade, pois é um trabalho delicado, a vítima não pode ficar para trás. Não podemos brincar com isso, há vidas em jogo”, pontua.

Segundo Parizotto, os cães levam pelo menos um ano e meio para começarem a trabalhar e há ainda a dificuldade para encontrar o condutor, já que o cão é de responsabilidade dele (inclusive mora com o condutor).

“De todos os bombeiros que fazem o curso, conseguimos aproveitar 20% e é normal. Vou me aposentar em dois anos e sonho em conseguir ver mais cães em serviço. Um pré-requisito para eles trabalharem é gostar de pessoas, porque estarão procurando alguém que nunca viram, em um lugar onde nunca estiveram. A agressividade é um critério para ser retirado do trabalho. Em paralelo aos serviços de busca, também desenvolvemos terapias assistidas, como em hospitais e na APAE, é um trabalho fundamental para socializa-los”, completa.

Bombeiro e cão de busca em ação

Um dos cães após ação de busca

Os seis cães na ativa

Ice ficou famoso, mas já se aposentou


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade