Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
OAB Por Elas, de Camboriú, abre cadastro para voluntários

Quinta, 21/5/2020 15:42.
Divulgação

Publicidade

O Programa OAB Por Elas está com cadastramento aberto para advogadas e advogados, inscritos na 43ª Subseção da OAB Camboriú, para atuação voluntária em defesa das mulheres vítimas de violência doméstica com representações na Vara da Família durante o período de pandemia.

Os atendimentos acontecerão em regime de Rodízio Emergencial e poderão ser realizados por meios eletrônicos, já que a sala da OAB Camboriú, situada na Delegacia da Polícia Civil, ainda encontra-se fechada para atendimentos presenciais como medida de controle da proliferação do vírus.

“Advogadas e advogados que se estiverem dispostos a atuar de maneira voluntária em defesa dessas mulheres de baixa renda (comprovadamente incapazes de arcar com os custos processuais e honorários advocatícios) devem seguir as determinações do edital, que pode ser solicitado por e-mail por meio do endereço [email protected]”, explica a coordenadora do Programa OAB Por Elas, Kátia Quintanilha Soares.

As inscrições seguem até sábado (23). A divulgação da lista de inscritos na ordem em que serão chamados será feita no dia 24. Os advogados selecionados ficam proibidos de qualquer cobrança de honorários nos atendimentos feitos por meio do programa. As orientações completas constam no edital de divulgação, disponível também nas redes sociais da OAB Camboriú.

Mulheres estão ainda mais vulneráveis

Segundo dados da ouvidoria do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, entre 18 de março e 13 de abril, Santa Catarina foi o quarto estado com maior número de denúncias de violência contra mulheres (302), atrás apenas de Minas Gerais (526), Rio de Janeiro (792) e São Paulo (1.492).

A Organização Internacional do Trabalho estima que mais de 90% dos trabalhadores domésticos, mais vulneráveis economicamente na crise, são mulheres. Estudos também indicam que em crises econômicas, como a de 2010 no Brasil, elas foram mais demitidas do que os homens.

“É sabido que a situação de dependência financeira e emocional, bem como o isolamento doméstico, contribuem com o agravamento dos casos de violência. Por isso, o OAB Por elas torna-se ainda mais necessário”, reforça a presidente da OAB Camboriú, Maria de Fathima da Costa Santini Teles.


Fonte: Huna Comunicação


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação

OAB Por Elas, de Camboriú, abre cadastro para voluntários

Publicidade

Quinta, 21/5/2020 15:42.

O Programa OAB Por Elas está com cadastramento aberto para advogadas e advogados, inscritos na 43ª Subseção da OAB Camboriú, para atuação voluntária em defesa das mulheres vítimas de violência doméstica com representações na Vara da Família durante o período de pandemia.

Os atendimentos acontecerão em regime de Rodízio Emergencial e poderão ser realizados por meios eletrônicos, já que a sala da OAB Camboriú, situada na Delegacia da Polícia Civil, ainda encontra-se fechada para atendimentos presenciais como medida de controle da proliferação do vírus.

“Advogadas e advogados que se estiverem dispostos a atuar de maneira voluntária em defesa dessas mulheres de baixa renda (comprovadamente incapazes de arcar com os custos processuais e honorários advocatícios) devem seguir as determinações do edital, que pode ser solicitado por e-mail por meio do endereço [email protected]”, explica a coordenadora do Programa OAB Por Elas, Kátia Quintanilha Soares.

As inscrições seguem até sábado (23). A divulgação da lista de inscritos na ordem em que serão chamados será feita no dia 24. Os advogados selecionados ficam proibidos de qualquer cobrança de honorários nos atendimentos feitos por meio do programa. As orientações completas constam no edital de divulgação, disponível também nas redes sociais da OAB Camboriú.

Mulheres estão ainda mais vulneráveis

Segundo dados da ouvidoria do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, entre 18 de março e 13 de abril, Santa Catarina foi o quarto estado com maior número de denúncias de violência contra mulheres (302), atrás apenas de Minas Gerais (526), Rio de Janeiro (792) e São Paulo (1.492).

A Organização Internacional do Trabalho estima que mais de 90% dos trabalhadores domésticos, mais vulneráveis economicamente na crise, são mulheres. Estudos também indicam que em crises econômicas, como a de 2010 no Brasil, elas foram mais demitidas do que os homens.

“É sabido que a situação de dependência financeira e emocional, bem como o isolamento doméstico, contribuem com o agravamento dos casos de violência. Por isso, o OAB Por elas torna-se ainda mais necessário”, reforça a presidente da OAB Camboriú, Maria de Fathima da Costa Santini Teles.


Fonte: Huna Comunicação

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade