- Publicidade -
- Publicidade -
19.6 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Curso Técnico em Defesa Civil do IFC será ampliado para outros Institutos Federais do país

O curso Técnico Subsequente em Defesa Civil EaD, do Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Camboriú, será ofertado em outros Institutos Federais (IFs) do país. 

De acordo com a professora e coordenadora do curso, Cleonice Beppler, a novidade é fruto de uma parceria entre Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) do Ministério da Educação (MEC), IFC e a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (SEDEC).

Segundo Cleonice, a necessidade de profissionalização na área de Proteção e Defesa Civil foi consolidada por alguns fatores importantes. 

“Em 2022, na primeira turma do curso EaD, ofertado pelo IFC Camboriú, tivemos uma expressiva representatividade de inscritos de vários Estados brasileiros. Este fato demonstrou uma demanda crescente por especialização na área. Além disso, o Projeto ELOS, por meio de levantamento realizado pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (SEDEC), conduziu uma pesquisa abrangente em 1.993 municípios brasileiros, identificando as necessidades dos órgãos municipais relacionadas à proteção e defesa civil, incluindo questões de estruturação, capacitação e governança”, destacou a coordenadora. O Projeto ELOS contou também com a participação da professora para reforçar a importância da profissão Técnico em Proteção e Defesa Civil, durante o andamento dos trabalhos”, disse.

- Publicidade -

Reunião entre IFC e Secretarias Nacionais – Setec e Sedec

Em reunião com o Secretário Nacional da Setec e da Sedec, a reitora do IFC, Sônia Fernandes, e a diretora-geral do IFC Camboriú, Sirlei Albino, apresentaram dados importantes sobre a profissionalização e argumentaram a necessidade dos municípios brasileiros na formação técnica na gestão de riscos e desastres. 

“Temos uma formação sólida na área desde 2015. Em 2022, quando alteramos a modalidade do curso para Educação a distância (EaD), tivemos um número muito expressivo de inscritos e com representatividade em todos os Estados brasileiros. Esse fato reforça a necessidade da busca pela profissionalização no país”, considerou Cleonice.

Cleonice disse que a reunião com a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil e Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC), do Ministério da Educação (MEC), culminou no contato com as defesas civis brasileiras para que manifestassem, junto aos Institutos Federais de seus Estados, o interesse na oferta do curso Técnico subsequente em Defesa Civil.

“A estimativa é termos mais de 4.000 alunos cursando o Técnico em Defesa Civil, no segundo semestre de 2024 e 2025. O objetivo é oportunizar o curso aos 25 Estados brasileiros interessados, incluindo o Distrito Federal”, destacou a coordenadora.

De acordo com Cleonice, há uma demanda de profissionais técnicos em proteção e defesa civil em todo o Brasil. 

“A transformação do nosso curso presencial para a modalidade a distância (EaD), em 2022, possibilitou que várias pessoas de todos Estados brasileiros pudessem fazer a inscrição. Tivemos mais de 300 inscritos para 35 vagas, em nosso último processo seletivo. Além da proteção e defesa civil, no setor público, o curso visa possibilitar continuidade nas políticas públicas, independe do cenário político, na gestão dos riscos e de desastre. Já na iniciativa privada, a área de atuação está na gestão de continuidade de negócios, a exemplo do que já ocorre no exterior”, ressaltou.

A profissão

Em paralelo, o IFC Camboriú busca a regulamentação da profissão e criação da Classificação Brasileira de Ocupação (CBO) para o Técnico em Proteção e Defesa Civil. 

Em julho deste ano, o campus auxiliou na elaboração do Projeto de Lei (PL) nº 3353/2023, que está em tramitação na Câmara dos Deputados Federal e que dispõe sobre a criação e o exercício da profissão de Técnico em Proteção e Defesa Civil. 

“Buscamos regulamentar a profissão e reforçar a importância dos municípios realizarem concurso público com exigência de formação na área. Exemplificando, Balneário Camboriú foi a primeira cidade de Santa Catarina a fazer um concurso exigindo o diploma no curso em Técnico em Defesa Civil”, finalizou a docente.

Sobre o curso

O Instituto Federal Catarinense (IFC) – Campus Camboriú é pioneiro na oferta do único curso técnico subsequente em Defesa Civil, credenciado pelo Ministério da Educação (MEC). Desde 2015, o Instituto disponibiliza a formação, tanto na modalidade presencial, quanto na modalidade de Ensino a Distância (EaD). 

O curso Técnico subsequente em Defesa Civil já formou mais de 100 profissionais até o momento. Possui cooperação técnica com a defesa civil do Estado de Santa Catarina (turma em andamento), além de duas novas turmas, sendo uma delas em cooperação com a Associação de Bombeiros Voluntários do Estado (ABVESC).

- Publicidade -

O curso tem como objetivo capacitar o profissional para a gestão estratégica, tática e operacional; realiza atividades como: dos procedimentos administrativos, normativos e técnicos nas fases de prevenção, mitigação, preparação, resposta e recuperação, conforme preconizado em marcos internacionais e na Política Nacional de Proteção e Defesa Civil.

  • Forma de ensino: Subsequente ao Ensino Médio (pós-médio)
  • Modalidade: Ensino a distância
  • Duração: 1,5 anos
  • Carga horária: 840h
  • Período: Diurno/Noturno – com avaliações e práticas profissionais conforme prevê catálogo nacional do MEC
  • Escolaridade exigida: Ensino Médio completo
  • Inscrições abertas até 12/11. Clique aqui para saber mais

Clique aqui para conhecer mais sobre o curso

Texto: Coordenação Especial de Comunicação/IFCCamboriú

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -